Posts de Ciducha Seefelder (144)

Poetisa e Escritora

Leviandade

 
 
Leviandade
 
É preciso que eu desabafe,
em defesa do meu coração...
Ele não é culpado,
não tem ao menos que pedir perdão!
Pois tornou-se assim, tão leviano
lenta e sofridamente,
ao longo do tempo, ano após ano...
 

Foram tantas dores!
Tantas ausências
escoltadas pelo insano silêncio,
tantos bilhetes escritos com amor,
relegados ao torpor
do esquecimento...
 
Resolvi repensar a minha vida,
que diga-se de passagem,
está mais para o fim...
E o que eu fiz de mim?
 
Vou colocar ponto final,
num caso especial...
que eu sempre o chamei de amor,
meu doce e imensurável amor!
Não está sendo fácil...
e sei que doerá por muito tempo,
talvez para sempre... 

Acontece,
que eu redescobri a alegria de viver,
jogando pela janela, meus mais íntimos medos...
De muitos, eu já havia me livrado,
nas teias do meu sonho abandonado...
 
Mas às vezes, ainda me assombram,
porém sem terrorismo,
como se me advertissem:
 Você precisa, você merece ser feliz!
 
Nesses momentos, o meu recado,
segue sozinho querendo ser dado...
 
- Me tome para si,
matizando com seu brilho colorido,
com sua constante luz,
que aos confins dos céus já me conduz...
Deixe-me seguí-la, felicidade,
ainda que seja com
Leviandade
Ciducha Seefelder
 

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

Meu amor...onde estás?

 
 
 
MEU AMOR...ONDE ESTÁS?
 
 
 
Onde estás que não respondes?
Em que lugar te escondes?
Há muito te mandei um grito,
que desde então,percorre o infinito..
Onde estás,meu amor?
 
Teu nome foi um eco do passado,
um eco de soluços e prantos;
foi tudo que eu amei,
aonde assim resumi:
---Dores,prazer,ventura....
amor,encantos!
 
Por maiores que sejam,tenham sido
ou possam vir a ser
as vicissitudes da minha vida,
nunca se apagará da minha mente,
a lembrança do meu amor! 
 
Onde estás?
Ciducha Seefelder
 
 

 

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

Não importa...!

 

Enquanto a lua passeia lá no céu,
em mim,passeia uma saudade
misto de dor e ansiedade
onde o seu rosto é o personagem!
 
Você,que eu já tive nos meus braços
que reencontrei,sem nunca ter perdido
que vai morrendo aos poucos,
junto comigo...
nesse amor que faz tanto sentido!
 
A lua pára,pra chorar de vez em quando
e é quando eu vou,
ainda mais,morrendo e amando
como algum dia,na primeira vez...
 
Não nos dissemos adeus...
jamais!
E no entanto,é doce esse meu pranto
tentando lembrar onde ficou
em que estrela se perdeu,morreu...
o nosso encanto.
 
Não importa...!
Ciducha Seefelder
 
 
 
 
 

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

Faça outra vez

 
 
 
 
 
 
.
 
Faça outra vez!
 
Ainda que em sonho,
o olhar sereno,
de olhar inquieto... irrequieto!
Pousa outra vez
no meu ombro tenso,
sua mão amena
com que, suave,
aplacaste, tantas vezes,
minha alma intolerante!
Torne outra vez,
de alguma forma,
pois não se conforma
com sua ausência,
o meu jeito de ser

Faça-me mulher
outra vez!
De alguma forma
tome minha mão,
ensine-me novamente
o que não aprendi,
ou esqueci, não sei...
  
Não me negue o que preciso,
não me roube o juízo,
não me deixe assim...
às margens de mim.

Faça outra vez!
Como já me fez tantas vezes:
- Feliz!
Ciducha Seefelder
 
 

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

Meu vicio é você!

 
Meu vício é você!
 
