Posts de Chantal Fournet (154)

FELIZ Ano Novo BAB-PEAPAZIANOS e pedido de desculpas!

 

FELIZ ANO NOVO

BAB-PEAPAZIANOS!

 

Queridos Escritores Poetas e Amigos

Tenho que ter uma justificação por tanta ausência que será aproximadamente de 6 meses.... muito tempo de verdade...muito tempo...

Sei que posso estar a ser muito criticada ou até a ser muito injusta para com Silvia, nossa amada e tão incrivel Escritora Poeta e Mestra e Mentora destes nobres Espaços de Poesia.

Tenho escrito mentalmente textos na esperança  de me motivar a chegar mais longe e comunicar convosco e com o site... mas meu desejo esvazia-se a cada nova manhã, ficando um balão sem graça nem rumo... PERDOEM-ME!

VOCÊS, MEUS AMIGOS, NÃO MERECEM E MINHA QUERIDA AMIGA SILVIA MOTA NÃO MERECE ...

O que se passou foi simples.... Impotência face à perda e fecho do PEAPAZ ... a  banalidade e o quão fugazes e breves somos... um nada nos sopra e desfaz.

É que não é SÓ uma questão de back-up! É muito mais, muito mais do que isso. É Alegria é Vida! É contacto vital Convivio e mimo! É Carinho! É reconhecimento e auto-confiança!!

Isto pode parecer excessivamente lamechas e piegas... Mas quando se reside muito isolado, fisica e intelectualmente, sem poder sair a lado nenhum, sem conversas com amigos, um copo num boteco, uma saida com amigos, aquelas looooongas conversas ao telefone, que não existem mais, porque falar cansa muito e tira o fôlego!....... Tudo toma uma dimensão enorme numa pagina como o PEAPAZ, onde todos são primus inter pares!

Lidamos com Poetas e Escritores, não com pessoas comuns...

Muitos comentários vão para lá de simples aplausos, vazios ou calorosos ou simples aplausos! Muitos comentários de muitos autores, eram textos cheios de filosofia ou muito muito Poéticos. Muitos comentários iam muito para lá do simples “é bonito!” ou para lá do “uuuaaauuu!” encontrei poemas e começos de crónicas ou até mini-crónicas!

No Grupo Trívioletra, por exemplo, tivemos o Poema “Juninas”, que nos comentários diversos chegámos às 13 paginas, que tirando as imagens ficariam reduzidas a 10 páginas de comentarios, com trocas de receitas explicações culturais sobre as Festas Juninas no Brasil e nas regiões e em Portugal! Muita Alegria mas tanta tanta Alegria! Todos vivenciaram A festa Junina....!

E cada poema Trívioletra traz  desses momentos (uns mais que outros!) culturais e de diversão.

Digam-me ...Não é deprimente deitar fora todo esse manancial de informação e de alegria? E eu não estava, nem estou, preparada para esse despojamento!

E deprimi... forte e feio, alem de outros assuntos pessoais que me aconteceram... Tudo deixou de ter importância, frente à minha impotência de salvar em back-up, todas as paginas com os comentarios mais relevantes... E então, quanto lamentei muito, não nos termos todos limitado a flores e aplausos simples.

Desculpem-me este comentario amargo... Mas nenhum escrito meu, cujos documentos Words eu guardo, tem qualquer importância, sem o reflexo que eles podem ter tido nos outros que me leram.

É como o brilho do nosso olhar....Ele SÓ EXISTE por reflexo dos olhares dos outros, dos seus sorrisos, dos que nos amam. Ao longe ou ao perto. Não importa a distância, se é virtual ou não! Vizinhos de Cerca entre Continentes, separados por oceano!

Sem eles nós seríamos mortiços ou quase! Porque vivemos por nós e não pelo fuel instilado pelos outros!! rs

Somos Escritores. Tudo o que possamos escrever nas generalidades, nunca é banal, se nele colocamos nossa Inspiração Atenção e Coração. Essa é uma realidade...

E não conseguir salvar tudo  foi “mortal”...

Tentar prometer é banal. Não quero ser Banal! Rs

Sou Rara, não Banal.....kkkkkkk Tenho E.L.A. (Esclerose Lateral AMIOTRÓFICA doença de Stephen Hawking) Neuromuscular degenerativa!! A minha tem sido lenta E GENTIL comigo!!! Mas vai acusando a evolução!

Vou regressando com simplicidade e sem datas...

