Blog 2.0

Fuga.

Fugi da aventura, que tu eras;
Menti-me, na paixão que te dediquei,
Por viver demasiado, a tua aparência,
E magoei-me, no sentimento por ti.

Foste a minha loucura e não sei,
Se era verdadeira, a tua inocência,
Nas palavras que te cria, sinceras!
Despertei, e apenas não insisti.

És só uma longínqua recordação,
Ténue também, de um passado,
Que ficou, como num baú envelhecido,

De um eu, agora mais conformado,
Sem importar, com o que tenha significado,
Depois de tudo ter acontecido…

Joantago

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

This reply was deleted.