Blog 2 (PEAPAZ)

Desmaterializado

3542056587?profile=originalO dia entristece.

O sol se esconde atrás da névoa.

Meu coração mortifica-se. Minha cabeça turbulenta

Perturba-se com tua imagem

Emergida do misterioso mundo da vaguidão.

Minha pele sente teus dedos macios,

Teus olhos falam

Para minha alma desprovida de acalentos.

Bebo as doces palavras

Que não dizes

E que escorrem pelas minhas faces,

E alojam-se na alma abandonada.

Imagino que me abraças ...

Levanto as mãos para tocar-te...

Não te materializas,

És apenas uma alucinação.

Estavas distante...

Eu nem me recordava mais,

Eras somente uma lembrança

Diluída no tempo como tantas outras.

Surgiste da vastidão impenetrável.

Agora sofro tua ausência

Que me importuna, E me atormenta,

E me maltrata,

E me lancina.

Meu ser encontra-se tão embebido de ti

Que, temo, um dia explodirá.

Quando aceitarei

Que nunca poderás ser meu? Preciso conformar-me

Em amar-te sem que tu o saibas,

Mas a esperança de ouvir tua voz

Fazer-me uma declaração de amor,

Essa não morre.

Mardilê Friedrich Fabre

Imagem: Flor do Cerrado

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas