Blog 2.0

Insólito pudor

O grito insolente

não rompe o medo

de dizer que ama;

sobrevive na mente

e, qual pesadelo,

se joga na lama...

Passos hesitantes

sem lucidez

em desatino

engolem amargura

na noite improvável

da vida imatura:

insólito pudor

de abrir o coração

e encher-se de amor!

 

S. J. Campos 03/10/2011

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    Releio...

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    O medo de dizer que ama é pernicioso ao coração que não deixa de amar. Teu poema é belo. Beijosssssssssssss

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    Poema que parece simples de interpretar, mas não o é. Inclusive pode-se interpretar de formas diferentes.

    "Na noite improvável/ de vida imatura:/insólito pudor..."  Partindo dai, a impressão que transmite é que se trata de um amor impossivel de uma prostituta, devido a vida que leva.

    Mas seja como for. Teu poema exige imaginação do leitor(a).

    Bravo poeta. Por mais essa obra.

    Bjsss

     

  • PRATA BABPEAPAZ
    Belo poema. O amor é um balsámo na vida que o acolhe. Beijossssssssssssss
This reply was deleted.