A fé e a poesia

3542032966?profile=original

A fé e a poesia

Estreito de fé
é a minha letra
de poeta destemido:
Ao mesmo tempo que
limita, amplia, porque
o curto, por assim ser, só pode
sê-lo, se algo nele suplanta
e alcança píncaros
ou grandes profundidades...

Externo de fé
é a minha palavra
de poeta destruído:
Ao mesmo tempo que 
enfoca num determinado
modus operandi, também
descentraliza em busca
de novos horizontes,
veredas por descobrir...

Extremo de fé
é o meu verso
de poeta desmedido:
Ao mesmo tempo que 
cria uma delimitação,
tornar-se agigantado,
não por seu valor, talvez, mas
por sua insistência;
continuar, continuar, sempre...

Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

  • Olá amigo Mauro Martins Santos. É uma honra e um prazer ter meu poema apreciado e analisado tão bem e com tanto carinho.  Fico muito contente. Abraços.

    Visite meu blog: Arte-enlevo, onde coloca várias postagens que tem a mesma abordagem da ARTE-ENLEVO, que eu criei: A arte-enlevo propõe uma arte em que se transpasse o atributo de ser simplesmente arte da prática artística. A arte-enlevo transpassaria a condição de arte porque estaria em dinamicidade com expressões artísticas no êxtase, no enlevo. Propõe o elevar de mentes, consciências e espíritos tanto na pura crítica reflexiva, quanto no puro deleite de sensações e em âmbitos de maior apreciação estética plena.

    http://www.arte-enlevo.blogspot.com.br/

  • Obrigado minha amiga Silvia Mota. Que bom que você gostou. Fico muito contente com a sua apreciação. Visite meu blog: Arte-enlevo e se gostar, siga o blog: http://www.arte-enlevo.blogspot.com.br

  • 3543918622?profile=original

    Excelente composição de palavras, o termo exato de meu entendimento seria o de palavras erigidas usando de nossa composição bio-sensorial, na percepção direta dos fenômenos que ocorrem interna e externamente ao expectante, no caso o poeta. Tome-se de um plano, e comprimido em sua forma longitudinal e horizontal encurtando-o, ou seja constrangendo-o, de duas uma: ou ele se torna convexo ou côncavo. O poeta versou esta plasticidade para a poesia - flanando sobre montes elevados ou velejando, tendo por baixo profundezas abissais. Aqui pega-se o primeiro verso estreitado de fé e se apequena, no segundo se aquebranta  para no derradeiro ser exaltado agigantado pela fé de que não abriu mão. FANTÁSTICO, Poeta Maurício Duarte. Meus parabéns. Escreva sempre mais desses "enigmas da fé" que é um jogo-poético edificante.

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    A persistência é o caminho que se deve percorrer, em qualquer atividade humana.

    Parabéns, pelo relevante conteúdo temático aqui apresentado!

    Beijossssssssss

    3543918374?profile=original

This reply was deleted.