Blog 2.0

A COR DA LÁGRIMA

A noite era sombria

Úmida e pegajosa

Eu andava a revelia

Alma corajosa

 

Intrépido e curioso

Atento e romântico

Coração fogoso

Flutuando no cântico

 

Ouvi um choro doído

E senti uma dor lancinante

Jamais havia sentido

Uma voz tão fascinante

 

Vinha de dentro

De uma casa abandonada

Adentro

Sem pensar em nada

 

Uma moça tão linda

Chorava compulsivamente

Não me via ainda

Que cena comovente

 

Lágrimas de dor

Lágrimas de saudade

Lágrima incolor

A lágrima da eternidade

 

Não pude me conter

Chorei do fundo de minh’alma

Do fundo do meu ser

Lágrima que acalma

 

Ela se virou

E olhou para mim

A adrenalina jorrou

E eu senti enfim

 

Seus olhos brilharam

Veio algo que reluz

Duas lágrimas ainda rolaram

Mas eram lágrimas azuis

 

SIGMAR MONTEMOR

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

This reply was deleted.