Perdoem o tom amargo.

Nesta Casa onde sei que há Escritores e Poetas que atravessam grandes desertos sem fim ou têm de vencer Everests, espinhosos, gelados e agrestes...... meu lamento é despropositado, mesmo que sincero.

Perdoem-me!

 Que o ANO NOVO 2019 traga ALEGRIAS SAÚDE E INSPIRAÇÃO A TODOS! BEM-ESTAR SOCIAL! HARMONIA! CRESCIMENTO...E ZERO DE MÁS SURPRESAS!!!!!!! kkkkkkkkk!!

Beijos de poesiaaaaaa

Chantal Fournet

7 de Janeiro 2019

Saiba mais…

VÔO VIRTUAL

 

 

VÔO VIRTUAL

 

A brisa fresca entrou,

Bafejou minhas pernas sentadas

Levantou minhas folhas na mesa pousadas

Vi então esvoaçar pela janela aberta

Mil palavras não pronunciadas,

Por entre as flores cor de fogo e oliveiras

Minhas palavras não faladas

Não ouvidas nem lidas

Ganharam mil asas invisíveis foram no céu azul…

Alguém as lerá um dia ou uma noite, quiçá …

Alguém um dia fará uso dela desconhecendo que,

Muito antes de seus olhos nelas poisarem

Foram pássaros invisíveis,

- como todo o virtual é -

Ganharam cores e vivências que ninguém saberá.

 

Minhas palavras não faladas nem lidas...

 

Chantal Fournet

4 Novembro 2017

Portugal

Saiba mais…

Ó! Chegaste, Primavera! 

 

Ó! Chegaste, Primavera! 

 

-- "Ó! Chegaste, Primavera!" --

Esta exclamação é lida e ouvida

Com vários contornos e tons!

Alegria! Surpresa! Tédio…!

Diz o depressivo:

- Renasce a Vida! – Que enfado!

 

"Quero manter as pantufas enoveladas de nevoeiro,

Quero esse vidro fosco, não ver a nitidez,

Os contornos crus, cores de criança mimada.

Que Enfado, esta vida que aí vem!

Rebenta por todo o lado!

Chega toda esfuziante e apressadinha

Quer mostrar-se, a impertinente menininha!

 

Pensa que todos estão aí, para aturar seus caprichos!

Desperta com sol a rir para logo a seguir,

Em repentista sem razão, nos mostra a chuvada

Que nos molha e encharca, sem nos deixar chão.

Sem falar do vento, que ela lembra de soprar,

Também sem avisar, essa grande caprichosa!

 

Porque não é ela como o Inverno, sisudo sério e frio?

Sabemos sempre com o que contar, sem pestanejar!

Que tédio, essa impertinente garota, só vem nos perturbar."

 

Diz o febril adolescente:

_Que bacana que legal! Não tardam os mergulhos na surfada! -

 Enquanto o Entusiasta exclama feliz

Do Renascer da Vida!

Do adeus aos grisalhos enfados diários!

 

Bem-Vinda Primavera!

 

 

 

20/3/2018 

Chantal Fournet

Portugal

 
Saiba mais…

TREZE HORAS NAS DEZASSEIS HORAS DUMA VIDA…

TREZE HORAS NAS DEZASSEIS HORAS DUMA VIDA…

 

Explicação do Título:

 A Primavera entrou no Hemisfério Norte às 16h15m

O Outono iniciou-se no Hemisfério Sul na hora Brasileira às 13h15m!

 

 

 

 

Poema curto, poema leve,

Poema sem mágoa…

É desejo amigo para compor a tarde.

 

Como se a flor abrisse na aurora

Orvalhada e fresca.

Como a folha de ouro, já caída,

No calor que sufoca

Na tarde esvaída.

 

É poema toado

Em jeito de nada.

Em jeito de tudo.

Celebrando o Outono

Celebrando a Primavera

Em jeito de Vida…

No ouro da vida, a frescura nascendo!

 

Poema já curto não é

Poema leve, poema sem mágoa.

Grinalda de frutos colhidos

Doces, maduros, sumarentos de sol!

Grinalda de flores nascidas

Ainda frias de geada

Encimadas de alguma neve

 

São vigorosas promessas

Esperanças e sonhos

A Vida chegando!

Colheitas frutadas e floridas!

