Posts de Etelvina Gonçalves da Costa (472)

Poetisa e Escritora

PELOS TEUS OLHOS

 

 

 

 

 

 

 

Pelos teus olhos

xxxx

 

Pelos olhos teus

Eu perdi os meus

Em chagas de alma

Lágrimas vertidas

E tão condoídas

ânsias calcadas

não quero

que a noite seja teu calvário

nem quero que sombrio e desnudo

trilhes  sendas do teu rosário

perdido nas sombras dessa noite

abatido

perdido

sem previsão de que te espreita o perigo

de pensares que foste apunhalado

quando na renuncia estas a implorar

que teu amor  se venha entregar

e nos braços teus amimado

Crueza

é o que tua alma agora gera

sem fé o amor perde a beleza

esquece que amanha é outra era

e que ja vem ai a primavera

que te regenera

ao sol da verdade

De Té

 

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

ENTARDECER

 

 

 

 

 

x

Entardecer

E em cada fruto que amadurece
Existe o estigma que separa a morte da vida
gérmen que continua o ser recordações que vivificam
débeis gemidos tristes brandos
O corpo vai o espírito sombra que fica
Na chã que o recebe vai ser princípio e fim
Dessa primavera exuberante
Agora a eternidade
Brota e explode amor e dor
É o evidente de todo o ser
é o entardecer da vida
que acaba no breu da terra
Afectuosa quente de alas abertas
Na essência há a síntese que não pára
no cair do fruto sazonado
uma sintonia de nostalgia e alegria
Ambivalência que o invade
Dualismo duplicidade
No presságio que lateja
Da semente que testamenta
Do seu coração emocionado.
E nada se perde tudo permanece
Nesse ciclo eterno e divino

De Té
:

Todos na vida temos um entardecer. Somos como as árvores. A infância é verde, a mocidade um festivo explodir de brotos e de flores É na hora melancólica da tarde que surgem e amadurecem os frutos. (Menotti Del Picchia
xx

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

SÓ......

 

 

 

 

 



É na voz do silêncio, que eu te escuto
Quando ele está assim tão caladinho
Não é do silêncio ,que eu tenho medo
Medo tenho, quando há burburinho.

No silêncio, eu escuto a tua alma
Que sei ,me fala dos teus lamentos
E é na quietação, que tu me falas
Que deixas fluir, os teus tormentos.

E escuto os sonhos, que te sustentam
Em abismos ,de calemas encobertas
E são esses desvarios, que te aguentam
Ilusões das tuas horas, tão incertas

Mas se considerares esse mutismo
E mesmo, que não fales nem sussurres
 Não estás solitário, tens meu abrigo

E sob o luar branqueado, que te ilumina
Nesse silencio apertado,não precisas falar

É que eu sei o que me queres dizer.

De Té

 

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

MEUS AUREOS CASTELOS

 

 

 

 

 

X

 

 

Meus aúreos castelos

 

Quero-te sempre conforme um dia te conheci

alma limpa ,pura singela e amante da alegria

Quero-te assim para não me esquecer de ti

Tal como eras para não me veres em agonia

 

Mas mudaste , atraiçoaste iludindo quem te ouvia

Então ao passares por mim vê como te lamento

pois há muito desmereceste quem tanto te queria

e que actualmente deplora este acontecimento

 

Ausente de ti me sinto perdida pois tua alma irmã

 e tuas mãos seriam meu guia, na senda da vida

desde esse dia logo quiz olvidar essa ideia vã

 

Vejo-me chorando em vão um sonho insensato

querer.te foi fácil porque te amei para além do meu tino

irreflectida pranteei e tombaram meus aureos castelos

 

De Té

 

XXXXXXXxxxxx

 

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

SEM DESPEDIDA

 

 

 

x

 

 



 Sem despedida

Um dia dei-me conta que te perdia
Nas sombras duma noite mal dormida
Que te tirava assim da minha vida
 por onde andarias que não te via

Para alem de bons caminhos havia atalhos
Com os meus olhos de esperança segui teus passos
Interpelava os que comigo se cruzavam
As respostas eram escassas nada abonavam.