Uma palavra apagou a luz
Fez-se o escuro infernal
Em que tudo emudece
Todos os meus demônios
Tomaram cômodo...
 
E tomo, sorvo em grandes goles
doses de você! 
 
Num instante fez-se a tempestade
Força natural que tudo abate
Mil tridentes, uma só alma
Em desalento e sustos
Sempre em quando, revividos...
 
E tomo,agora na veia,
(insaciável que sou)
outra dose de você!
Ciducha Seefelder
 
 
 
Saiba mais…
Poetisa e Escritora

Deixarei?

 
 
 
Deixarei...!?
 
 
Deixarei...
que me desnudes...?
Meus pensamentos,
meus desejos
 minh'alma!
 
Deixarei que me ames
que me desperte
para o amor
tão inexistente de presença!
 
Deixarei que me ensines
todos os meandros da sedução..
e serei toda emoção!
 
Deixarei que me aqueças
que me enlaçe todos os abraços
que guardas pra mim...
e que espero tanto!
 
Deixarei que digas
o quanto me amas
e eu responderei:
sim... eu sempre te amei!
 
Deixarei...?
Ciducha Sefelder

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

Amigo é tudo!

 

 

Amigo é tudo!

 

Feliz daquele

que pode de mãos dadas

com um amigo

desabafar

e no seu ombro amigo

de alegrias e tristezas chorar!

 

Feliz daquele

que recebe o abraço,

quando tombado pela desesperança,

e pelo pesado cansaço,

encontra  o porto seguro de um amigo.

Feliz também

(e mais até...)

daquele que tem com quem

partilhar seus desejos e anseios

 

E ao sentir vontade

de sorrir ou de chorar,

no vazio do seu quarto

ou numa mesa de bar...

 

Nunca está só!

 

Ciducha Seefelder

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

Eu, você e a lua

 
 

Eu, você e a lua

Cubra meu sonho e meu corpo
tão carentes!
Prometo retribuir, ser sua!
Como a devassidão da lua
sempre tão nua
oferecendo-se ao sol!
Constante é a nossa busca
a busca do sem fim...
mesmo quando nossos delirios
saciam e comprazem
a você e a mim!

Ciducha Seefelder


 
Saiba mais…
Poetisa e Escritora

Desejo

 

DESEJO
 
Estranho desejo esse
que perdura ao longo dos tempos,
 e nos faz brigar, relembrar, ansiar e,
 fazer com que, os sentidos se agucem,
a libido entra em erupção e,
 a vontade não morre,
o desejo cresce, e,
as lembranças se tornam aguçadas cada dia,
cada hora, e se transforma
em orgasmo, em loucura, em gritos e sussuros e
a vontade não deixa de existir,
renascendo sempre e sempre......
 
Ciducha Seefelder

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

Recordando ...(nossos melhores momentos)

 
 
Recordando...(nossos melhores momentos!)
 
 
I
...recordo-me vivamente do brilho
do seu olhar...
Lembro-me do seu abraço
naquele verão, entre todos
os verões...
em que comecei a lhe amar!
 
II
 
...lembro-me de ver seu rosto
através das lágrimas
quando percebi
que seria inútil
resistir a alguém tão determinado
a conseguir o que desejava,
mas porque era também
o único meio de provar
o seu amor
E antes que eu pudesse
destruir os remanescentes
de minhas defesas,
eu cedí...
 
III
 
 
...eu o amava... Jamais amara
qualquer outro homem antes e,
nunca amara outro depois
Ou eu o amava o suficiente
para fazer qualquer coisa
que o ajudasse, ou não
 o amava absolutamente.
Era simples assim...
 
IV
 
 
...será que nos perdemos
um do outro no tempo,
querido?
Mas isso é bobagem!
Estamos aqui, novamente juntos,
exatamente como em 1976
 
V
 
...a única diferença é que
agora, eu viajei para o lado
no tempo
Seja como fôr, como podemos
dizer que nos desencontramos,
se ainda nos amamos...
 