Em que balas são rebuçados de mil cores

Bolas de sabão irisadas

Rebentando 

Ao sol nascente e ao sol-posto

 

Vamos co-criar a Esperança, o Entusiasmo

No Poema leve, Poema sem mágoa

Que já curto não é!

 

Chantal Fournet

 

20/3/2018

Portugal

Saiba mais…

LUA ROSA

 

LUA ROSA

Lua Rosa és dúvida e frio

Os Santos de Gelo sorriem nesta ironia .

Na gentileza de teu rasto de luz

Vem frio, ventos de chuva gelada ...

Lua Rosa de mil pétalas esvoaçantes!

                        -   Afinal ... é Primavera!

Mentirosa te chamam, ó Lua gracejante!

Quando cresces dizes que diminuis

Quando encolhes lêem-te a crescer.

 

Teu Rosa, é cor sem drama nas nuvens,

Encasteladas como chantilly sobre bolo de festa,

Como teu rosa problemas espinhosos traz,

Uivantes, perplexos  de faíscas  e águas

 

Lua Rosa Lua Rosa!!

A premiada invernia primaveril ,

Tua gentil proeza!!

 

Chantal Fournet 

28 Maio 2018        

Portugal

Saiba mais…

 

 

 

PEAPAZ  Amor e Paz

Entre todos os seres do mundo inteiro

Em Paz em Amor em Inspiração

As palavras

Simples, escola, livro, erva,

Horas, paixão, melancolia,

Fé, elos, Eros confiança, arvore,

Jardim, borboleta, criança,

Guerra e Paz e Flores e Mulher e Homem

Virilidade, fantasia e palavra, verdade e mentira

Se tornam Poemas

Se tornam pessoas !

Tudo surge belo, tudo se torna

              Amizade e Amor e Realidade!

A virtualidade torna-se realidade

              Sangue e alma

           Batidas de coração…

                                                                                              In Je suis Peapaz” 2016

Chantal Fournet

 

EM S....

 

Suspiro 

Soluço.

     - Som! -

Soletro sílaba.

    - Sigo! -

Signo sinal.

              Sigo solta

         sem sela

  Sem saída …

 

Chantal Fournet

              Abril 2018

 

 

VOO EXISTENCIAL

 

 

Fui

Vou.

E passo.

       - Posso?

Passa Vida.

Dia. Noite.

 Lua? Sol?

      - Igual…

Passo.

Perco.

Voo. Pássaro.

Penso

      - Então sou?...

                        - Existirei?...

 

Chantal Fournet

Fevereiro /Abril 2018

 

Saiba mais…

SIMPLES ASSIM...

 

SIMPLES ASSIM...

 

Poder com simples viver 
fazer meu fogo em chão, 
colher amores como amoras 
as aves ouvir alienada, 
com natureza ligada! 
desejo só possível a alguns!

poucos o querem... 
cadinho experimental 
no bico da ave levado,
em voo horizontal de livros 
lembrados e escritos 
por pluma de orvalho matinal...


Viver...


A noite esconde em seu vestido brilhante,
mil músicas, perfumes, 
raras essências
húmidas e túrgidas, 
o que parece noite cerrada 
nada mais é que uma aurora....

 

10 Abril 2015 
Chantal Fournet 

Portugal

 

Lais Maria Muller Moreira em 1 maio 2015 às 14:38

A vida compreendida em  poesia é um doce recado, um sopro, uma chamada,

talvez uma simples noite, nublada e fria, mas é vida, cheia e repleta,

no silêncio que em notas , completa!

Amei!

Saiba mais…

Dia de Anos! Dias de Sempre!

 

 

Dia de Anos...

Dias de Sempre!

 

Que ninguém nos anos me deseje paz.

Que ninguém me deseje paz

quando meu corpo se imobilizar

que ninguém me deseje paz!

 Desejem-me bênçãos divinas e celestiais,

 digam que o Céu e a Terra

estão comigo!

 Digam que trazem em si

as Árvores as Ervas as Águas e as Flores,

 Músicas e Cores!

que seus abraços carregam a Luz e o Sol

 Estrelas, talvez mesmo a Lua.

Mas quando preso meu espírito ficar

na imóvel carcaça bem viva,

nunca! nunca!

me desejem que fique em Paz!

 

Quando viajar para o Todo Infinito

aí sim!

Terei! Estarei! Ficarei

em paz!

Desejem Energia e Amor

Vivacidade da minha Vontade,

da minha Mente!

Mas nunca! Nunca

me desejem paz!