Um pouco mais à frente havia uma fonte
O cansaço dominava as minhas forças
 A agua escorria da minha fronte
Talvez que na nascente nomeando-te me  ouças

O eco da minha voz se fez ouvir
ecoou pelos montes e planícies
por mais que escutasse só o eco ouvisse

E meus ecos perdidos se calaram
voltei pisando as pedras onde deixei
as lágrimas tão cruas e sombreadas

De Té
 

X

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

SILÊNCIOS

 

 

 

x

 

Tudo é silêncio

  

Tenho silêncios guardados.

Que não os conto a ninguém.

São sentimentos fechados.

São ecos de um passado.

Lindos milagres de amor.

 

E se no silêncio souberes.

Ler assim meus pensamentos.

Fica com eles então.

Guarda-os no coração.

Cala pra sempre eu te peço.

 

Silenciei minha dor.

No dia em que te perdi.

O sonho se desfez em mim.

Meus olhos guardam esse amor.

Jamais se separará de mim.

 

E é no silêncio da noite.

E nos dias de calmaria.

Que meu coração encontra.

A doçura da alegria.

Dessa tão densa ternura.

Que me fará companhia.

 

Então transformarei meu pranto.

Em melodias de encanto.

Da noite farei o dia.

Do inverno a primavera.

E plantarei alecrim.

miosótis e jasmim.

No silêncio da saudade.

 

 Portugal,

De Tetita (T,ta)

 

 

Poemas do meu caderno

x

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

PAIXÃO

 

 

 

 

 

x

Paixão

O desejo enlouquece e a alma apetece
o corpo se tortura, esfria e aquece
As posses se misturam , rasgos de amor e ternura
Que duram,perduram,em loucura
Quanto maior o desejo, que aquece e enlouquece
maior a tortura, de quem não se segura
libidinosas odes de ternura, que só se dissipam
quando arrefece esse desejo, tormento que dói
Se a posse ardorosa, não for harmonia
de canto e musica, e apenas alegoria fantasiosa
que morre e se desfaz em queixas de ânsias diluídas
Em trevas, que tem de ser esquecidas
em sulcos de soluços de amarguras

DE Té


x

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

SAUDADE ESSE MAL ........

 

 

 

 

 

 

 

Saudade esse mal que não nos faz bem



E tão grande a crueldade

De quem chora a saudade

São penas de amor que o ordenam

sentimento contundente

que contradiz toda a natureza

É tão triste sofrer de saudade

É o amor que o ordena

e se vive assim sem ser vida

de tanto amor e tantas penas

Descansa desse coração em matirio

desse mal que mata o coração

é o amor e sua formosura

que se veste de ternura

e se chora o tormento

de te ter revestido

dessa paixão que acaba em lamento

Descansa desse coração em martirio

que se reveste de negrume

Nem olha os lirios dos campos

vestida de grande pranto

nem as aves tão brejeiras

que cobrem os ceus de chilreio

nem o verde dos campos

nem o céu que era teu encanto

olhas o céu e suspiras e aceleras teu coração

é grande a crueldade

de chorares tua saudade

de um amor de falsidade

e perdes a primavera .

que alegra teu coração

a saudade vive mansa na nossa alma

pelas boas recordações

Só a merece quem te quer bem



DE TÈ



Saiba mais…
Poetisa e Escritora

NÃO PASSOU DE EQUÍVOCO----

x

 

x

 

 

 

Equivoco

 

Esta alma lírio de pureza aveludado

apresentava alegria e confiança

Uma fé viva nessa jornada

E tão forte era sua esperança

 

Amor cego, se tornou afronta

e lhe encheu o peito de pesar

ali se afundou sua fortuna

e seus olhos se tornaram mar

 

 

Emergia numa crença inabalável

afortunada deixava seu peito cativo

de quem já na lonjura caminhava

 

Acorda desse sonho aferrolhado

num dia em que o sol se fez noite

e seus olhar se fez cego de abismado

 

De Té Etelvina Da Costa

 

x

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

PUERILIDADE

 

 

 

 

 

 


