Posts de Ciducha Seefelder (154)

Vem, não tardes!

 Vem, não tardes!
Marque meus dias...
todos os dias...
Mas principalmente,
as noites,
sempre frias, geladas...
É quando mais sinto
a ausência do teu calor,
do teu corpo másculo,
do teu hálito de súplica,
me dando todo o teu
amor!!!
Vem, não tardes!
Mate o vazio que se esgota
à sua procura, num desafio!
Vem, não tardes!
Vem fazer do meu corpo,
teu abrigo permanente,
todas as horas... e,
fique!
Não vá embora...
Vem!!!
Ciducha Seefelder 
Arte da querida Silvia 

Saiba mais…

MEU MAR...!


MEU MAR...!
 
Hoje, minha poesia é para  você!
Quero me desculpar, pois um dia cheguei a te odiar!
 
Mas... me desculpa, viu?
Como poderia, se nos seus braços entreguei quem eu mais amei?
 
Hoje, ao olhar para você,
só sinto paz..
pois é aqui que meu menino jaz!
 
Ciducha Seefelder


Saiba mais…

Cartas guardadas

 
 
 
 
 
 
 
(CARTAS GUARDADAS..)
Sâo Paulo.14 de Março de 2002
Querido
 
Movida à ansiedade,li e reli sua carta de dias atrás.
Fiquei extremamente feliz com as boas notícias
sobre a sua vida
Não menos pela sua generosidade e,
igualmente,por tudo isso ter chegado a mim por você.
Se imaginasse o requinte da surprêsa,
teria antecipado meu aniversário
Quando fiquei sabendo que você estava "viajando"
no dia do meu aniversário,
fiquei preoucupada.
Depois,ao receber a sua carta e não um telefonema,
como acho que caberia fiquei desapontada.
Guardei para dar-lhe,naquele dia,
as boas nóticias sobre a minha vida.
Mas estabelecido o silêncio,
deixo registradas aqui as novidades.
Inocência ou pretensão,achei que você
ficaria feliz ao saber de tudo isso,no dia 21.
Afinal,no início,você acreditou em mim e no meu poetar.
Sem a sua participação(emocional),você sabe,
ele não teria acontecido
E tudo ,hoje,seria diferente.
Ainda mais,me permite,embora esforçando-me
para não destoar do espírito da carta,
que me foi tão gratificante,
comparar meu silêncio recente,
substituido por uma carta,com
a longa e absoluta falta de notícias
vindas de você.
Aliás,estou sendo imprecisa,
notícias trazidas por outros não faltaram
Portanto,recebo como
demonstração de aprêço seu desapontamento
com o retôrno que fiz,por escrito,
a sua carta  de cumprimentos
pelo meu aniversário....
Tenho dificuldades para terminar esta carta.......
 
Ciducha Seefelder
 
 
 
 

Saiba mais…

Lembras-te?

 



Hoje me viste triste,
E pensaste, vaidoso...
que eram  saudades tuas?
Pressentiste...
que eu estava querendo o teu consolo?
Lembraste ainda daquela noite,
querido?

Minhas mãos trementes,
no calor das tuas...
passando depois lentamente
por teu dorso,
e soltando meus cabelos
nas minhas espáduas nuas!

Sentindo teus lábios nos meus seios,
e em todo o meu corpo...
presa de amoroso enleio
quase morri de excitação e ventura!!

E neste aconchego,
entre beijos ternos e prolongados,
juntos chegamos
em espasmos alternados...
ao ápice do prazer!

Lembras-te?

Ciducha Seefelder

 

Saiba mais…

Queres ser meu amante?

 
Queres ser meu amante?
 
 
Minha alma dita as palavras
ao meu dócil coração...
Ao contrário de ti 
tenho todas as respostas que preciso!
Ninguém jamais saberá
como seria o passado
sem vivê-lo..
 
 
Poderíamos sim, tê-lo partido ao meio 
mas poderíamos também, com sorte
ter feito do passado nosso leito
e caminharmos juntos até a morte...
 
 
Ninguém jamais saberá...
Mas eu sei de uma pergunta que me ronda
que tira o brilho dos meus sonhos
remexe minhas lembranças
rebelde e insubordinada
querendo sair...
 
 
- Queres ser meu amante?
 
Ciducha Seefelder
 
 
 
 

Saiba mais…

Você nunca irá encontrar...

 
 
Você Nunca Irá Encontrar...
                   
                       
Não... você nunca irá encontrar,
por mais que tente e procure,
nesta e em todas as nossas vidas,
alguém que te ame assim,
tão intensamente quanto eu!

Não se trata de ser mais, ou menos amor.
Eu me entreguei sem reservas,
sem conluios com a própria sorte,
sem temer a vida ou a morte,
eu te amei assim...
desse jeito meu, só meu!
E ninguém vai te amar mais do que eu!