Porque Paz

terei na Morte Final

Paz total...

 

 Maria Souza dos Santos Sanches em 16 março 2015 às 13:46

 Maria-José Chantal F. Dias, então desejo-te vibração de todas as cores e o pulsar de todas as flores junto com a sinfônica dos pássaros sobrevoando teus amores.

 

Maria José Chantal.  É um belo poema o teu, mesmo que assim, penses na paz total.

´Penso que,  como tudo se move no Universo, não seremos nós, os principais seres da Criação, que  com uma vida trabalhou e contribuiu o suficiente parai ter o merecimento de  descansar para sempre.. Eu não quero descansar para sempre. Quero trabalhar sempre para me conhecer, ajudar outros a fazer isto e muitas outras atividades  que estão no coração do Universo esperando nossa ajuda. 

Se, meu modo de ver a vida e tudo o quanto exista, não for de teu agrado, continuaremos amigas a mesma coisa.     Beijos e abraços. DA Arlete Deretti F.ernandes.

Querida Amiga e escritora Arlete DEretti!

É isto mesmo que meu poema diz : Tiraste-me as palavras da boca ou intuiste o que tem sido a minha vida!!

Eu não quero descansar para sempre. Quero trabalhar sempre para me conhecer, ajudar outros a fazer isto e muitas outras atividades  que estão no coração do Universo esperando nossa ajuda.

E é exactamente este o meu objectivo de vida de sempre mas mais intensamente desde 2007 numa outra vertente!!

Nada mais posso fazer a não ser pôr-me ao Serviço do Universo, do Uno do Todo... já só posso fazer isso e.........Poemar!!!! e escreveeeer!!! adoro! Claro que somos amigas!! sempre!...mas prefiro AMAR (muito dificil...!) a dizer paaaaaaaazzzzzz....alem de que a palavra está muito desgastada... 

Beijos e uma abraço longo cheio de Reiki e de tudo! uma noite tranquila e creativa!!

Lais Maria Muller Moreira em 4 março 2015 às 10:11

Paraíso terrestre é este em que vives

Parabéns querida amiga!

Encantada com teu pulsar!

beijos

Querida Laís....... obrigada por tão_bem pulsares nas linhas minhas e nas tuas, sempre tão sensíveis!

Não Laís, não vivo no paraíso terrestre!!rsrsrs mas tenho motivos para gostar mais dos sinónimos, do que ...

beijos e sempre grata por me leres!!!

 

 

Maria Iraci Leal em 3 março 2015 às 22:07

Maria-José Chantal F. Dias

Que poema belíssimo, parabéns querida poetisa!

Então conforme a tua vontade,

te desejarei muitas felicidades, grande beijo, MIL.

 

 

Grata MIL por dizeres outra palavra que não a Paz!! rsrs

Foi Vânia de Castro que me ajudou a entender a aversão que, em 2011, se abateu em mim à palavra...e não só!!! Cheguei a não vir ao Peapaz por esse motivo!! DESCULPEM!! Nessa altura entendi como é mais fácil dizer PAZ (Palavra que acaba por estar gasta!) do que AMAR!...Esta é bem mais dificil,,,se pensada claro!

Mas a minha gratidão vai muito mais longe, do que este Destaque que me atribuíram e têm atribuído!

Graças a vós todos e todas, meus dias transformaram-se, enfim, mais correctamente...as noites....rsrsrs kkk, já que até às 4h madrugada fico por aqui!!!! consegui, consigo, dar livre curso a tanto que enche meu coração, estimular a criatividade e estimular a mente com a Beleza!!! E, quando consigo ver espanto nos meus filhos e alguns amigos...posso dizer que Cumpri!! cumpri com algo que não sei bem ainda o quê!! mas vou cumprindo enquanto posso digitar!!! Tenho demasiada pena de não conseguir ler tudoooo todos os blogs todos os concursos todos os angulos......as 24h não me permitem...

Então a vós todos Poetas e Escritores do Peapaz digo de coração cheio COMO VOS AMO TANTO!

 

Saiba mais…

Enfant de Guerre / Criança na Guerra

Enfant de Guerre 

Entraîné et balloté 
regard perdu, le visage vide
l'espoir égaré
parmis l'amas de débris
 petit brin de vie au fond de l'âme 
source inquiète du néant

l'essor de la mort lache ses nausées fétides
 Terre d'hommes éventrés troués châtiés 
impitoyable la mort sonne le glas

 la mer de boue et de sang 
entoure de ses bras l'enfant 
 petit brin de vie palpitant et surpris

regard perdu et hagard 
 La Vie, qui es-tu?.. 
Qu'est-ce donc la vie?...
dans cet immense vide ...?
 