PUERILIDADE


Quando as noites são estreladas.
 o azul do céu nos encanta.
É mensageiro da beleza; É a nossa grandeza
Onde o encanto nos fala e domina
Visão que nos diz da gloria de Deus
Grandeza da sua sabedoria
E a terra vibra sob esse clarão
E da sua formosura
De quem a admira e sua perfeição
A faz erguer as mãos
Numa prece de gratidão por esse teto
 Luminoso, esplendoroso
E sente-se afortunado.
A sua emoção transparece
Como o riso de uma criança
Que corre alegremente
Crente que no horizonte
mais perto fica de colher uma estrela brilhante
Pueril/idade ternura inocente quimera
E ainda há quem não se dê conta dessa maravilha
criação divina do universo e correr como a criança
nessa busca da luz que seduz, sonho humano.
insano na sua pueri/idade
 
De Té 

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

VAIDADE.........

Sobre a imagem:
Esta imagem impressionou-me porque revela a dualidade inegável do homem .Em tudo Há o lado bom e o lado mau.Assim como não há moedas com um só lado os sentimentos têm os dois lados assim o homem queira. A imagem da escada diz-nos que apesar do esforço há que tentar sempre subir pois os degraus da vida são para subir atingir o cume onde está o bem e negar sempre o lado tenebroso que nos afunda nas profundezas da malignidade.


Vaidade

Há sempre uma imodéstia que nos envolve
É próprio da natureza essa ondulante virtude
Não é o querer ser mais que nos demove
Mas é a garridice feminina essa atitude

Amar e ser amada fascinante contentamento
Orgulho que aguça a vaidade por tal valia
Só quem não provou o ardor desse sentimento
jamais dessa vaidade experimentaria

Versejar é próprio e uma alma em empatia
Com o coração pleno de amor e emoção
Seus versos dizem tudo da sua alegria
Quererá engrandecer-se nessa expressão.

Mas a cegueira desfralda o véu da realidade
e quantos sonhos que à alma faziam parceria
se abrigam vertendo em agonia essa sã fatuidade

E onde o mal se afirma e o bem se cala
Surge então a perversa e pretensiosa vaidade
O opróbrio dessa idealidade ....

De Té
10~10~09 Do Recanto das letras onde escrevi e ainda tenho meu blog



Mote : Vaidade!

Enviado por: Mariah Bonitah

"E quando mais no céu eu vou sonhando,
E quando mais no alto ando voando,
Acordo do meu sonho...E não sou nada!..."

Florbela Espanca



Saiba mais…
Poetisa e Escritora
 
 

 

 

x

De Improviso

 

E o tempo assim vai contando
Nâo se pensa no àmanhã
e a noite espreitando
Espreguiçada no verbo amar.



Criar é voar, imaginar mundos
mistérios insondáveis
Semear é produzir, criar, gerar
Escrita é Liberdade
Sonhar, é querer viver o impossível
É alcançar o que idealizou
É olhar em redor e
encontrar o paraiso
concebido no seu devaneio
Dizer Vive!
Dizer Amar_em_elos
Abraçar com letras,
com palavras, com silencios,
abraços, abraçar apertar
Cavalgar marés, ultrapassar horizontes,
subir para alcançar o céu.
Voar é ser livre, ter asas
fazer a festa com as avezinhas.
O Sonho.devaneio.fantasia.alucinação
Mente, cria recria
Poema,é cântico 
Amando é poesia que se vai escrevendo
Amante é viver
É gostar intensamente
sem preconceitos sem limites
Ventura felicidade boa sorte fortuna afortunado
Amigo é a nossa segunda pele
Paixão é loucura, que se transforma
no mais belo amor, pura magia,feitiço
Sedução, fascinação, atracão encantamento
Crer é acreditar, confiar,
Beijos, sâo caricias, são sopros
que aquecem o coração
Amar é amar o amor.