Ninguém vai te entender e esperar,
tanto quanto eu...
Não se trata de obrigá-lo a nada.
Você sempre fez o que quis, e eu
pacientemente esperei
por cada volta sua, por cada retorno...
para vê-lo partir novamente,
como os barcos no oceano,
como os grandes ventos e tempestades...
A diferença era só o temor,
que por você, é simplesmente amor!

Mas não faz mal... estou aqui!
Quando sentir falta de mim,
quando a saudade bater,
tanto quanto bate aqui,
no meu coração...
eu sei que voltará.
E me trará de novo, a paixão!

Eu espero... aqui,
bem aqui...
 
Ciducha Seefelder
 
 
:: ::

 
Publicado no Recanto das Letras em 01/04/2008
Código do texto: T926507
 

Saiba mais…

Sempre no meu coração

 
 
Sempre no meu coração...
 
 
 
Minha certeza é a do vento
que vem e passa,
engolindo vorazmente
tudo o que encontra pela frente,
e eu me assemelho mas não me sacio,
sedenta de amor...

Minha coragem tem limite...
limite certo para o nosso caso.
Se é que existe,
se alguém resiste
porque eu... não sei ainda,
se resistirei...

Carrego a esperança do amanhã,
do afago,
do sorriso
e da palavra dita docemente,
na sua voz, caliente...

Em alguma noite ou dia
num momento de amor ardente,
inconsequente...
que dispensa explicação.
Apenas é,
esse desejo  forte
que sufoco no meu peito.

Sempre no meu coração...
Seja do seu ou do meu jeito!
 
 
Ciducha Seefelder
 
 
 
 

Saiba mais…

Passado carinhoso

 
 
 
Passado carinhoso


Tão bom lembrar nossos momentos!
O coração e a alma satisfeitos,
correndo pela vida de mãos dadas...

Lembrar nossos olhares, a sintonia
que executava suave sinfonia
e nossos anjos entoavam com vontade...

Os meus olhos vêem sempre saudosos
a saudação desse passado carinhoso
que volta e meia vem me rondar outra vez...

Ah, se eu pudesse voltar algum dia!
Rever nossos caminhos, nossa alegria,
fazer de novo esse traçado tão feliz!...
Mas quem há de saber, o que eu sempre quis?
Porque já não o vejo, foge de mim?
Eu que pra você, fui tão terna, carinhosa...

Vem me contar uma hora dessas
sem me esconder e sem ter pressa,
eu espero aqui, no mesmo lugar...
 
Ciducha Seefelder

Saiba mais…

Resposta a um poeta no dia da poesia

 
Resposta a um poeta no dia da poesia
 
Como dizer a alguém
que pensa que não ama, que ama,
Que não é por amor,
mas por companhia que reclama?
Pois como alguém, sem amar,
 poderia tornar-se poesia?
Como sem a paixão, a dor e o amor
um poeta se faria?
Este amor sem destino que trazemos no peito,
na ânsia de se dar,
fantasia-se em entregas ao leito,
que não demanda amor,
mas tão somente o bom jeito...
Não, meu poeta, o que sentimos
 é o amor que chora,
que sem ter a quem entregar-se
e por não poder ir embora,
exige, implora, exalta-se
e jorra na poesia que o leva à forra.
 
Desculpe-me pela intromissão,
mas se vejo tanto amor em seus olhos...
Quanto dele haverá em seu coração?
 
Ciducha Seefelder
 
 
 
Saiba mais…

Você

                                                               

 

Você

 


É você o culpado
de toda a minha indocilidade
dos meus dias sem felicidade
pela ânsia de tê-lo em meus braços
você... unicamente você!

É você o senhor dos meus sentimentos
a minha esperança de sorrisos
no rosto e na alma
todos os que eu mais preciso
você... unicamente você!

Vem amor... não me negue essa dádiva
de poder ver o brilho do teu olhar
ter os teus braços a me enlaçar
na loucura imensa de estarmos juntos
eu e você...
você... unicamente você!

 

Ciducha Seefelder

 

 

Saiba mais…

Raios de sol

 
Raios de Sol
 
Amanheço ao lado do sol
e venho para lhe dar bom-dia
emprestando dele, 
os raios mais bonitos
que façam sentido
para nós dois...
 
Eu sou aquela folha de outono
que vaga sozinha pelos caminhos
que é açoitada pelo vento
pisada pelos passarinhos
e permanece sempre...
 à sua espera!
 
Sou também a saudade
rebelde... incauta
que acredita no amanhã
por inverossímel que pareça,
 e espera o sol voltar,
achando que você virá...
 
Eu sou você, sempre você
dentro do meu pensamento!
E você...
quem será?!...
 
Ciducha Seefelder

Saiba mais…

Emoções

 
 
 
 
 
 
 
Emoções

 
 

Nos momentos mágicos que vivemos,
esbanjamos sentimentos, emoções
que jamais serão esquecidos,
e revividos sempre!
 

