O PRIMEIRO NAMORADO

3542007353?profile=original

 

Aquele menino de sorriso doce que recordo

Quanta inocência e candura na alma terna

Depois de tanto tempo, afectos que renovo

Inseguranças, dúvidas, uma mágoa eterna

 

Hoje velhos os dois, meio século decorrido

Restam as mútuas recordações do passado

Nosso juvenil amor, idealizado e escondido

Para sempre na secreta tatuagem gravado

 

O reencontro com sabor a velhas emoções

Corpos desgastados, envelhecidos corações

A futilidade das aventuras inconsequentes…

 

Escolhas erradas, as vidas desperdiçadas

Filhos á deriva, em famílias destroçadas

Crianças fomos, sem apoios consistentes!

 

Arlete Piedade Louro

 

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

This reply was deleted.