VI
 
...e ao amar você, superei
meu medo arraigado
de perdê-lo um dia...e,
pela primeira vez na vida
pude apreciar o fato
de termos nos reencontrado...
 
VII
 
...foi quando compreendí
que podia ter cometido
o erro de pensar
que nossa ligação estava
encerrada
Nada mais importava...
 
VIII
 
...tudo era irrelevante!
Sabia que você me pertencia ...e,
prometi a mim mesma
que me empenharia ao máximo
para conquistar o que
eu mais desejava no mundo:
Você!
Ciducha Seefelder
 
 
 

 

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

Para o meu menino...

 
 
 
 
 
Para o meu menino...

Querido filho... quatorze anos sem você... sem ouvir a sua voz... sentir seu abraço forte... sua risada gostosa...
Confesso que tenho me esforçado para não chorar
e nem me lamentar... você era o meu incentivador maior!
Adorava a minha alegria... em meus devaneios, ainda vejo você me acenando, me desejando uma boa viagem naquele dia sem nunca imaginar, que seria a nossa ultima vez juntos...
Se Deus quis me privar da sua companhia... o que posso fazer?
Hoje já estou de volta para a nossa cidade, e sempre que posso,
vou até o mar conversar com você, desabafar...
Meu consolo é saber que deixou um filho lindo, um pedaço de você!Às vezes me pego olhando pra ele e tentando voltar no tempo.
Você era tão parecido comigo... lembra?
Confesso só pra você, bem baixinho: cada dia que passa, morro um pouquino, tanta é a saudade!...
Eu precisava lhe dizer tudo isso hoje, por ser uma data tão triste para mim, mas vou colocar aqui a sua música, para que possamos, nós dois, deixar nossas almas envolverem-se nas notas desta canção maravilhosa, que era a sua preferida... eu espero que de onde estiver, possa sentí-la, tanto quanto eu.

Beijos da mamãe
Ciducha
 
 
 

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

Paixão passageira

 
 
Paixão passageira
 
Paixão passageira?
Passageira, sim!
 
Porque ela chega
como um furacão,
varrendo vontades,
mudando verdades,
ventando na vida...
 
Remexe nos sonhos,
arromba conceitos...
Paixão passageira
não pede passagem,
reclama direitos!
 
E quando se vai,
deixa suas marcas...
(indeléveis marcas)
em qualquer coração!
 
Paixão passageira...
tão grande, a que eu tive.
E quando partiu
 deixou saudades...
E ainda sinto o ardor,
da insana dor
que me provocou...!
Ciducha seefelder
 
Saiba mais…
Poetisa e Escritora

Ano Novo...Velhas e novas esperanças!

 
 
 
 
ANO NOVO... 
Velhas e novas esperanças!
 
 
Um novo ano
delineia-se no horizonte!
Que é sempre o mesmo,
e em sua constância,
rasga-me sonhos e a esperança,
que não alçanço
anos após ano
 
Novos sonhos vêm nascendo
como raios de sol sobre o mar...
que tal qual o meu amor,
eu não vejo da minha janela...
 
Mas o brilho das luzes, cores
obriga-me a cultivar
pelo menos, alguns desses sonhos...
para que os meus dias
acendam suas luzes para mim!
 
Assim vou vivendo...
com velhas e novas esperanças
num estranho bailado
dos tantos semblantes que amo
e que mesmo sem motivos
termina sempre
no cristal das taças...
tim-tim!
Ciducha Seefelder
 

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

Monólogo de uma poetisa (eu)

Monólogo de uma poetisa(eu)
 
Como dizer a alguém
que pensa que não ama, que ama,
Que não é por amor,
mas por companhia que reclama?
Pois como alguém, sem amar,
 poderia tornar-se poesia?
Como sem a paixão, a dor e o amor
um poeta se faria?
Este amor sem destino que trazemos no peito,
na ânsia de se dar,
fantasia-se em entregas ao leito,
que não demanda amor,
mas tão somente o bom jeito...
Não, meu poeta, o que sentimos
 é o amor que chora,
que sem ter a quem entregar-se
e por não poder ir embora,
exige, implora, exalta-se
e jorra na poesia que o leva à forra.
 