Nossa história, escrita em nossas almas,
ficará para sempre no recôndito da memória.
Saudades minhas... tuas... nosssas...
Perdoa-me se não sorri o suficiente...
 

Foram tantos os detalhes,
tão ricos e sempre envolventes...
Que povoarão para sempre os meus dias,
por mais vazios que sejam, até de rebeldias!
 

E eu sei que estaremos juntos novamente,
para reviver nossas emoções, uma a uma.
É a minha súplica diária: - Que o tempo nos una!
O mesmo tempo que se interpôs entre nós...
 

Mas não apagou as emoções...
Que se redobram ao serem lembradas,
e serão mais ricas, ao serem revividas!
Minhas emoções... tuas... nossas!
 
Ciducha Seefelder
 

Santos - 02/04/2008
 
 
 
Publicado no Recanto das Letras em 10/04/2008
Código do texto: T939121

 
 
 
 
 

 

Saiba mais…

Recado

 
 
Recado


Emprestei das árvores os beijos que ganhou
os abraços trêmulos, tomei-os todos
porque no caminho, eu vinha sozinha...

Se a costa beijou o mar e a névoa
porque eu sinto tanto frio?
Porque não repartiu comigo esse calor...

Fecho os olhos... deixo a alma planar
para tentar ouvir teu coração
ao lado do meu, que bate teimosamente...

E os toques que vivemos
retornam ardorosos, pretenciosos
tudo querendo ser outra vez... real!

É isso!
Agora me diga com sinceridade:
- Porque me deixas à mercê dos abraços da brisa,
em vez de trazer-me os teus?...
Ciducha Seefelder


Stos, 13/07/2007

NB: inspirado na música que o meu amor traduziu para mim:
 
A tradução é a seguinte:

A brisa da noite beijou as árvores com ternura
As árvores tremendo abraçaram a brisa com ternura
Então você e eu viemos caminhando e, perdidos num suspiro, nós já estávamos...
A costa beijou o mar e a névoa com ternura
Eu não posso esquecer como dois corações se encontraram batendo tão forte!!
Seus braços bem abertos me fecharam em torno deles
Você tocou meus lábios
Você tocou meu amor...
Com tanta ternura...


https://youtu.be/Hu3GCbIaV9s



 

No virus found in this incoming message.

Saiba mais…

Quisera!

 
 
 
Quisera!

Estar em teus braços,
envolta em todos os abraços
que guardas tão carinhosamente
sempre para mim...

Quisera ...
que fizesses do meu corpo
teu abrigo em dia de tempestades...
teu porto seguro...
tua ponte, teu muro
sem sentimentos contidos
sentimentos banidos!

Quisera...
(por um minuto ou pela vida inteira)
que num frenesí louco
me levasse ao topo
de todos os prazeres
 
Ciducha Seefelder
 
 
 
Saiba mais…

"Meu namorado" (de mim para você)

 

"Meu namorado" (DE MIM PARA VOCÊ)

Ciducha

Nasce um poema
meio triste e reticente
impertinente
vem chegando de mansinho
nas asas da saudade
que eu sinto do meu amor
há tanto tempo distante, isolado
meu "namorado..."

A lua abona meu verso
expõe meu reverso
de tantas luas felizes que vivi
e de repente o destino
quem sabe, insatisfeito comigo
chegou arrogante e sem pesar decretou:
_ O fim chegou e ponto!

Mas ele não me ensinou
a aceitar o seu decreto, irrevogável
por isso minh'alma nivela nessa saudade
de quem foi e será sempre tão amado,
o meu "namorado..."

Ciducha Seefelder

 

Saiba mais…

Solidão

 SOLIDÃO

Cada vez mais,

a solidão trafega
no meu quarto, atrevida.
Toma cômodo na minha cama
tão sem vida...

Absoluta,

a solidão é o antigo e o renovado
jeito de mim.

Total,

a solidão é o saldo desarrumado
da minha loja de quinquilharias,
o que sobrou no coração...

Definitiva,

a solidão refaz os descaminhos
com que ambulei minha gaiola de ossos,
na ambiguidade de cada por-do-sol
deste meu tempo alheio,
carregado de saudade...
tanta saudade!!

Solidão...
Ah... pudesse renovar-me
reaver a magia
do meu sofrido coração
tão repleto dessa praga...

Solidão!

 

Ciducha Seefelder

 

 

                                                                           

 

 

Saiba mais…

Hoje

 
 
HOJE...
 
 
Hoje,diante de palavras tuas
meu dia ficou colorido
e minha esperança  já não está nua
 
O coração repousa enternecido
sem reclamar qualquer explicação
na certeza de que estás comigo.

Ao mar, cobrarei ansiosa o teu aceno
que agora eu sei, um dia, vou merecer
ainda que seja na fuga do meu senso...
 
Ciducha Seefelder
 
Arte da querida Margarida Maria Madruga
 

Saiba mais…