Sobre mim

Género

Masculino


Localização

Uruçuí, PI


Aniversário:

Fevereiro 13


Nome completo e pseudônimo, se houver:

Anchieta Alves de Santana


Como chegaste à Rede Belas Artes Belas?

Através de convite


Minicurriculum:

Professor da rede pública de ensino e escritor.


Links para sites, blogs e perfis em redes sociais:

https://www.facebook.com/anchieta.santana.5


Minhas Conquistas


Pontos ganhos: 122

  UM RIO NÃO MORRE SOZINHO

 

É contemplando a beleza suprema

                                       [das águas.

                              que me deleito

                        que dou graças...

                   que vivo!

 

Sentado às margens do rio Uruçuí-Preto,

              Vejo um exemplo vivo

Do quanto é perfeita a Natureza.

         [...é uma Criação Divina!

 

...é o hino da vida!

                  da ida

                        e da volta!

 

Percebo que as águas deslizam

Numa cadência poética e sensual!

Deslizam semeando vidas

Por este mundo de meu Deus

                  [mundo eclético.

 

                 ...mundo de homens,

                                de árvores

                                       e de bichos...

     mais bichos do que homem

    mais árvores do que bichos.

Mundo de homem-bicho sem árvores!

 

Universo

Que é meu

         Que é teu,

             Que é nosso!

 

É uma Dádiva Divina, a Natureza!

[...]

É  banhando nas águas do rio Uruçuí-Preto

Que sinto como é majestosa, a Natureza.

E aí, sempre desejo,

Que todos os dias sejam domingos de sol

Para uma eterna contemplação.

 

Mas vejo que as águas correm

Numa serenidade implacável

Correm com medo da morte

Correm em direção ao mar

Numa cadência inarrável.

 

...e nesse vagar

     nem sempre alcançam

                      a imensidão azul!!!

 

É sentindo os encantos do rio

Que não consigo entender

Porque o homem se faz sombrio

Fazendo o rio padecer,

 

Vejo que o rio sofre

Sofre nas garras do homem

Chora agônico

E aos poucos morre!

Morre e perde todo o encanto.

 

Mas vejo que o homem

       Percebe

             Mas não intercede

Sabendo que vencendo a Natureza

É também ele quem perde

Ele é vencido,

          [é quem degusta incertezas!

 

...e nesse embate

A Natureza só é forte

Se forte for a natureza humana.

Aí o rio corre

Corre e encanta.

 

Mas, se o rio para,

Cai o pano,

Termina o espetáculo.

 

 

outubro, 2006

OS CANINOS DO MEU AVÔ

 

 

           Era tarde de verão no povoado Sangue, onde morava José Pereira dos Santos, o popular José Delmiro; meu avô materno. Homem de sabedoria rara e humilde. Foi quem ajudou a desbravar aquela região do Cerrado onde nasceram meus pais e eu também. Aquele era mais um dia em que ele se contorcia com uma dor de dente que teimava em não ceder. Já havia usado todos os produtos naturais, benzedeiras, defumadores e tudo que a sabedoria popular indicava e o “diabo do dente não parava de dar pontadas”. Esta era uma reclamação constante. Então, não restava ao meu avô, outra saída: tinha que ir à cidade. Cinquenta quilometro sobre lombo de cavalo campeiro e/ou a pés. Não tinha dúvidas de que “alicate” era o único remédio capaz de por fim, de uma vez por todas, àquele sofrimento impiedoso. Já não dormia e nem se alimentava mais adequadamente.

           Ao romper do dia seguinte, pôs o “puçá´” num saco de fibra e uns trocados no bolso e partiu sob o sereno do amanhecer. Puçá lá no Sangue é rede de dormir.   Viajou quase o dia inteiro; às dezesseis horas entrou na cidade. Na realidade, àquela época, Urussuhy se resumia a um pequeno vilarejo que se imprensava e se deliciava às margens do generoso rio Parnaíba. O povo vivia ali, admirando, banhando e bebendo nas águas tranquilas do “Velho Monge”. Este e os rios Urussuhy Preto e Balsas já formavam uma bela parceria em nome da vida. Naquele tempo, ainda não se falava em Maria Laura, José da Malária, Félix Maribondo e a vida cheirava tranquilidade absoluta. Apesar de ser uma época em que já tinham estraçalhado, nos desvãos de uma cadeia pública da vida cidade vizinha, o mestre de balsa por nome Julião. Executado com os mais bárbaros requintes de crueldades após se envolver num assalto. 

         Chegando à cidade, o vô José Delmiro foi direto à casa da Tia Joaquina, uma parenta hospitaleira, que logo indicou onde residia o único dentista da cidade. Na verdade, era um prático. Alguém que, com um alicate à mão se aventura nas dentaduras necessitadas. Mas apensar de ser apenas prático nos serviços odontológicos era conhecido como Doutor fulano de tal. Meu avô não se recorda do nome do tal dentista, mas se lembra de que ele tinha um porte atlético e era muito econômico nas palavras. Chegando ao consultório improvisado nos fundos de um casebre, onde tinha sacos de legumes amontoados, galinha chocando ovos e umas tralhas imprestáveis, o médico o recebeu e foi logo questionando:

     __Há quanto tempo está sofrendo com essa dor de dente?

     __Já vai pra mais de dezoito dias. E já usei de tudo e não teve jeito. Nem o leite de cansanção, que é um ótimo remédio, deu jeito. É uma dor maldita que insiste em não me deixar em paz.

    __Vamos então, examinar esse danado. Disse o dentista em voz branda. 

       Meu avô olhou nos olhos graúdos do velho dentista de barba ruiva e propôs:

    __Você tem coragem de “arrancar” esse dente que está doendo e todos os parentes d´le?

    __Como assim?

    __Quero que você arranque todos os dentes que restam em minha boca. Não quero mais ser vítima desse sofrimento.

    __Não, isto não pode. Você não aguenta. Além do mais é um atentado à saúde. É um crime.

    __Seu doutor, crime é essa dor horrível. Atenda a esse pedido, pelo bem de seus filhos. Não quero mais esse sofrimento. Pago adiantado pelo serviço. Fico aqui na cidade o tempo que for necessário.

    __Tudo bem, se você quer assim, vamos lá.

        E assim aconteceu. Ele ficou mais de duas semanas na cidade; tempo suficiente para deixar a boca de meu avô despovoada. Ficou “banguela”. Algum tempo depois, mandou confeccionar um “par de chapa ” para auxiliar na fala e na trituração dos alimentos.

        Ao relatar esse fato, meu avô, num sorriso largo e bonito, se vangloria do feito; e se duvidarem, mostra a velha e resistente dentadura postiça. E ainda diz que hoje já não se faz dentaduras como dantes.

 

Comentários realizados pelos meus amigos

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

  • Artista Digital
    Boa tarde amiga,faz dias que não consigo postar nada ,no Belas Artes,bjos
  • Top BABPEAPAZ
    BOM DIA...
    A vida pode ficar muito pequena
    quando olhamos para ela com
    o olhar estreito.
    O tédio acontece quando nos afastamos
    da capacidade de nos encantarmos
    com as coisas mais simples do mundo.
    Porque para se estar aqui com
    um pouco que seja de conforto na alma
    há que se ter riso.
    Há que se ter fé. Há que se ter
    a poesia dos afetos.
    Há que se ter um olhar viçoso.
    E muita criatividade.

    Ana Jácomo
  • Top BABPEAPAZ
    Autopsicografia

    O poeta é um fingidor.
    Finge tão completamente
    Que chega a fingir que é dor
    A dor que deveras sente.

    E os que leem o que escreve,
    Na dor lida sentem bem,
    Não as duas que ele teve,
    Mas só a que eles não têm.

    E assim nas calhas de roda
    Gira, a entreter a razão,
    Esse comboio de corda
    Que se chama coração.