                                           chantal fournet
                                                                     (17 Outubro 2014)
***
 

Criança na Guerra


arrastada, sacudida
 rosto vazio, olhar perdido
manietada esperança 
entre destroços e ruínas
 uma réstea de vida no fundo da alma

 inquietante fonte do Nada
o rasto da morte larga seu vómito fétido 
 Terra de homens esventrados,
punidos, despedaçados

Impiedosa a morte toca a rebate
o mar de sangue e de lama
envolve de seus braços a criança
titubeante vida, surpresa e palpitante 
olhar assustado e perdido 


Vida, quem és tu?
O que é então a Vida?...
neste vazio imenso ...?
        
                                                               chantal fournet
                                                                          (29 Outubro 2014)
 
 

 
 
   Lais Maria Muller Moreira em 29 outubro 2014 às 16:22

Insanidade à toda prova

Parabéns!

Bela tarde!

beijos

Comentário de  Cláudio Avelino em 29 outubro 2014 às 17:02

A insanidade do homem despedaçando a inocência.

Renovando o ciclo de ódio cujo alvo é a si mesmo.

Que esses versos sirvam de alerta para todos nós

e que a humanidade rume à harmonia.

Abraços.

de Vera Regina Cazaubon em 2 novembro 2014 às 13:37

Tua sensibilidade retratou a crueldade das guerras que dizimam Nações e dilaceram a vida com tétricas lembranças. Parabéns minha querida, beijokas

ário de Poeta Malume do Brasil. em 3 novembro 2014 às 18:05

Um lindo poema que retrata uma cruel realidade! Onde infantes são postos em guerilhas para usar da violencia, e muitos são assassinados, mortos, dilacerados! Lindo poema, amei grand epoetisa, falas com o coração e escreves com a alma, meus parabéns, poeta Malume do Brasil.

 de Marcia Portella em 23 abril 2015 às 20:25

Francesinha,essa é a maior tristeza das guerras:a morte levando inocentes...Te abraço

 

 de Arlete Brasil Deretti Fernandes em 23 abril 2015 às 21:51

    UM POEMA QUE MOSTRA   A DOR DAS CRIANÇAS NUMA GUERRA. e DOS ADULTOS TAMBÉM.. MUITO GRANDE É A TRISTEZA. NAS GUERRAS QUE VIMOS  HÁ POUCO TEMPO, E OUTRAS COISAS COMO  A DECAPITAÇÃO.

MUITO ME PERGUNTO COMO PODE SER TÃO GRANDE  A IGNORÂNCIA, QUE ESTÁ SUBMISSA ÁS CRENÇAS .    ATÉ QUANDO?  E AS NOTÍCIAS DOS INTERESSES QUE ESTÃO POR TRÁS DESTAS GUERRAS?      TEU POEMA?  MUITO BEM FEITO.                                 BEIJOS  DA ARLETE

 

 

Saiba mais…

 

Tertúlia Poética nº 1 - Edição nº 66 - 8 abril 2015 - Tema: 5° ANIVERSÁRIO DO PORTAL PEAPAZ

 

Seria da minha parte a maior falta de Gratidão, sensibilidade e de Amorizade, falhar este momento de festejar o Aniversário dum Portal de Beleza, Dignidade humana e de Cultura.

Tenho por este Portal, uma quase devoção. Trouxe-me algo de muito, muito importante, à existência humana: Estímulo! no combate a uma inércia creativa, que insidiosamente, se vai instalando na mente, nas células do "deixa-andar" e do "para quê...?" !

Fiz meditações de grupo, em várias épocas, de certos anos, nas Aberturas transcendentais e Quânticas, de Portais do Universo...

Mas este Portal trouxe-me algo, que os outros, não me trouxeram no imediato prático, apesar de me terem trazido na Energia subtil, ao meu corpo Etérico, não nego!

Grata fico a todos os Peapazianos, que me acolheram e me têm honrado por seu apreço, visitas aos meus escritos e sobretudo até encontrarem qualidade no que escrevo!!! Ok! Falsa modéstia é tão mau como excesso de orgulho! rsrs Há certas coisitas minhas que até gosto delas!! Mas devo isso ao Portal PEAPAZ e aos Peapazianos!!!

