Blog 2.0

DIAMANTE BABPEAPAZ

Banzo por Piquete: a "Cidade Paisagem"

3541594503?profile=original

3541594475?profile=original

 

 

Banzo por Piquete a "Cidade Paisagem"

 

Minha terra - sem palmeiras -
exibe mil bambuzais,
que ao som do vento balançam.

Ao reclinar sobre o leito
minha face envelhecida,
chupo canção de amora
nas palavras florestais
vindas no canto brejeiro
desse pequeno sabiá.

Subo essa vida pequena
pela goiabeira da Vida
e, na pontinha dos pés,
enxergo tudo que alcanço,
bem na avidez dessa infância,
que no final da fronteira,
feita de sol e de céu,
de neblina ou cerração,
jamais será transportada
dos limites da ilusão.

Minha terra - sem palmeiras -
minha terra - sem limites -
minha terra - tem perdão -
pois eu fugi da tua força,
que me detinha em prisão.
Minha terra - era preciso -
procurar sonho de vida,
aprisionado na Vida,
num engodo do destino,
longe dessa proteção.

Minha terra - era preciso -
sacudir toda essa infância,
grudada,
teimosa,
insana,
na paisagem do fadário
e, deixá-la descansando,
no teu berço visceral.

Minha terra - hoje choro -
o choro da despedida,
que a mim me entregaste
nas estradas percorridas
no rumo à libertação.

Minha terra - hoje choro -
com saudades das esquinas,
da rua de baixo e a de cima,
do parque, do bangalô,
das retretas aos domingos,
do portão da minha casa,
donde jamais consegui,
em lugar nenhum do mundo,
sentir-me tão protegida.

Minha terra - hoje confesso -
descalçada de pureza,
agarrada na esperança
e, perdida, tal a criança,
que num dia te machucou,
ter, jamais, nunca entendido,
qual o segredo afinado
desse som inexplicável,
desse vai e vem incessante
do vento dançando forte,
nessa terra, sem palmeiras,
onde canta o bambuzal.

Minha terra - sem limites -
é cercada, toda inteira,
pela Serra Mantiqueira.

 

3541594475?profile=original

Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz

Rio de Janeiro, 1993

Fundo musical: Saudades de Matão ao Acordeon e Violão

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    Marco, Piquete é pequenina, mas sua paisagem é linda! Além disto, à época dos meus 15/16 anos haviam tantas garotas bonitas em Piquete, que era famosa a frase do caminhão de um morador: "Se moça bonita fosse flor, Piquete seria um jardim!" risos

    Esqueceste do restaurante, logo à entrada de Piquete, com o famoso tutú de feijão e torresmos feitos na hora? risos

    Beijosssssssssssss

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    Montenegro, que belos versos! Emocionada...

    Amantykir é um hotel em Itajubá, mas não o conheço.

    Grata, querido Poeta!

    Beijossssssssssssss

  • DIAMANTE BABPEAPAZ
    Agradeço aos queridos poetas os comentários gentis e carinhosos. Beijossssssssssssss
  • As pessoas têm sede de horizontes além dos quais tudo parece ou promete ser mais próspero, mais atrativo e interessante. No País instalou-se a centralização do Poder e das Políticas que levam os municípios ao empobrecimento e à estagnação. Com isso acontece o êxodo para as grandes cidades. Bom saber que você guarda a sua Piquete no coração. É uma região bonita. Quando meus filhos estudaram em Itajubá, a minha rota era: Dutra, Lorena, passava a Faculdade de Engenharia Química de Lorena, à direita na estrada, chegava a uma bifurcação - à direita Piquete, à esquerda, subindo a Mantiqueira, Itajubá. Uma vez dei uma entradinha por saber que lá era fabricada a pólvora que usei na infância para caçar passarinhos ou para fazer meus foguetinhos. rs. 

    beijos.

    Marco

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    Vívidas recordações narradas de forma majestosa.

    beijo

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    Papai vendia jóias. Daí minha paixão por ouro, até hoje. Também vendia roupas, em particular femininas. Eu e minha irmã eramos as "modelos". Saíamos no domingo à tarde para as famosas voltas na pracinha e na segunda-feira as moças de Piquete estavam todas na loja para comprar uma roupa igual. kkkkkkk

    Essa foi a desculpa usada por mamãe para que papai nos deixasse sair de casa, acompanhadas dos nossos irmãos, claro! Interessante, é que nunca nos aborrecemos com isto, nem eu e nem minha irmã.

    Beijossssssssssssssss

  • PRATA BABPEAPAZ
    Parabéns, Silvia!  Lindo poema!  Força e suavidade em cada palavra, em cada verso!  Beijos da Arlete.
  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    Marcial, conheceste essa pracinha que canto em meu poema? Vivi em Piquete até os 18 anos de idade recém completados. Então, vim para o Rio de Janeiro, para estudar... e viver o que ainda não sabia que viveria.  Cheguei à Cidade Maravilhosa, em 1970.

    Meu pai era comerciante e por diversas vezes recebeu em casa um vendedor que passava de tempos em tempos... Nossa casa, juntamente com a loja, localiza-se (ainda possuímos o imóvel) pertinho da praça. É a segunda casa antes do Pórtico da Fábrica Presidente Vargas, referida por Jorge Cortás. Será?...

  • Linda efemerida de vida 

    Onde o encanto  e a beleza

    Recordados com saudade

    Deram lugar à necessidade

    De expansão  da liberdade,

    Conducente

    E, aqui, manifestamente

    Presente

    E essencialmente,

    Duma ânsia de ser!

     

    Parabéns, Grande Poetisa Silvia Mota, pelo belo, encantador e alegre poema!

    ZCH

     

  • TOP BABPEAPAZ

    Sabia que em Piquete está a fábrica de propelentes para a munição do Exército.  É a parte material.

    Sílvia nos traz a poesia da cidade, com suas matas, babuzais e o velho portão da sua casa.  É a parte espiritual.

    Beijos

This reply was deleted.