    Fernando Pessoa

    fonte: https://www.revistabula.com/522-os-10-melhores-poemas-de-fernando-p...
    Os 10 melhores poemas de Fernando Pessoa
    Leitores e colaboradores apontam os poemas mais significativos de Fernando Pessoa.
  • Artista Digital
    Boa tarde,não consigo postar nada,a rede está com problemas?
  • Artista Digital
    https://storage.ning.com/topology/rest/1.0/file/get/3437325721?prof...
    https://storage.ning.com/topology/rest/1.0/file/get/3437325721?profile=RESIZE_710x
  • Top BABPEAPAZ
    A arte de ser feliz

    Houve um tempo em que minha janela se abria
    sobre uma cidade que parecia ser feita de giz.
    Perto da janela havia um pequeno jardim quase seco.
    Era uma época de estiagem, de terra esfarelada,
    e o jardim parecia morto.
    Mas todas as manhãs vinha um pobre com um balde,
    e, em silêncio, ia atirando com a mão umas gotas de água sobre as plantas.
    Não era uma rega: era uma espécie de aspersão ritual, para que o jardim não morresse.
    E eu olhava para as plantas, para o homem, para as gotas de água que caíam de seus dedos magros e meu coração ficava completamente feliz.
    Às vezes abro a janela e encontro o jasmineiro em flor.
    Outras vezes encontro nuvens espessas.
    Avisto crianças que vão para a escola.
    Pardais que pulam pelo muro.
    Gatos que abrem e fecham os olhos, sonhando com pardais.
    Borboletas brancas, duas a duas, como refletidas no espelho do ar.
    Marimbondos que sempre me parecem personagens de Lope de Vega.
    Ás vezes, um galo canta.
    Às vezes, um avião passa.
    Tudo está certo, no seu lugar, cumprindo o seu destino.
    E eu me sinto completamente feliz.
    Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas,
    que estão diante de cada janela, uns dizem que essas coisas não existem,
    outros que só existem diante das minhas janelas, e outros,
    finalmente, que é preciso aprender a olhar, para poder vê-las assim.

    Cecília Meireles
  • Top BABPEAPAZ
    Silvia fez uma limpeza geral no grupo, porque estava sem espaço, sumiram de todos, bom dia pra vc Elza Querida, beijinho
  • Poetisa e Escritora
    Boa semana Patrizia!
    Eita meus recados sumiram como fumaça,rs.
    Abração com carinho
This reply was deleted.

Meus Amigos (1)

Meus Blogs

Minhas Discussões

Meus Artigos

Minhas Fotos

Meus Vídeos

categorias conquistadas

-Top BABPEAPAZ

A mais pontuada do site

*

- Excelente BABPEAPAZ

300 mil pontos

*

- Muito boa BABPEAPAZ

200 mil pontos

*

Boa BABPEAPAZ

100 mil pontos

 

--------------------------------------------

Estas categorias são atribuidas consoante o numero de pontos ganhos pela participação.

Só tem direito a uma categoria quem atingir os 100 mil pontos.

Quer ser uma Top BABPEAPAZ?

Participe e ganha pontos.

Se não lhe foi atribuida nenhuma categoria.

Participe, ganha pontos e conquista uma.

Recadinhos

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

This reply was deleted.

Últimas atividades

Marlene de Souza Hofer left a comment on Comentários realizados pelos meus amigos
Há 17 horas
Gustavo Antonio Drummond posted a blog post
ontem
Patrizia Gardona left a comment on Comentários realizados pelos meus amigos
ontem
Patrizia Gardona left a comment on Comentários realizados pelos meus amigos
ontem
Patrizia Gardona left a comment on Recadinhos
ontem
Patrizia Gardona left a comment on Top30 Brasil
ontem
Carlos de Campos Teixeira Junior posted blog posts
ontem
Etelvina Gonçalves da Costa left a comment on Comentários realizados pelos meus amigos
ontem
Etelvina Gonçalves da Costa left a comment on Recadinhos
ontem
Patrizia Gardona left a comment on Comentários realizados pelos meus amigos
ontem
Patrizia Gardona left a comment on Recadinhos
ontem
Patrizia Gardona left a comment on Recadinhos
ontem
Patrizia Gardona left a comment on Recadinhos
ontem
MARGARIDA MARIA MADRUGA left a comment on Recadinhos
ontem
MARGARIDA MARIA MADRUGA left a comment on Top30 Brasil
ontem
Francisca de Caldas Menduiña left a comment on Recadinhos
ontem
Alexandre Montalvan posted a blog post
ontem
Arlete Brasil Deretti Fernandes posted a blog post
Quarta-feira
MARGARIDA MARIA MADRUGA left a comment on Top30 Brasil
Quarta-feira
Eri Paiva posted a blog post in Poemagem
Terça-feira
Mais…

Blogs do Portal

Fórum cultural