Querida Sílvia Mota, nossa querida Mestre cheia de carinho, delicadeza e muita firmeza, sempre que necessario, É devidamente a grande Felicitada, pois nunca sem Ela este Portal existiria! Sem ela não teria a Dimensão humana e cultural!!

Aprendo e continuo a aprender com Mestre Sílvia Mota e todos vós!

 

GRATIDÃO é pouco!

P ermite ser Livre, em letras d'ouro e de diamante

É a Luz que determina

A mizade e Amor universalmente sentidos!

P roteção abençoada das plumas de tinta

A lento digno e etico, humanidade em flor em

Z imbório, onde musas juntas, dos poetas são inspiradoras!

 

PARABENS PEAPAZ!!!

 

 

 

 

 

 

 

 

Saiba mais…

Tes Yeux Maman...

TES YEUX MAMAN

 

Maman!

La joie de te donner 

mil et un bombons dorés

comme des châtaignes glacées 

comme des sxonces précieux

cachés au fond de tes poches

cachés au fond de tes yeux 

mordorés et verts comme les pommiers

tantôt azur comme les cieux 

gris comme un lac en tempête

mais toujours en mille paillettes

toujours vibrants de mil feux

 

Maman...

Comme j'aimerais te redire tout ça.

Ce que disaient tes yeux...?

tu le cachais toujours trop bien...

Tes yeux mordorés,

tes yeux de porcelaine des prés.

 

                                                                      chantal fournet

                                                                     (Junho 2011)

 


Mamãe

A alegria de te dar

mil e um bombons dourados

como castanhas glaceadas

como sconces preciosos

escondidos nos bolsos do teu bibe

escondidos no fundo dos teus olhos,

de dorados reflexos e verdes macieira, 

ora azuis como os céus

ora cinzas como um lago em tempestade. 

Sempre com mil pailletes

Sempre vibrantes de mil fogaréus

 

Mamãe

Como gostaria de tudo voltar a dizer-te

Que diziam teus olhos...?

Escondia-lo bem demais...

teus olhos de reflexos dourados

teus olhos de porcelana dos prados.

 

..há coisas que traduzidas ... falta-lhes a musicalidade!! 

os Sxonces _ uma historia que a minha avó contava da minha mãe!!

Quando ela tinha 4 anos apanhou bichinhos pequeninos que deveriam ser os bichos-de-conta, e enfiou-os nos bolsos do bibe, - com folhos, braaaanco, de bordado inglês e sabe la Deus que mais, kkkkkkkkkk daí o hooooooorrrrooooor da minha avó!!  - e a miúda correu para a mãe maravilhada dizendo que tinha encontrado maaaaraaaviiilhosos sxonces!! que por sua vez são brilhantes sim....mas candelabros de parede ahahahahaha!

Mas ela, pequenina, deve ter ouvido a palavra, gostou dela, do som "mágico" e ...para ela, o bichinho era aquela cooisa tão magica como aquela palavra!!!! por isso escrevi a palavra mal, com X!!!! 

As castanhas glacés Glaceadas)....aiiiii eram a loucuuuuura dela!! e os diabetes não a deixavam comer no Natal!!

Os Marrons Glacés, só existem nesta altura do ano! São uma preciosidade natalícia da França! rsrsrs Não imaginam como ela era gulosa disso!!!! e do Ferrero Rocher!! 

Tinha uns olhos lindos azuis porcelana, mas que mudavam de côr, conforme o que vestia e o tempo estava!!!! Pratico sem dúvida... LINDOS!! E nenhum herdou seus olhos lindos, sempre com palhetas douradas no verde-azul-cinza!!! Por isso eu os descrevi :

"tes yeux de porcelaine de prés"  - teu olhos de porcelana (azul) dos prados (verde)!

É claro que a minha exlamação final é que gostava demasiado ter tido esta inspiração deste poema, com ela viva...para lhe poder dizer e ela sentir que falei aqui de coisas que ela adorava e no fundo, este era um elogio aos olhos dela e à sua personalidade que ela não desvendava....  e, nostalgica, fui buscá-lo....... 

Saiba mais…

A VINDIMA

*** 

A Vindima

 

 Chiam carros de bois

Vão pesados ao lagar

Açúcar pega_cola nas ruas calcetadas

Chia que chiam canga vai canga vem

Gemem as rodas balançadas

Canga de bois juntam dornas e tonéis

Regurgitam cachos negros cachos doirados 

Caracóis d'ouro soltos

Suor rebenta, testas curvas 

Cheiro de sol, terra e parras

Fogo de abelhas  

Cepas tortas, torcidos corpos, túrgidas uvas

Mãos nodosas de acúcar e sumos pejadas 

malvasia-rei, malvasia rabo-de-boi

malvasia-fina e moscatel, dedos-dama

verdelhos, afrouxeira e trincadeira

Boiada vai lenta, fulvas cabeças pesadas

Roçam cheiros, roçam açúcares 

Batem facas, batem pés no lagar

Zumbem abelhas 

E tu Díonisio ou Baco,

Tu cheiras a mosto e teu rosto 

É capricho do sol e calor,

Pó da terra e acúcar_mel!

 

                                                chantal fournet

                                                                     ( 2012 revisto 2014!)

 

 

***

 

 

NOTA:

malvasia-rei, malvasia rabo-de-boi

malvasia-fina e moscatel, dedos-dama

verdelhos, afrouxeira e trincadeira

São castas de uvas que entram na composição de vinhos do Douro!

dedos-dama casta de uvas de mesa!

 

 

Zeca Feliz Avelar em 22 novembro 2012 às 11:07

Poema - onde caminham Versos

às vezes mais tergiVersos...

outras mais - perVersos,

mas... Sempre Versos

pois os Versos estão contidos

em todos seus UniVersos...

E essa Vindima - onde o vinho

é mais que licor - é caminho

se tornará novamente água

mas - uma água com Luz

qual "desmilagre" de Jesus!

...

 

APLAUSOSSSSSSSSSSSSSSSSSS MAISSSSSSSSS

gaDs!

 

 

Mônica do S Nunes Pamplona em 22 novembro 2012 às 18:39

Simplesmente ESTUPENDO!!!!!

Versos precisos, acompanhados em ritmo e de uma charmosa harmonia.

Só poderá render um bom vinho.

Parabéns. Pela inspiração e tamanha composição.

Bjssss

 

 

Saiba mais…

Noite.....

 

Noite....

 

palavras e letras, soltas garatujas

ideias e mitos

devaneio em fumo de cigarro 

volutas sinuosas

cheiros de couro acre,

almíscar forte, animal,

penetram a pele ambarina.


Roça a barba, forte, ferrea,

fogo aceso em lume selvagem

roça na pele 

enxame de abelhas

roça veludo-seda 

quente, doce 

corpo forte em quase dor.

olhos e bocas em fogo

sátiros, faunos, ninfas,

musas ou sereias 

amor na dança de chamas!

 

Robusto braço erguido na noite

arde a húmida gruta

prenhe de desejos

bocas sequiosas 

de ti de mim de nós!

 

Altar pagão se ergue

no profano mítico Olimpo

dos deuses da Ática e da Egeia

Minotauro em tesão

Zeus raptando Europa!

tesão embriagador!

 

Memórias imersas

no âmbar do whisky

nos vapores do malte

na suficiência perfumada da noite

enquanto a nudez nossa

grita 

no reflexo mudo da lua

.......

Chantal Fournet

Fevereiro 2013

 

 

 de Sílvia Mota em 24 junho 2014 às 2:09

Sensual.

Provocante.

Teu poema encanta.

Beijosssssssssssss

 

Saiba mais…

UMA MEMÓRIA DE NATAL!

Na Covilhã, corria então o Natal dos meus 4 anos; bem, já era véspera dos meus 5 anos, rsrsrs! Depois de fazer as minhas orações da noite, junto ao presépio iluminado, que a minha mãe, com "minha ajuda", tinha feito na nossa sala. Era atapetado de algodão branquinho e algum musgo fofo, verdinho! Dei beijinhos ao Menino Jesus, ao meu pai e à minha mãe, e lá fui para a cama, ansiosa pela manhã seguinte, em que Jesus viria talvez ver o meu sapatinho, que eu já deixara junto ao presépio!!
 
