Posts de Paolo Lim (475)

BRONZE BABPEAPAZ

QUERO

3815644614?profile=RESIZE_710x

Quero porque desconheço, acho que mereço o que não sei, dispenso suspiros de tédio, cerco-me de mistérios - todos já decifrei...

Não, não quero a tal felicidade oferecida pela metade, mordida pela sociedade, babada pela mediocridade, que um dia provei.

Quero os pícaros intocados, tessituras virgens, céus imaculados, ambíguos ambientes tresloucados e aos caretas inaptos, como sonhei.

Quero o poema que se estenda no limiar misterioso duma fenda, aberta no coração da saudade horrenda, que ao solstício do suplício prenda, tudo o que lhe dediquei.

Quero pisar nas dunas do absurdo, onde nada apetece e possa pular o muro, pregar um piercing onde estiver escuro, rir da solidão sem ter soluços, como sempre imaginei.

Quero transformar belo em medonho, como faz o amor, suponho, quando minhas mãos lhe ponho entre criativos e multiformes sonhos dos quais acordei.

Quero porque quero, sem lero-lero, assim espero, reitero: - Merecerei !

Saiba mais…
BRONZE BABPEAPAZ

CONSELHO VIII

3815639353?profile=RESIZE_710x

Exiba as forças que lhe cabem,
reze os credos que lhe agradem,
suba nos saltos, cresça,
bote o mundo às avessas,
proclame seus atributos,
não economize insultos,
diga o que lhe der na telha,
fabrique o mel, seja abelha,
pique em sua defesa,
mantenha a chama acesa,
provoque com belo decote,
exponha as pernas, seu forte,
rebole sem preconceitos,
exija seus inteiros direitos,
não há porque ser inibida,
nem tampouco diminuída,
se é dona do grande mistério
e do corpo que gera vida.

                                                                           Paolo Lim

Saiba mais…
BRONZE BABPEAPAZ

EXALTAÇÃO ÍNTIMA DO POETA

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, anel e close-up

O poeta sente, mesmo ausente, a dor que não lhe pertence.
 
Dor alheia que se lhe assemelha. Emula-se para canta-la. Faz-se inexistente ao expressa-la, verdadeiramente.
 
Esquece o “eu”, pressente - Enganador ou demente ?
 
Sua querência, acredita na inocência. Se inspira e revela, espontaneamente reza.
Crê deixa-se queimar por ela.
 
A sorve a frio. A faz correr como um rio. Crê na limpidez do desvario.
 
Eterno crítico. Torna-se místico. Consequentemente, analítico.
 
Coabita o moderno. O estrutural materialista. O crente panteísta. Sem perder de vista, o revolucionário nacionalista.
 
Gnóstico, exótico, abundante. Perseveranças o fazem mutante.
 
Vida e obra. - O que lhe sobra ? – Faz segredo. Mantém com fé seu degredo.
 
Mil personagens, duas mil viagens, carências, felicidades, sem arbitrariedades.
 
Não esconde o vazio subjacente. Heteronímica é a poesia que sente.
Saiba mais…
BRONZE BABPEAPAZ

POEMA APORRINHADO

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e atividades ao ar livre

No deserto deste poema,
apenas letras lentas,
pausas sonolentas,
vibrações purulentas
e o desterro dos sentidos
comprovadamente medidos
na sua aridez, ao vivo.

Na lufada de vento
um uivo-pressentimento
dos próximos movimentos...
Veias escarlates pulsando,
fora dos limites humanos
medidos pelos cromossomos
que herdamos.

Pausa e passos,
alimentos escassos,
último gole da prole -
arranha quando engole.
Surdo encarquilhar da face,
que exige certo disfarce
pela verdade dos fatos
em total desacato
com a idade.

O volume das vozes aumenta.
O clamor se adensa.
Vertigem da crença
sem temor à indiferença.
Um pedaço de pão,
algo à comer, satisfação,
cair por terra, corresponder,
retificar: - Não é fome,
é vontade de ter.

Saiba mais…
BRONZE BABPEAPAZ

REGAÇOS

REGAÇOS

                                                                                           Persevero, espero,                                                                                                                                                                                        não quero perder.                                                                                                                                                                                         Reitero, severo:                                                                                                                                                                                           - Pior é não ter !                                                                                                                                                                                         Não falo de posses,                                                                                                                                                                                    se me faço entender.                                                                                                                                                                                       Mas de ternuras...                                                                                             Regaços do amanhecer.

                                                                 Paolo Lim

Saiba mais…
BRONZE BABPEAPAZ

PERGUNTA

O que houve foi que não ouviu.
Apenas viu o que houvera
ouvido e havido sido
nos idos do olvido.

Confusão com fusão,
inclusão de som
e visão. Conclusão:
- Pura empulhação.

Tenho ou não tenho razão ?

                                                            Paolo Lim

Saiba mais…
BRONZE BABPEAPAZ

FEBRES

Febre amarela, azul, cor de rosa;
Febre da palha, do feno, poderosa.
Frio no corpo, arrepio d'alma.
- Maleitas comuns, tenha calma.

Germens e micróbios,
indivíduos microscópicos,
hospedeiros tópicos,
presente dos trópicos.

Inimigos mortais,
epidemias naturais
ciclos sazonais
de vítimas fatais.

Absolutamente naturais...

                                                                            Paolo Lim

Saiba mais…
BRONZE BABPEAPAZ

MAIS QUADRINHAS QUADRADAS

I

                                                                      Não pensem que sou maluco.                                                    Estou apenas ocupado
em conseguir o que curto
neste mundo destrambelhado.

II

A raiva passa,
angústia se supera,
dinheiro pinta,
mas saudade é fera...

III

Se você me chamar de louco,
é claro que vou sorrir.
Tenho consciência, um pouco,
de até onde posso ir.

                                                                       Paolo Lim

Saiba mais…