Blog 2.0

Um poema para Silvia Mota

_ canção molhada de sal _

[ poema dedicado a Silvia Mota]

a palavra corta a tez da paisagem, corta o tempo

e minhas reminiscências, incisões que olhar bem sabe ler

corta essa dor tão sucessiva, textura de minhas raízes

! corta-me

ainda assim escrevo:

nas letras dos prantos e gritos de minha história

para doer-me nessa canção molhada de sal

para chover-me no pó das velhas estradas

nessa partitura cerzida com os fios da memória

ainda assim escrevo:

para soltá-la aos ventos nos céus de gaivotas

para que voe por horizontes escondidos entre montanhas

semeando essa dor- essa desesperança, em verdes trigais

e rasgo:

-para esquecê-la

-para esquecer-me

quem sabe amanhã, quando eu partir ...

alguém possa reescrevê-la sob a paz de madrigais

[ou ninguém- ou jamais]

nanamerij

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

This reply was deleted.