Té Etelvina DaCosta

 

x

 

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

ENCONTRO DIVINO

 

 

Encontro divino

De Té

 

Não te vou tirar de mim ,seria o fim

Desejo-te tal como no primeiro dia

Continuas inicio e termo, dentro de mim

Irmãos esculpidos no amor ,e na alegria

 

Nosso encontro foi divino ,veio do infinito

não podes duvidar de quem ,traçou o destino

Com a luz dos teus olhos segui o trilho

Assim te achei ,por estares tão longuinquo

 

Quero vêr-te tão igual, como te descobri

sob o mesmo sol ,e sob a mesma estrela

Sempre conforme o céu ,quando cheguei a ti

 

 

Há um bem, que visionas ter perdido e é teu

Só porque caminho sózinha na estrada da vida

Mas vens unido a mim, porque és meu desígnio

 

De Té Etelvina da Costa

 

 

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

NOSSA DISTÂNCIA ANOITECEU

 

Nossa distância anoiteceu

 

Há mas eu percebo porque te embuças

nos sitios onde anda a minha voz

perdes-te e é de mim que te disfarças

mas tropeças no trilho que é de nós

 

Talvez que ao te olhares me descubras

Nos remorços que em ti pesam demais

Talvez no canto dos pássaros te iludas

e confundas o rouxinol com os pardais

 

Ninguém te conhece tanto como eu

e amores transitivos não deixam rasto

tu és um livro aberto que ninguém leu

 

Nossa distância um dia anoiteceu

Mas tão alongada se desmereceu

e a pomba deixou cair as asas e pereceu

 

De Té

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

MEUS VERSOS SÃO BALADAS

 

 

 

 

Meus versos são baladas

De Té

 

Meus versos são baladas, que canto ao luar

Romagem desta minha ilusão frustrada

São andrajos difundidos, que deixo pairar

entre o mar, o ceu e a minha alma magoada

 

Meus versos dizem tudo, para desafogar

este corpo e espirito, submersos em pesar

São palavras, que saem desta força de amar

quem de mim, lágrimas me fez prantear

 

Meus versos são preces, que oro pelas caladas

a pedir na vastidão à grande estrela, que reluz

que me dê um aprazível sorrir, nas madrugadas

 

Meus versos são baladas, são palavras, são preces

são lágrimas, de um coração torturado, de uma vida

de anseios, sentidas em busca de si própria

 

De Té Etelvina Da Costa

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

MEUS PASSOS

 

 

 

Meus passos

Passadas em abismos de esperança

De Té

 

Meus passos? Têm longa história no rolar desta vida.

Bem vivida e resistindo, ao balançar dos eventos.

Uns bem tristes e sofridos, outros plenos de alegria.

Longos cursos percorridos,entre atalhos e outros pisos.

Entre labirintos e precipícios, venci solidões e emoções,

Rumei a paraísos de ilusões, e deixei-me embalar pelo vento.

.Os trajectos da minha existência, esgotaram-se nesses trilhos.

Já não piso firme como antes, que foram tão leves e ligeiros,

como os passos de bailarina, que progrediam dançantes,

Saltitantes sem afãs, ousados vertiginosos.

Em alvoroçada rebelião, nessa alegria vibrante,

que marcavam as jornadas, caminhos por estradas

já bem demarcados, outros, marcava-os eu.

Descobrindo novos céus, para alcançar horizontes

Banhar-me em nascentes, de águas puras correntes

Meus rumos foram audácias quase insanas, porem de esperanças

Tiveram a elevação humana,orgulho da minha história

Também caminhei ao lado dos teus, e quando deixei de os ver.

Perdi-os ou perdeste-os tu?

Agora já hesitante, vejo-me a calcular distâncias

Mas ainda não desisti, ainda não estou vencida.

Entre o partir e chegar, caminharei docemente

Ainda me resta energia, e a alma fortalecida.

O empenho é muito firme,e meus olhos, distinguem as vias

como sinais luminosos, que me mostram como é lindo viver

Mas quando chegar o dia! Quando me algemarem as forças

Apoiarei-me nesse bordão, que tu Senhor me abonarás

E o caminho me ensinará, e tu Senhor lá estarás.

a estenderes-me a mão.

