Blog 2.0

Filhos do divórcio

Resultado de imagem para criança triste escrevendo carta

-Papai, você sabe que dia é hoje?

          -Você sabe quantas horas são? É meia noite, acaba de bater no relógio da matriz.

          -Sabe por que estou lhe escrevendo? Porque hoje, ou melhor, ontem, completei os meus dez aninhos.

          -Papai, eu sei que não é hora de criança ficar acordada e tenho certeza que você ficará muito zangado. Mas, acontece que hoje, depois de todos esses anos que você nos deixou, este dia parece ser o mais triste de todos.

          -Ontem acordei bem de manhãzinha, olhei aquela foto, quando eu tinha dois aninhos, você me segurava no colo e sorria para mim. Eu também sorria para você. Tente se lembrar! Eu já tentei, mas não consegui relembrar, é claro, eu era tão pequenino!

          -Sabe papai! Fiz mil planos para a noite, aguardando você para cantar comigo os parabéns e dar aquele soprão legal nas velinhas, que somente você sabia fazer. E, no entanto, você não chegou, você não se lembrou de ao menos de me telefonar, lembrando-se que existo. Que um dia, debruçado sobre o meu berço, dizia que eu era a criança mais querida do mundo.

          -Na verdade, você deve ser muito ocupado, atarefado, com compromissos sérios e inadiáveis. E quem sou eu, para poder roubar o seu precioso tempo! Mas agora por estas linhas saiba que muito senti, pois queria tê-lo comigo neste dia que passou.

          -Durante esses cinco anos que você e mamãe separaram-se, eu nunca mais vi você, e isto faz com que eu sofra muito.

          -Papai! Você para mim, continua a ser aquele paizão, de todas as horas, eu jamais esquecerei você, mesmo que continue com toda essa raiva de mim, embora, que culpa tenho eu, se assim quis o destino. E mesmo, que jamais possa vê-lo, possa abraçá-lo ou dar-lhe um beijo, continuará sendo o meu arco-íris, sei que você existe, mas não posso tocá-lo.

          -Desculpe-me, papai!  Por ter tomado o seu tempo, e estes pingos na folha não são do orvalho, são dos meus olhos.

          -Adeus!

                                                                                                                                           

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

  • Maria Iraci Leal, e tão gratificante sentir que as nossas humildes palavras tocam às vezes os corações. Fico obrigado.

    Abraço,

    Antônio

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

     Antonio Antunes Almeida 

    Um texto que toca na alma, é triste demais a condição do filho abandonado, parabéns pela forma como escreveste, os poetas podem tocar o sentimento e quiçá o de algum pai esquecido do filho, bjs MIL.

    Página de Antonio Antunes Almeida
    Página de Antonio Antunes Almeida no Poetas e Escritores do Amor e da Paz
  • BRONZE BABPEAPAZ

    Que triste divorciarem dos filhos.

     Saudações poeta

This reply was deleted.