Desculpe-me pela intromissão,
mas se vejo tanto amor em seus olhos...
Quanto dele haverá em seu coração?
 
Ciducha seefelder
 
 
 
Saiba mais…
Poetisa e Escritora

Poetas não morrem...

 
Poetas não Morrem...(ofereço essa poesia ao poeta e amigo NÔMADE)
 
Como matar o poeta
que vive em mim?
Desenho versos
com a minha alegria 
e até com a minha dor
Faço poesias, sim... 
Mostro a todos,
com tintas fortes e indeléveis,
os espinhos e as rosas do meu jardim. 
 
 Como matar o poeta
que vive em mim?
Não me importa o mundo,
nem a opinião de toda a gente!
Nada sabem sobre minhas dores,
e não conhecem meus prazeres.
 
Pois nunca escrevo para eles,
nem quando estou triste,
nem quando contente...!
 
Tenho o meu jeito próprio de chorar.....
E de rir, às vezes, por que não?
Esse jeito não me deixa viver só,
e me permite sonhar...
Por isso,nâo posso morrer,
não ainda...
pois preciso poetar!

 

Ciducha Seefelder

Saiba mais…
Poetisa e Escritora

Natal da minha infância

 
 
Natal da minha infância



Como eu e meu irmão aniversariamos pertinho das festas Natalinas,
quando crianças, mamãe providenciava a comemoração numa festa só...
no dia de Natal. Que folia!
À meia-noite, Missa do Galo...
Lembro bem de um ano especial, quando então fiz 12 anos.
árvore armada na sala principal
uma caixinha diminuta eu espiava (escondido) imaginando
o que poderia ser... queria algo grande rsrs

Mas a surpresa foi maravilhosa!
Dentro da caixinha havia um anel de ouro e água marinha
com um bilhetinho:
'"Do Papai Noel para a Ciducha, nossa princesinha"
Ah!... Que alegria!
Para o meu mano uma caixinha maior :
''Do Papai Noel para o Claudio, o homenzinho da casa"
o seu primeiro relógio!
Vieram muitos outros que também marcaram minha infância
Como aquele em que papai resolveu comemorar
na nossa pequena chácara
vestido de Papai Noel, convidando todos os empregados para participar,
chamando cada um pelo nome e
entregando um envelope (devia ser o que hoje chamamos de 13 salário)
e para cada criança, um brinquedinho.

Tinha até um sanfoneiro da vila que tocou a noite inteira... e a cara de espanto de
papai ao me ver dançando com o jardineiro... sim, era uma festa democrática
e como eu era feliz!
Feliz Natal para todos e obrigada Papai Noel pelas lindas lembranças!
Ciducha Seefelder
 
Saiba mais…
Poetisa e Escritora

Homens (crônica)

 
 
 
HOMENS!(crônica)
 
-Me conte, amelinha,tá rolando?
 
--To fora,amiga!
 
-Como assim?
 
-A gente não pode  nem ser gentil,que eles já vem perguntanfo:QUER?
Quer o que cara pálida?
 
---Pois é,e tem aqueles que te enrolam com um conversée manso,
todo prosa,gentil,espirituosoe do nada viram MACHO,emburram, começam a se auto analisar e puff!
 
__Mas me disseram que agora tem um tal de homem com alma feminina
jás ouviu falar?As más linguas falam até em alma de veado kkkk
 
__Então conta logo Amelinha...Tô precisada!
 
-___São os caras da vez,e não tem  lesco lesco...vou me informar melhor ,depois te falo
 
-__Tchau Amelinha,vou até o jornaleco do dia anunciar:
PROCURA-SE!
 
Ciducha Seefelder
 
Saiba mais…