Quando enfraquecida me vires

Para evitar que caia

 

De Té

19~12~2011

 

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

ABANDONO/ DECEPÇÃO

  

 

 

Abandono/decepção

De Té

 

Se as tuas mãos pedem afagos e calor,

Estão frias e gelaram pela dor,

Por falta de ternura e alegria.

Se os teus olhos suplicam lágrimas que lavem

As outras que caíam e que te queimavam

Marcando sulcos no teu amargurado rosto.

Se os teus lábios já não se abrem de desejos,

Fecharam-se já não sentem o sabor dos beijos

Esquecidos desse amor, já perdido.

Se a tua mente olvidou o que consentiu,

Dum tempo em que a vida, tanto te sorriu

E agora fecha-se a esses nebulosos sonhos.

Mãos, olhos. Lábios. Sonhos e mente...

São a cadência que a tua alma sente,

São as saudades que ecoam do que perdeste.

São aquelas vozes que ouvias e esqueceste,

Alterada pelo abandono seco e frio que venceste...

De alguém que continuas a amar e que hoje já não é ninguém.

 

De Té

Etelvina Acosta

Postado em Peapaz a 04-03-2017 ás 3h

Do meu baú

 

 

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

ILUSÃO /DESILUSÃO /AMOR

 

 

 

lusão/ desilusão/ Amor

De Té

 

Na solidão do meu olhar, consegues visionar

Quanta dor destrói meu coração que acorrentaste.

E foi em teu abraço forte, que me fui aprisionar.

E no beijo meigo, com que me desejaste.

Que lamento tristemente, minha ilusão.

 

Invadida de um abismo revolto e estonteante.

Eu sigo adiante, meu trilho sem guia.

Quis a ilusão, que fosses meu engano perturbante.

Penei anos nessa traição sombria e fria.

Nuvens turvas, trespassaram meu paraíso aliciante.

 

Quebrando esta agonia, que me cerca e me atormenta.

Afundo-me em águas de rebelião.

Escondo o cansaço que me envolve e me desalenta

Seja meu amor. a maior intenção

Para não evocar esta desilusão.

 

Teus caminhos, minha desilusão, continuam perturbados.

Quando perdido, cansado procuras a luz

Sei que voltas e a lassidão domina os teus passos magoados

Mas a candeia da nossa morada teu norte reluz.

Abraço-te, esqueço, minha rebelião e seguro a minha cruz..

 

De Té Etelvina Acosta

04-03-2017

Postado nesta data em Peapaz

 

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

NA ROTA DO SONETO : AMOR SACROSSANTO

 

  

Na rota do soneto

Amor sacrossanto

De Té

 

Minha sede de amor em ti deponho, seja este o momento

Afável serei,espero com anseio o teu aprazimento

Transcendo a dor, se por mal, me envies tormento

Visto-me de negro, será o negrume do meu sofrimento.

 

Poeta louca Não! Apenas louca de amor em sacrossanto

Incomensurável seja este momento de suspiroso sentimento

Por quem oro, canto,minha tristeza, seara ondulante de lamento

Suspiros repercutirão, e se escutarão, no alto firmamento

 

Vigia amor, teus enganosos segredos, junta a eles teu argumento

Esvazia teus vis enredos, eles fluem dentro de ti gloriosos

Exauro meus mares,meus rios, minhas razões, alto grau de lamento

 

Tua luz bruxula de indignidade no cofre aberto do teu sentimento

Cada palavra tua me fere, lamina cortante, em brados dolorosos

Não te invejo a sina, que futura intrigas,sofrimento, aluimento-.

 

De Té Etelvina Acosta ou Etelvina da Costa

13-03-2017

 

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

FESTA DA LUA CHEIA

 

 

 

Festa de lua cheia

De Té

 

Está minha alma cobiçosa

Da hora de lua cheia

Senhora da noite, do encantamento

De tons dourados, que incendeia

Minha lunática teimosia

Que rendilhada, astuciosa esperança

no altar lunar buscaria

Essa faustosa luminária

que à terra avara enfeitiça de magia

Faminta minha alma sente

Impudica, de desejos

Estigma genético

Do encantamento com a vida

Nasce vida,nessa hora de lua cheia

 

De Té

 

Saiba mais…