ESPERANÇA

                                ESPERANÇA

Foi um som distante o que me chamou a atenção
Neste dia com tons de cinza e alguns aguaceiros
Um concerto da natureza em perfeita comunhão
Com o desejo de deixar o tédio nos travesseiros.

Soalheira esta paisagem onde cresce a esperança
Que mesmo em dias tristes tem algo para dizer
Acredito…porque é preciso acreditar na bonança
Enfrentar a tempestade com vontade de vencer.

Vinham ao virar da serra com grande algazarra
Um grupo de saltimbancos que se fazia anunciar
Ao toque dos tambores e numa marcha bizarra
Iam saltando e dançando para o povo se abeirar.

Gente estranha e sequiosa de afável acolhimento
Que a muito se prestava pelo pão de cada dia
Todos tinham uma arte ou um dom e sentimento
De partilhar com o mundo o saber ser alegria.

Irina que deitava cartas e entendia coisas da vida
Disse-me com um sorriso que seria rico e famoso
Que o desejo sem ação é como uma roda partida
Que esperança e fé são filhas do homem piedoso.


Salva-me Irina de toda a minha dúvida existencial
Do mistério que abraça toda a sorte no presente
Em dias de festa eu só imagino como seria o natal
Se todos tivessem para si esse futuro sorridente.

Que o sonho de toda a gente seja de Paz e Amor
E sigamos com esperança a luz que nos vai guiar
Por caminhos onde acharemos um ato redentor
Algo que nos levante da cama a sorrir e a cantar.

F. Corte Real
Dezembro 2016

3542035659?profile=original

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas