Posts de Antonio Domingos Ferreira Filho (160)

Arlene com “D”. Tautograma

 A história deste Tautograma.

 Este Tautograma foi escrito em 1969 quando eu tinha 17 anos de idade. Desta forma, agora em outubro de 2019 faz 50 anos que o escrevi. Olha o tempo aí.

Eu nem imaginava de como era denominado este estilo de escrever poesias. Escrevi em homenagem a uma namorada da época cujo nome era Arlene, com 25 anos, isto é, 8 anos mais velha que eu.

Quando pedi ao seu Pai autorização para namorar em casa, ele simplesmente me disse que eu era uma criança para namorar sua filha.

Com esta negativa, continuamos o namoro por cerca de 5 anos. Para compor com a letra "D" renomeei Arlene à Darlene.

Desde os treze anos, eu já escrevia modestas poesias para minhas namoradas, em época retumbante da Jovem Guarda e testosterona. 

Não me ligava na Jovem Guarda e sim na Bossa Nova.

Hoje arrumando as pastas de arquivos achei "Arlene com D" numa folha de papel de caderno,rascunho original.

Eu tinha um caderno de Poesias que uma secretária minha cuidava, ainda não tínhamos computador e processador de textos, e,perdeu-se tudo nas mudanças de residências.

Quando comecei a escrever minhas poesias e outros no Windows; Word; reavivei algumas poesias perdidas em folhas de caderno e/ou datilografadas. Após este novo procedimento com recursos de segurança, ainda assim, perdi todos os dados de meu computador por duas vezes. Perdi um volume enorme de muitos escritos. Chorei poucas lágrimas e lamentei. Recomecei por duas vezes.

"Muitas eram letras de músicas que eu mesmo compunha no violão."

Antonio Domingos

 Vejamos a Poesia abaixo

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

 

 Arlene  com “D”

Dias depois da desventura do devaneio

Distraído diante da desilusão

Dei deveras divisando desfecho

Darlene deu distância dividendos

Do diálogo direto desviando

Do desvelo dentro d’mim

 

Deste desgosto desafortunado

Danei desperdiçar-me, destruir-me, desleixar-me

 

Digo despretensioso deste destratar

Dando destinação da desunião

Dias duvidosos, desmoronados, desmedidos

 

Fim

A.Domingos

Ano de 1969

Saiba mais…

Dia das Crianças em Prosa e Verso

 

Resultado de imagem para crianças brincando de roda

Canção aos meus Filhos e Netos (Prosa e Verso)

 Prosa 

Homenagem, um desejo, no dia da criança, todos são os dias deles, de ver os rostinhos felizes, toda criança é linda em qualquer

dimensão, escrevam uma canção, vivi a criança, eu e meus irmãos, Tico, Beto e Edinho, felizes de pernas enlameadas e cabeças

quebradas, de tombos das tamarineiras, vivi os filhos crianças, Janaina, Vera, Ana Lúcia, Fabrício e Fernanda, tive mais que 12 filhos,

 um para cada mês, um para cada apóstolo, em verdade tive milhões de filhos, mas 5 foram escolhidos por mérito e honra ao Senhor,

na beleza magistral da criação, vivo 5 crianças, os netos, aos quais tenho a certeza de que os amo, é Leonardo, é Antônio, é Alice,

crianças felizes, normais, desiquilibradas, desobedientes, umas feras sem venenos, pureza definem o que são. Vivo todas as crianças

do mundo, todas algo em comum, hoje eu não choro pela fome, injustiça, pobreza, eu clamo hoje, nesta semana, neste ano, ao futuro a

beleza somente a beleza de ser uma criança, com o coração cheio de esperanças, de um porvir de cores, olhares com brilhos, com a

alma lavada por compaixão. 

 

Dia da criança  

Verso 

Olha bem a nossa infância

Deixam toda a inocência

Brilhar nos olhos da crença

No sorriso real verdadeiro

Olha aí nossa esperança

Olha aí a vida no formigueiro

 

Sem Final...Continua

  1. A.Domingos

09\10\2019

 

Saiba mais…

Escada

Escada

Resultado de imagem para casa com imagem de escadasResultado de imagem para escadas de mãos

Escada

 

Éramos seis largos degraus dispersos esparsos mundo afora

Pregados com pregos metálicos de metal mortal, o faquir persa,

Hastes Verticais reforçada escada com mais pregos por hora

Éramos seis largas costelas de Adão vem Eva corpo tervigersa

 

Debutamos a escada quando O Sexto degrau brotou preso e livre

O labor sofrido tendeu nas cidades concretas calos nas palmas mãos

Irmãos éramos seis vestidos de azul e rosa calou-se ileso o pão delivre

De vinho, verde, violeta, todas as cores sabiamente víamos em corrimãos

 

Sustenta o respeito à carne e à alma ideologias inocentes aspiram

Andarilhos nas vielas hum! Sustos os carregam no colo dos burros

Hora do “retorno dois” a reparação da” saudade três”, filmes retomam

À casa dos degraus éramos seis senis provam-se irmãos casmurros

 Fim

Antonio domingos

11\10\2019 4:14 h 

Saiba mais…

Alice

Alice

 

Alice

 

Quem disse que...

 

Que és linda

 

Como uma flor

 

Botões em flores de jasmim

 

Desabrochando

 

Rosto roseado de carmim

 

Foi o condor dos Andes

 

Preto azulado de azulzinho

 

Astuto robusto supersônico

 

Voando muito alto

 

De asas gigantes

 

Lá em cima no céu

 

Com visão ávida de águia

 

Menina imponente

 

tal qual uma águia

 

Pira quando te vê

 

Linda em meio ao jasmineiro em flor

 

Clara como na foto de uma

 

Plantação de algodão

 

E diz

 

Que menina linda

 

A mais bela do mundo

 

Longe o condor está 

 

Muito perto de seus olhos castanhos

 

 Viver a vida

E

Serás feliz, bem feliz

 

Antonio Domingos

 

03\08\2019

 

Homenagem aniversário de minha neta Alice 6 anos

 

Saiba mais…

Diálogos (number 1) Marcela e Vitor

Diálogos (number 1) Marcela e Vitor

Resultado de imagem para retórica

 

-Entre Marcela, fique a vontade, café, chá, suco...

-Nada não Vitor, estou é agoniada , estressada, confusa...

-Relaxe amiga. Tudo passa.Está com problema no trabalho

-Que nada, lá tive até uma promoção, vem é mais trabalho, ufa...

-Tudo bem então, se eu puder te ajudar...

-Não sei não, é assunto pessoal, não sei o que pensar

-É... Você está linda como sempre, mas confesso, que um pouco abatida e ansiosa...

-Vitor, tem certos assuntos que a gente tem de resolver sozinho, na solidão mesmo...

-Você é quem sabe... se quiser um ombro amigo, estou aqui.

-Desculpas, não é falta de confiança em você, Vitor, sempre nos demos bem...

-Ótimo, eu também confio em você , sou aquele amigo bem sincero...

-Obrigada, acho que vou aceitar aquele café...

-Um instante, vou a cozinha e logo te trago um fresquinho...Olha aqui o cafezinho... Marcela você está chorando...Vá, toma o café, vou buscar uma água antes.

-Desculpas Vitor, não segurei as lágrimas...

-De forma alguma, nada de escusas , fique tranquila, quer ficar sozinha aqui na sala, eu vou para o quarto...

-Fica na sala, já estou sozinha e abandonada faz muito tempo. Marcos tem uma amante, aquele cachorro safado. Não me procura mais com  a frequência que era, sempre distante, seu comportamento está diferente, as falsas viagens a trabalho em finais de semana é uma tortura, não tem o planejamento de seu horário como antes, estou sofrendo muito...

-Marcela, você tem uma prova real. Já o viu com outra mulher aos abraços e beijos, já deu um flagrante consistente, você vasculha o celular dele, faz revistas nas roupas dele, você o segue pelas ruas, já contratou um detetive particular...o que tem de verdade para você afirmar que Marcos te trai, o vejo como um marido fiel...

-Vitor, nada disso, é uma intuição feminina, eu sei que ele me trai e pronto

-Marcela, ainda bem que você não tem provas...

-Porque Vitor, eu não preciso de provas, mas mesmo se tivesse elas, nem sei o que faria de minha vida, eu amo o Marcos, meu homem...

-Marcela, você precisa de um tratamento psicológico, está doente, doença de ciúme,de insegurança, de confiança...

-Eu confio em muita gente, amigos, colegas de trabalho, minha visão não é doentia...

-Já vai Marcela, fique um pouco mais..

-Não, eu tenho de ir agora, Vitor, obrigada pelo apoio...

-Vá com Deus. Dê um abraço apertado e um beijão no Marcos, pergunte a ele qual é o novo número do celular....

-Vitor! que celular....

 

 

Sem Fim

Antonio Domingos

11 de março de 2019

Saiba mais…

APEGO AO HÁBITO

 

“Os Hábitos são tão difíceis de combater, porque neles a inércia, que em geral se opõe a qualquer acção,  se associa a um certo rítmico de actividade”

 

Hugo von Hofmannsthal /1874 a 1929

 

Resultado de imagem para IMAGEM DE HÃBITOS

 

APEGO AO HÁBITO

 

Tu te apegas tal goma aos problemas, tu te encostas no consciente

E na proposta de viver, tu te bloqueias atrás da porta a ranger

Tu te arrias a autopiedade, tu não tens nenhum elo inconsciente

Tu queres perpetuar angustia, e afastas tua irmã tentação

Tu queres manter a adulta de rimo, e permanece na puberdade

Tu   não vês a Pomba Branca, não te rendes aos arrulhos da canção

Tu te cegas aos pássaros cantantes, não te atenta a migração

Tu te escondes dos momentos, não gostas de estar presente

Teu livre arbítrio não rompe, as barreiras da auto negação

 

Tu acostumastes flácida, a viver na vil pobreza

Tu não acreditas em teus momentos de prazer

Tu pensas que queijo e taça de vinho é gemada

Tu não abres uma champanhe pelo não beber

Tu não sabes onde pisa tua alma mal-amada

Tu és semelhante aos grileiros, e rouba tua natureza  

 

Tu procuras os problemas por cultura do hábito

 

Enraizaste temores em buscar as sósias alternativas

De ter teus momentos maternos de aleitamento

Tu te prendes a tomar banho na chuva sem perspectivas

Tu vives assim a beber da água benta do comportamento

Dos teus hábitos esquisitos vives o feder do espírito.

 

Tu recepcionas comportamento, tal modo, e procria ralo hálito

De buscar sofrimento para sobreviver com densidade mórbida

Por que não mudar comportamentos, e criar novos hábitos

Teu comportamento alavanca viciosa vicissitude sórdida

 

FIM

 

Antonio Domingos

13\12\2018Revi.AD

 
Saiba mais…

O Pai (Conto ou Prosa)

 

Resultado de imagem para pai e filho adultos

 

O Pai (Conto ou Prosa)

 O Pai acorda precocemente de madrugada mesma posição em que adormeceu, desmaiou. Vira-se na cama de lado esquerdo para direito, direito para esquerdo. O corpo tem tremuras em toda extensão, espontâneas e aparentemente epiléticas.

Retira do rosto a máscara facial que usa juntamente com o CPAP (equipamento para portadores de apneias severas)

Minutos percorrem a agonia e enfim levanta-se e sentado diz “Graças a Deus” embora se defina como Ateu. Não segue e sequer tem fé em religiões. Profere orações próprias improvisadas sem referir-se a algum Deus, como se fosse uma meditação pessoal.

O aparelho de medir pressão está na poltrona ao lado da cama. Mede a pressão, recomendação médica. Caso com pressão alta eventual na faixa de 18x12 absorve 2 comprimidos de Captopril 25 mg sublingual, um SOS. Logo baixa a pressão, o Pai toma medicamentos de uso contínuo: 4 remédios para pressão e coração (7 comprimidos), 2 remédios para depressão e Distúrbio Bipolar (6 comprimidos).

Na cozinha coa um café forte, garrafa térmica cheia para beber até a metade do dia, vício e hábito. Degustou a primeira caneca de café e, e, ainda sente horrores de mal-estar na cabeça, sensação de que pode desmaiar.

Depois de melhoras!!!

O Pai separa os comprimidos do Filho. Clozapina e Sertralina.

 

"Nota do Pai: Clozapina é medicamento Top de Linha prescrito para esquizofrenia"

Na sala recolhe pratos e talheres e embalagens vazias da mesinha de centro usadas por seu Filho que usualmente dorme na poltrona com coberta e ventilador alta velocidade durante todos os dias, esteja frio ou calor. Por toda a sala muitos pedaços de alimentos espalhados pelo piso, agarrados e melados nas cortinas, por sobre os móveis, embaixo das poltronas.

 O Filho não executa nenhum trabalho de limpeza doméstica e, e não é portador de deficiências físicas.

 

“O Pai prende-se ao dever altruísta de cuidador com um mix de frustração e vontade de fugir”

“Um doente cuidar de outro doente são sacrifícios sem adjetivos”

“Perca tudo na vida, menos a cabeça e capacidade de racionar nos limites da vida”

 

"Vive-se sem membros, há proteses 3D, para a cabeça, não"

 

O Filho separa um pedaço de tudo que come e lança, qualquer direção, no ambiente em que está presente, claro. Pedaços de carnes, legumes, doces (chocolate em barra, balas mastigadas, salgadinhos de milho, empada, hamburguer, pão, enfim qualquer alimento).

Os tempos e idades mexem com nossas curiosidades. Bem, o Pai é idoso.

O Filho em crise não fica sozinho em qualquer cômodo da casa. Permanece ao lado do Pai todo o tempo. Pai no banheiro, filho ao lado, Pai cozinhando, o filho junto, Pai no terraço lavando roupas, o filho...também. O Pai dormindo, o filho agarrado ao Pai.

E em ambientes fora do lar. O Pai em consulta médica com o Urologista (Próstata), o filho também ao lado, a sombra, ou em qualquer médico especialista.

“É desgastante um ser humano ter uma sombra ao seu lado”

O Filho tem diagnóstico principal e faz tratamento, mas, sofre também de TOC gravíssimo (Transtorno Obsessivo Compulsivo) a começar por jogar tudo o que ingere com alimentos, lançar um pedaço no chão ou paredes.

Portas, portão, interruptores, gavetas, tomadas, tudo que fecha e abre ou liga e desliga ele, o Filho, repete a operação inúmeras vezes.

Liga e desliga a luz cerca de 15 vezes, abre e fecha a porta da geladeira cerca de 5 vezes, e o, micro-ondas. Chaves de portas, fecha e abre, sabemos lá quantas vezes, mais, são muitas vezes. A Casa e os equipamentos são gastos com males uso e traz prejuízos.

O Filho no comércio de rua, ao lado o Pai, compra inúmeras bugigangas, atitude doentia antes de ser hábito ou hobby.

Coleciona medalhas, relógios de ambulantes, CD’s, anéis masculinos e femininos, cordões, pulseiras. (compra e nada usa, troféu)

De plástico: pratos, canecas, talheres, brinquedos infantis, enfim: bonés, camisas de futebol, cuecas (não usa) meias, grampos, clips, chaves de automóveis, pregos, despertadores com defeito (pela compra nada usa)

Coleciona doces e bolachas arrumados impecavelmente. Caixas de bombom, chocolates de toda sorte sortidas, balas diversas, chicletes, dropes... São caixas cheias de guloseimas.

Quando a validade vence o Pai recolhe e joga no lixo.

O Filho, apesar de, tem preferencias pessoais. Entende as regras de muitos esportes. Até Rúgbi de sete. Houve músicas e decora as letras com facilidade, samba, pagode e sertanejo, os ritmos preferidos, mas, ouve todos os gêneros musicais. Tem um QI acima da média.

O Pai já fora no passado Diretor Financeiro. Classe média alta, família de poder aquisitivo consumista, gozava de excelentes imóveis, bairros luxuosos, carros, hotéis 10 estrelas, jantares, Europa, New York, bom vinho, linda esposa-mulher e título de Miss na juventude, 4 filhas realizadas profissionalmente com cursos superiores, doutorados, viviam como nobre, duque, respeitado. Hobby. Tênis, Xadrez.

A herança lhe saldou com o analfabetismo social e o atual Filho homem dependente virgem.

Aposentado em desgraça perdeu tudo. Bebidas, jogos, bolsa de valores.

Renda beirando a indigência percebe restos de esmolas e, e sobrevive.

Desdentado, o Pai, sente no corpo anestesiado pela desgraça, a falta dos dentes esmaltados brancos, orgulho de outrora em conquistas.

De suas mãos fugiram o computador, tablet, celular e Wi-Fi. Esqueceu-se do básico, planilhas de Excel, Word, Mãe, Pai, irmãos, Mulher, Filhas e TV a cabo. Restou a Televisão TV aberta.

 

“A queda do padrão de vida, um vilão para a depressão e suicídio”

 

Álibi suspeito, o Pai, escreve versos no verso de panfletos acomodados, arrumados por ordem de data cronológica na gaveta de móvel.

O tempo (Poema)

 

“O tempo impiedoso

Velocidade da luz

Em tempos de felicidades

Como raios passam

 

O tempo impiedoso

Velocidade da cruz

Em tempos de inutilidades

Como amebas rasgam”

Fim 

ADFF

 

História real. Atual.

 

“O Pai personagem como pseudônimo do texto”

 

Continua.........as rotinas nas retinas........sem adjetivar...........

Antonio Domingos Ferreira Filho

15 de setembro de 2019

 

Saiba mais…

EU EUFEMISMO (SONETO)

 

 

ALEM.jpg

EU EUFEMISMO (SONETO)

 

Saboreava meus memes  eufemismos

Por estreitos  transpor  bem  cadenciado

Sorvia meu cotidiano de sofismos

Para que me  julgassem  um eldorado

 

Reduz  luz amarela a minha  querela

Arguto o cobertor de mutações

E no escuro brilhante a luz de vela

Perfuma sereno almíscar  as tensões

 

Triste felicidade meu contento

Argumento sombrio pura mentira

Revelo a minha angústia ao relento

 

Para que querer  saber do meu sofrer

Alguém quer me colhêr do que ouvira

Ame o meu surpreender envelhecer

 

FIM

Antonio domingos

10 de fevereiro de 2019(reviAD)

 

Saiba mais…

Obstinação

Resultado de imagem para obstinação

 

 

 

 

Obstinação

 

Partiste nas ondas dos ventos dos sopros do mar

Foste em busca de caixas lacradas de chumbo

De cabeça mergulhaste de pulmão que quer ar

Inconsciente levaste o coração a tocar bumbo

 

Quiseste voltar nos sopros dos ventos e ondas do mar

Tardiamente mais doente perdeste todos os dentes

Remos e asa-delta fugiram de ti a ti limar e dizimar

Força sobrenatural corpo e alma remanescentes

 

Condiz a condição de migalhas de saúde que cobra

Agarraste a mísera adição de temperança e herança

Levíssima esperança mantiveste em noção de dobra

Conta gotas oral de florais de back a verossimilhança

 

Perdiz as pernas caminham pé a pé em reversão

Abraçaste um fio frágil da vida e o pulmão ascendeu

Aprendeste a sina nos sinos do bem e mal submersão

Feliz em andarilhos  percalços solo você transcendeu

 

Antonio domingos

20 de set 2019

 

Saiba mais…

Pai

 

quarto-bagun%C3%A7a.jpg

 

 

 

O Pai

 

O Pai acorda precocemente de madrugada mesma posição em que adormeceu, desmaiou. Vira-se na cama de lado esquerdo para direito, direito para esquerdo. O corpo tem tremuras em toda extensão, espontâneas e aparentemente epiléticas.

Retira do rosto a máscara facial que usa juntamente com o CPAP (equipamento para portadores de apneias severas)

Minutos percorrem a agonia e enfim levanta-se e sentado diz “Graças a Deus” embora se defina como Ateu. Não segue e sequer tem fé em religiões. Profere orações próprias improvisadas sem referir-se a algum Deus, como se fosse uma meditação pessoal.

O aparelho de medir pressão está na poltrona ao lado da cama. Mede a pressão, recomendação médica. Caso com pressão alta eventual na faixa de 18x12 absorve 2 comprimidos de Captopril 25 mg sublingual, um SOS. Logo baixa a pressão, o Pai toma medicamentos de uso contínuo: 4 remédios para pressão e coração (7 comprimidos), 2 remédios para depressão e Distúrbio Bipolar (6 comprimidos).

Na cozinha coa um café forte, garrafa térmica cheia para beber até a metade do dia, vício e hábito. Degustou a primeira caneca de café e, e, ainda sente horrores de mal estar na cabeça, sensação de que pode desmaiar.

Depois de melhoras!!!

Na sala recolhe pratos e talheres e embalagens vazias da mesinha de centro usadas por seu Filho que usualmente dorme na poltrona com coberta e ventilador alta velocidade durante todos os dias, esteja frio ou calor. Por toda a sala muitos pedaços de alimentos espalhados pelo piso, agarrados e melados nas cortinas, por sobre os móveis, embaixo das poltronas.

“O Pai prende-se ao dever altruísta de cuidador com um mix de frustração e vontade de fugir”

“Um doente cuidar de outro doente são sacrifícios sem adjetivos”

 O Filho não executa nenhum trabalho de limpeza doméstica e, e não é portador de deficiências físicas.

“Perca tudo na vida, menos a cabeça e capacidade de racionar nos limites da vida”

O Filho separa um pedaço de tudo que come e lança no ambiente em que está presente, claro. Pedaços de carnes, legumes, doces (chocolate em barra, balas mastigadas, salgadinhos de milho, empada, hamburguer, pão, enfim qualquer alimento).

Os tempos e idades mexem com nossas curiosidades. Bem, o Pai é idoso.

O Filho em crise não fica sozinho em qualquer cômodo da casa. Permanece ao lado do Pai todo o tempo. Pai no banheiro, filho ao lado, Pai cozinhando, o filho junto, Pai no terraço lavando roupas, o filho...também. O Pai dormindo, o filho agarrado ao Pai.

E em ambientes fora do lar. O Pai em consulta médica com o Urologista (Próstata), o filho também ou em qualquer médico especialista.

“É desgastante um ser humano ter uma sombra ao seu lado”

O Filho tem diagnóstico principal e faz tratamento, mas, sofre também de TOC gravíssimo (Transtorno Obsessivo Compulsivo) a começar por jogar tudo o que ingere com alimentos, jogar um pedaço no chão.

Portas, portão, interruptores, gavetas, tomadas, tudo que fecha e abre ou liga e desliga ele, o Filho, repete a operação inúmeras vezes. Liga e desliga a luz cerca de 15 vezes, abre e fecha a porta da geladeira cerca de 5 vezes, e o, micro-ondas. Chaves de portas, fecha e abre, sabemos lá quantas vezes, mais, são muitas vezes. A Casa e os equipamentos são gastos com males uso e traz prejuízos.

O Filho no comércio de rua, ao lado o Pai, compra inúmeras bugigangas, doentia antes de ser hábito ou hobby.

Coleciona medalhas, relógios de ambulantes, CD’s, anéis masculinos e femininos, cordões, pulseiras. (pela compra nada usa)

De plástico: pratos, canecas, talheres, brinquedos infantis, enfim: bonés, camisas de futebol, cuecas (não usa) meias, grampos, clips, chaves de automóveis, pregos, despertadores com defeito (pela compra nada usa)

Coleciona doces e bolachas arrumados impecavelmente. Caixas de bombom, chocolates de toda sorte sortidas, balas diversas, chicletes, drops... São caixas cheias de guloseimas.Guarda embalagens vazias de refrigerantes.

Quando a validade vence o Pai recolhe e joga no lixo.

O Filho, apesar de, tem preferencias pessoais. Entende as regras de muitos esportes. Até Rugby de sete. Houve músicas e decora as letras com facilidade, samba, pagode e sertanejo, os ritmos preferidos, mas, ouve todos os gêneros musicais. Tem um QI acima da média.

O Pai já fora no passado Diretor Financeiro. Classe média alta, família de poder aquisitivo consumista, gozava de excelentes imóveis, bairros luxuosos, carros, hotéis 10 estrelas, jantares, Europa, New York, bom vinho, linda esposa-mulher e título de Miss na juventude, 4 filhas realizadas profissionalmente com cursos superiores, doutorados, vivia como nobre, duque, respeitado. Hobby. Tênis, Xadrez.

A herança lhe saldou com o analfabetismo social e o atual Filho homem dependente virgem.

Aposentado em desgraça perdeu tudo. Bebidas , jogos, bolsa de valores.

Renda beirando a indigência percebe restos de esmolas e, e sobrevive.

Desdentado, o Pai, sente no corpo anestesiado pela desgraça, a falta dos dentes esmaltados brancos, orgulho de outrora em conquistas.

De suas mãos fugiram o computador, tablet, celular e Wi-Fi. Esqueceu-se do básico, planilhas de Excell, Word, Mãe, Pai, irmãos, Mulher, Filhas e TV a cabo. Restou a Televisão TV aberta.

“A queda do padrão de vida, um vilão para a depressão e suicídio”

Álibi suspeito, escreve versos no verso de panfletos acomodados , arrumados por ordem de data na gaveta de móvel.

“O tempo impiedoso

Velocidade da luz

Em tempos de felicidades

Como raios passam

 

O tempo impiedoso

Velocidade da cruz

Em tempos de inutilidades

Como amebas rasgam”

 

História real. Atual.

 

“O Pai personagem e escritor do texto”

 

Continua.........as rotinas nas retinas........sem adjetivar...........

Antonio Domingos Ferreira Filho

15 de setembro de 2019

 

 

 

 

 

Saiba mais…

Resposta

Resultado de imagem para duas pessoas conversando 

 

 

 

 

Resposta

 

Consciente gerente do inconsciente

Réplica ruge tréplica forte neural

Palavras já estão armazenadas quente

No incônscio das sinapses plural

 

Consciente vê escuta anis no paladar

Ódio despeja com caros adjetivos

Amor enseja com fala raro fadar

Dia a dia caleja os substantivos

 

Absorver no cônscio texto verbos nobres

Preencher com vocábulos sutis a mente

As respostas serão amáveis mais dobres

 

Imagens após som armazenados rente

No cérebro cinzento caixas letal cobres

Inconsciente é peão do consciente

 

FIM

Antonio Domingos

18ago2019

Saiba mais…

Margarida

Resultado de imagem para margarida

 

 

 

Margarida

 

M aria Madruga palpita os olhos

A ntes dos raios de sol  fulgurar

R eza o sinal da cruz em  nome do Pai

G orgeia o sábia laranjeira

A nunciando a chegada da luz

R eflete a Bíblia do novo dia

I ndubitável fé está em Jesus

D omestifica o tempo que requer

A mesa quadrada o bem-me-quer

 

ADomingos

14ago2019

Homenagem ao aniversário de nossa amiga das letras Margarida Maria Madruga

 

Saiba mais…

Alice

 

Resultado de imagem para jasmineiro em flor

 

 

Alice

 

Alice

Quem disse que...

Que és linda

Como uma flor

Botões em flores de jasmim

Desabrochando

 

Rosto roseado de carmim

Foi o condor dos Andes

Preto azulado de azulzinho

Astuto robusto supersônico

Voando muito alto

De asas gigantes

 

Lá em cima no céu

Com visão ávida de águia

Menina imponente

tal qual uma águia

Pira quando te vê

Linda em meio ao jasmeiro em flor

Clara como na foto de uma

Plantação de algodão

 

E diz

Que menina linda

A mais bela do mundo

 

Longe o condor está 

Muito perto de seus olhos castanhos

 

Viver a vida

E

Serás feliz, bem feliz

 

Antonio Domingos

03\08\2019

Homenagem aniversário de minha neta Alice-5 anos

 

 

Saiba mais…

Gêneros

 

Resultado de imagem para símbolos dos sexos

 

 

 

 

Gêneros

 

Línguas

Palatos

Papilas

Únicas em cada humano

 

Língua áspera com

Língua leitosa

 

Língua áspera com

Língua áspera

 

Língua leitosa com

Língua leitosa

 

Língua áspera falsa consciência de língua leitosa

Língua leitosa falsa consciência de língua áspera

 

Língua áspera de vestido hormonal

Língua leitosa de calças hormonal

 

-Língua palato e papila-

 

Genética herança irracional

Genética esperança substancial

 

Genética herança substancial

                                                                 Genética esperança irracional                                                                 

 

Inconsciente da mente

 

 

Antonio Domingos

31jul 2019 10:48 hs

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Saiba mais…

Travesseiros

 

Resultado de imagem para cama com travesseiros

 

 

Travesseiros

 

Durmo com três travesseiros baixos sob a cabeça com três fronhas

Outros dois embaixo dos braços tracionados

Um outro sobre o peito abraçado

Um por entre as coxas apertado

Um outro entre as canelas atado

Oito mini-travesseiros artesanais por entre os dedos dos dois pés

Conta-se dezesseis unidades

E todas vibratórias

E todas encomendadas

Vibração suavemente controlada

Controle remoto no peito

 

Quando frio

Maria aporta um cobertor

No corpo quase inerte

E deita-se ao meu lado

 

Aprisionado

Hábito

Solidão

Psiquiátrico

 

Terror

Pudor

Dor

Corredor

 

Sem sentido

Sem amigo

Sem mentido

Sem perigo

 

 

 

Antonio domingos

28/07/2019 15:15 hs

 

 

Saiba mais…

1 m (Metro)

 

 

1 m (Metro)

 

O cabestro do metro dor de linha reta

O arresto do cetro  fim da dinastia

Encaixotado metro linear encesta             

Apaixonado por sinuosas queria

 

Morto metro quadrado besta imputável

Molha veneno na blusa com escorpião

Cutuca a linha do metro inescusável

Metro linear a distância de podrão

 

Fertilização de insetos in vitro urge

Capitalização de humanos solidão

Acende duas velas escora São Jorge

 

Espaço reduzido de limitação

Não se move calçada ainda que se forje

Apartamento sem quarto dura extinção

 

 

Antonio Domingos

17 de Junho de 2019

Saiba mais…

Saudade

 

Resultado de imagem para deserto

 

 

 

 

Saudade

 

Retorno a minha agenda

Com mãos tremulas

Ora firmes

 

As palavras fogem

O dicionário à espreita

Brotam as primeiras letras

 

Palavras não tem emenda

Sensíveis como plúmulas

Ora disformes

 

Saudade me eleva

Sob o sol sobre a lua

Força que me enleva

 

Por que se persevera

Para que o amor flua

No meu amor que exagera

 

ADomingos

09 de junho de 2019

 

Saiba mais…

DIA

Ver a imagem de origem

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dia

Abri as vistas ao amanhecer
Meus olhos sol duas vezes
O dia nasceu nublado ser
Cego e obscuro são pazez

O dia é lindo chafariz
O clarão acima da nuvem
É fogo vermelho chamariz
Uma certeza todos ouvem

Da janela o povo a passar
Apressado aperta os passos
Bom quem tem onde chegar
Que seja ocupado os espaços

 

Esperança é viver sem horas
O relógio ludibria o tempo
Não quero saber porque choras
Abstraía-se e marque um tento

Fuja dos ponteiros cortantes
Gire em torno de você mesmo
Ao seu tempo sem barbantes

Sapatos não caminham a esmo

 

Sem amarras na clara alma
Sem safena no rubro coração
Viva o espírito em calma
Felicidade está em seu condão


Antonio Domingos
28\03\2019

Saiba mais…

Esperança

Ver a imagem de origem

 

 

 

 

 

 

UMA IMAGEM DE PLUTÃO

 

 

 

Esperança

Bom dia esperança e favor não evaporar em simbiose meio às tragédias. Não fuja para Plutão. Mantenha aquecido o coração em movimentos positivos: resilientes, psicológicos e emocionais.

 

Ter esperança é esperar por resultados satisfatórios. Uma mente propositiva de busca consciente e de fé.

Como anda a esperança brasileira?

São 64.000 mortes por ano com os mais variados requintes de crueldades.

E a esperança parte integrante da mobilidade social do desenvolvimento e busca das igualdades. Como está amiga?

 

Suzano

 

5 jovens como 5 dedos com uma mão, união de um único ser: Brasileiro.

10 pessoas como 10 dedos como duas mãos ceifadas: Brasileiro

Algumas tragédias recentes no Brasil tiveram como inspiração as matanças de jovens alunos em escolas dos EUA. Lá parece uma epidemia!!! Não é preciso levantar o assunto da venda de armas liberadas. Cartel.

E os jogos de videos games que estimulam suicídios!

 A Globalização traz o mal e o bem. Porque muitas de algumas notícias internacionais de tragédias invadem a mídia e não traz qualquer benefício ao Brasileiro.

Este escritor amador emociona-se como qualquer ser humano, mas, descer uma lágrima, não desce não. Quem sabe seja uma questão de personalidade?

Suzano me fez descer um rio de lágrimas espontâneas e chorosas.

São marcas para sempre eternas como nós de um carretel de linha embolada no chão de sangue

Fim

Antonio Domingos

14 de março de 2019

 

 

 

 

Saiba mais…

Dia Internacional da Mulher

 

 

 

 

 

 

Dia Internacional da Mulher

 

E... Que... Quando os Olhos da mulher  estão sorrindo 

 

 

E As rosas vermelhas nascidas em teus divinos seios     

Que São tuas digitais, as lanternas que amamentam   

E Os holofotes olhos todas cores sorrindo enleios   

Que Hipnotizam afundo olhar nos olhares imantam  

 

 

E A mulher bela que a si não se retrata em retrato

Que Muito menos está enquadrada em comum quadro

E És mulher de verdade sim refração da luz do olfato

Que Permeia a tela a velocidade redução do esquadro

 

E Saudemos na pintura a eloquência mestre do artista

Que Em dons redesenha com tintas a mulher irlandesa

E Cujas retinas sorrindo no tecido de algodão o prosista

Que Sonha vê-la fugir dali um holograma da singeleza

 

E O escritor desdenha o pintor em sentimentos escárnios

Que Ali resplandece uma mulher de verdade uma algama

E Em odores de suores do corpo sussurram os hormônios

Que " A mulher do mundo" aspira e sente as mãos sua apalma

 

E Com paixão incontinente o leitor subestima o escritor

Que Suga a imagem da pintura a sua ventura irlandesa

E Sortilégios feitiços de mago fez dela seu prazo de Amor

Que No matrimonio a casa lar com a sutileza realeza

 

E O crítico literário impaciente indolente defenestra o leitor            

Que A herança cultural  lhe dá preferência à mulher guerreira

E Sem xenofobia que o labor do ofício lhe faz um candor

Que De amor indolor proclama a frenesi mulher brasileira

 

 

FIM

Antonio Domingos Ferreira Filho

06\03\2019

Saiba mais…