Na manhã seguinte, muito cedo - nessa altura eu levantava-me muito cedo rsrs - levantei-me e corri para a sala ver o sapatinho! abri a porta... e.... olhei embasbacada, de olhos arregalados, para o cenário que tinha diante de mim!
A mesa estava posta, com chávenas de chá, bolo-rei meio comido, o bule com o resto de chá já frio e o açucareiro destapado, migalhas na toalha e mais coisas certamente, mas que eu não vi! Não vi prendas, não lembrei do meu sapatinho, nada!! Só VI uma coisa ....
Corri corredor fora gritando "Mamã, Papá, depressa! O MENINO JESUS VEIO CÁ A CASA TOMAR CHÁ E BOLO-REI!! ELE ESTEVE AQUIIIII!! "
 
E assim foi o meu doce Natal dos meus 4 anos, cuja imagem e sons, daquela criança, estão vívidos na minha memória!! porque, eu dizia que sim com a cabeça, mas o meu coração continuava a achar que, ELES, os grandes, não sabiam o que diziam!! Jesus tinha estado ali a tomar chá! e ELES não entendiam!!!
Saiba mais…

MARIELLE...

 

MARIELLE

.

Somos Mulheres-Marielle

Somos crias de Maré, somos crias de Serras e granitos,

.

Somos Marielle-Anónimas,

Lá no Rio de Janeiro e em todo o Brasil

no Mundo inteiro,

 

Somos Marielle-Borboletas 

Elas caiem na bala outras na facada 

No bofetão e nas pauladas

 

Somos Mulheres

 Activistas da vida ou deputadas 

Na frente da batalha na frente de tudo

 Alvos incómodos. Faladores. 

 

Alvos a abater

Como animais no matadouro

Seja ele que género for.

.

Sempre será uma rua de sangue

 Uma sala de morte 

Sem julgamento pois sempre julgadas somos

 

De esquerda

direita

centradas

 

Sempre culpadas.

 

Somos

Vermelhas azuis brancas verdes

Negras ou amarelas,

Mães ou madrastas

Somos sempre culpadas

Do tudo e do nada,

De Falar

Amar 

De Agir 

                              De Pensar

                                                                                                 de Existir

 De Pensar

                                                                                                 de Existir

 

Ah! Sobretudo por Existir!

 Alvos certeiros incómodos!

.

Mulher-Mártir

Marielle é o ícone das Mulheres

De todas as correntes

Da Escrava à Liberada!

.

Justiça pretendida para todas as que caem

Nas ruas do Mundo

Mulheres

.

SÓ por existirem ...

 

Chantal Fournet – 18/3/2018

 

Saiba mais…

 

Em mim ressoará para todo o sempre,

a ESPERANÇA a CONFIANÇA a SAÚDE

o AMOR e a ALEGRIA

Tudo elevado à potência INFINITA!!!

Dificil escolher um destes estados, como mais importante!

NADA é mais importante que o brilho do ENTUSIASMO, da ALEGRIA da CONFIANÇA e do AMOR para se conseguir sentir a SAÚDE vibrar nas nossas células!

SEI por mim, o quanto isto é VERDADE! não é informação de pacotilha de "agua-de-rosas"!!! rs

Se deixarmos a Tristeza, o Medo e outros poluentes do género nos invadir de imediato as maleitas do espirito e do corpo fazem do nosso corpo seu campo de distrações e de batalha!

É dificil numa batalha manter o Rumo e no Caos não definhar. Sejam quais forem as batalhas e os caos em que estejamos metidos.

Desejo a todos quantos enfrentam esses momentos caóticos que não se esqueçam que somos todos como as pinhas ardendo numa foqueira numa lareira: ardem, ficam rubras e incandescentes, mas SEU CENTRO- EIXO não se desfaz, antes de arder totalmente e ficar em cinza! Não perde o seu eixo!

 

Não percamos então o nosso  eixo! Pensemos que somos muito mais que as más circunstâncias que nos envolvem!

Estes são os meus votos para todos neste maravilhoso Portal PEAPAZ!!

meu abraço forte e longo a  todos!

Chantal Fournet

 

Exibições: 42

Saiba mais…

TENDRES SOUVENIRS...

 
 
 
TENDRES SOUVENIRS...
.
Doux souvenirs, doux moments à jamais gravés. 
Tendres regrets, moments perdus ou gagnés,
tout au gré du vent, 
au gré des heures et du Temps.
Douces émotions, tendre lassitude  
nonchalante mémoire d'atmosphère ouatée
parfumée de roses déjà fannées 
Écrin de soie crissante 
bruissante malgré le temps
un passé toujours impiétant notre présent...
.
Heureusement!
.
.
Chantal Fournet
12/12/2017
Portugal

 

 

 

 
Saiba mais…