Posts de Paolo Lim (473)

EXALTAÇÃO ÍNTIMA DO POETA

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, anel e close-up

O poeta sente, mesmo ausente, a dor que não lhe pertence.
 
Dor alheia que se lhe assemelha. Emula-se para canta-la. Faz-se inexistente ao expressa-la, verdadeiramente.
 
Esquece o “eu”, pressente - Enganador ou demente ?
 
Sua querência, acredita na inocência. Se inspira e revela, espontaneamente reza.
Crê deixa-se queimar por ela.
 
A sorve a frio. A faz correr como um rio. Crê na limpidez do desvario.
 
Eterno crítico. Torna-se místico. Consequentemente, analítico.
 
Coabita o moderno. O estrutural materialista. O crente panteísta. Sem perder de vista, o revolucionário nacionalista.
 
Gnóstico, exótico, abundante. Perseveranças o fazem mutante.
 
Vida e obra. - O que lhe sobra ? – Faz segredo. Mantém com fé seu degredo.
 
Mil personagens, duas mil viagens, carências, felicidades, sem arbitrariedades.
 
Não esconde o vazio subjacente. Heteronímica é a poesia que sente.
Saiba mais…

POEMA APORRINHADO

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e atividades ao ar livre

No deserto deste poema,
apenas letras lentas,
pausas sonolentas,
vibrações purulentas
e o desterro dos sentidos
comprovadamente medidos
na sua aridez, ao vivo.

Na lufada de vento
um uivo-pressentimento
dos próximos movimentos...
Veias escarlates pulsando,
fora dos limites humanos
medidos pelos cromossomos
que herdamos.

Pausa e passos,
alimentos escassos,
último gole da prole -
arranha quando engole.
Surdo encarquilhar da face,
que exige certo disfarce
pela verdade dos fatos
em total desacato
com a idade.

O volume das vozes aumenta.
O clamor se adensa.
Vertigem da crença
sem temor à indiferença.
Um pedaço de pão,
algo à comer, satisfação,
cair por terra, corresponder,
retificar: - Não é fome,
é vontade de ter.

Saiba mais…

REGAÇOS

REGAÇOS

                                                                                           Persevero, espero,                                                                                                                                                                                        não quero perder.                                                                                                                                                                                         Reitero, severo:                                                                                                                                                                                           - Pior é não ter !                                                                                                                                                                                         Não falo de posses,                                                                                                                                                                                    se me faço entender.                                                                                                                                                                                       Mas de ternuras...                                                                                             Regaços do amanhecer.

                                                                 Paolo Lim

Saiba mais…

PERGUNTA

O que houve foi que não ouviu.
Apenas viu o que houvera
ouvido e havido sido
nos idos do olvido.

Confusão com fusão,
inclusão de som
e visão. Conclusão:
- Pura empulhação.

Tenho ou não tenho razão ?

                                                            Paolo Lim

Saiba mais…

FEBRES

Febre amarela, azul, cor de rosa;
Febre da palha, do feno, poderosa.
Frio no corpo, arrepio d'alma.
- Maleitas comuns, tenha calma.

Germens e micróbios,
indivíduos microscópicos,
hospedeiros tópicos,
presente dos trópicos.

Inimigos mortais,
epidemias naturais
ciclos sazonais
de vítimas fatais.

Absolutamente naturais...

                                                                            Paolo Lim

Saiba mais…

MAIS QUADRINHAS QUADRADAS

I

                                                                      Não pensem que sou maluco.                                                    Estou apenas ocupado
em conseguir o que curto
neste mundo destrambelhado.

II

A raiva passa,
angústia se supera,
dinheiro pinta,
mas saudade é fera...

III

Se você me chamar de louco,
é claro que vou sorrir.
Tenho consciência, um pouco,
de até onde posso ir.

                                                                       Paolo Lim

Saiba mais…

QUATRO PAREDES

A vida brilha. Mil bocas brotam.
Não quero dormir na noite maravilha.
Olho para o que fui, mesmo não sendo,
imagino sua face, seu disfarce.
Não quero mágoas que transpassem
ou atrapalhem minha trilha.

Trago o universo no peito.
Pranto e pena que espanta tanto,
espalhados no meu leito 
sobre o lençol de linho branco
a espera do que deve ser feito.

Inúmeras fagulhas que viram centelhas,
crescem, avolumam-se em chamas vermelhas 
 rugindo nos espelhos da cristaleira.

Ouço gritos divinos, vindos
d'onde o vazio espia
acentuando desatinos
como se nada sabia. 

As quatro paredes apertam
neste quarto, meu hibernal deserto,
ouço o que o universo envia.

Estou cansado de mim. Serei outro -
embora saiba inútil, o esforço -,
buscarei estrelas cadentes,
caídas, carentes.
As oferecerei meus versos dementes.
As tirarei da solidão silente.
Lhes cantarei uma universal canção.

A vida brilha, cega e envolve.
Quero de volta meu pequeno pássaro,
A inspiração do primeiro verso,
Meu sorriso puro.
Anda, devolve.

                                                             Paolo Lim

Saiba mais…

DESABAFO III

O reflexo na vitrine intima.
Coincidência ou sina ?
Visões espelhadas da sociedade opaca
que discrimina, critica, boicota e paga,
pelo conforto do corpo, da imagem rala,
fechando caminhos, cuspindo na cara,
negando o óbvio que a miséria escancara
e o marginal atrapalha.

Joias roubadas, milionário ladrão,
manchetes sangrentas, um pedaço de pão,
o craque malhado, o politico lambão,
o pastor suspeito que ganhou eleição,
no hospital baratas e corpos ao chão,
dividas rolando, olhem o "caveirão" ! 

Meu espaço privativo é parco.
Não preciso de mais, não.
Aliás, não precisamos...
Demais são os enganos
da política e da religião
que a sociedade aplaude,
toma como molde
e mete os pés pelas mãos.

Tudo depende da escolha -
como uisque ou cachaça de rolha -
no fim é a mesma trolha...

Ninguém sobrevive incólume,
não há bom ou ruim,
rico ou pobre,
numa sociedade chinfrim,
que destila filosofias
que descem pelos ralos das pias
e vão para o esgoto comum.

                                                                              Paolo Lim

Saiba mais…