Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

  • Artista Digital Professora Artista Plástica Poetisa Advogada e Escritora Criadora-BABPEAPAZ

    Natal da gratidão 

    Natal da gratidão Agradeço pela sua presença em minha vida por todo esse ano; agradeço pela seu carinho enviado pelas mensagens edificantes e até aquelas que demos grandes gargalhadas; agradeço pelo seu ombro amigo nos momentos difíceis; agradeço pela sua compreensão na minha ausência, não querida, mas pelas contigências dos compromissos e me escreveu dizendo que sentia muito por isso; agradeço por ter lido os meus trabalhos e aplaudido com seu carinho; agradeço por esse sentimento que nos une: a amizade. Com tudo isso montei minha árvore de Natal e coloquei seu nome nela desejando que o novo ano seja

    abençoado por desafios e vitórias, paz, alegria, saúde e amor, com as bênçãos do aniversariante - Jesus, pois você é o presente lindo que ganhei!

    Ana Maria Pupato

    ***Meus amados, Viajo, domingo, 19 de dezembro, e só volto em 8 de janeiro.

    Ainda não tenho a maravilha do notebook, mas chegarei lá. Sentirei muita saudade, mas sair da rotina é muito bom! Fiquem com Deus e beijos mil!!!!

  • Artista Digital Professora Artista Plástica Poetisa Advogada e Escritora Criadora-BABPEAPAZ

    Natal

    Natal! Tempo de espera e partilha.
    Tempo do advento, tempo de conversão.
    Tempo de paz e alegria entre os homens.
    Tempo místico. . . Abertura do coração.

    Wilson Carlos Roberto
    http://peapaz.ning.com/profiles/blogs/natal-2

     

    Natal. . .
      Natal! Tempo de espera e partilha. Tempo do advento, tempo de conversão. Tempo de paz e alegria entre os homens. Tempo místico. . . Abertura do cor…
  • Artista Digital Professora Artista Plástica Poetisa Advogada e Escritora Criadora-BABPEAPAZ

     

    Do silêncio das Alterosas

    Do pétreo silêncio das Alterosas, onde há mais gravidade que cortezia, JOSÉ ANTONIO JACOB, um dos melhores sonetistas contemporâneos da poesia brasileira, nas suas perfeitas palavras em forma e sentido delicadas, nos fala sobre o NATAL. Como sempre, alcança com elegância e profundidade as contradições que subjazem em uma sociedade indiferente e individualista. Sua poesia é sempre fraterna e permeada por um humanitarismo pleno de equidade, por uma religiosidade sem pieguismo.

    Para vocês:

    NATAL DOS MEUS SONHOS
    José Antonio Jacob

    Se não houver partilha de bondade
    Não há Natal na vida que amenize
    A dor profunda da desigualdade
    Entre os irmãos de casa e de marquise.

    Que o panetone doce simbolize,
    A hóstia suave da afetividade
    E que consagre a paz e realize
    Esse Natal de fato e de verdade.

    De não ter criança pobre numa esquina
    A olhar brinquedos dentro da vitrina,
    Onde Papai Noel vive contente...

    Natal é muito mais, e mais seria,
    Se a gente agradecesse o dia-a-dia
    Que a vida nos concede de presente.

    Marco Bastos
    http://peapaz.ning.com/profiles/blogs/do-silencio-das-alterosas

    DO SILÊNCIO DAS ALTEROSAS
    ´       Do pétreo silêncio das Alterosas, onde há mais gravidade que cortezia, JOSÉ ANTONIO JACOB, um dos melhores sonetistas contemporâneos da poes…
  • Artista Digital Professora Artista Plástica Poetisa Advogada e Escritora Criadora-BABPEAPAZ

    Pintura a óleo "ESPERA"
    Foto e pintura Graça Campos
    http://peapaz.ning.com/profiles/blogs/espera-4

    ESPERA
    Pintura a óleo ESPERA Foto e pintura Graça Campos
  • Artista Digital Professora Artista Plástica Poetisa Advogada e Escritora Criadora-BABPEAPAZ

    É tempo de Natal

    para nosso deleite
    nas casas, prédios, árvores,
    avenidas, parques, lagoa: enfeites!

    a noite está feliz
    crianças ao redor do presépio
    desenham nuvens com giz

    num canto celestial
    vozes agudas, afinadas
    entoam canções de Natal

    volto meus olhos ao menino Jesus
    no presépio
    seu olhar não tem o brilho da luz

    chego mais perto, bem pertinho
    ele chora, ele chora e ninguém vê!?
    Nem as crianças percebem o choro contido do menininho!

    “Dorme em paz oh, Jesus! Dorme em paz oh, Jesus

    Não! Jesus não dorme em paz
    com tanta gente sem comida, morando na rua
    a perpetuação da exclusão, submissão, pobreza e miséria social
    torna-se rastros pelos guetos de sofrimento e dor.

    Não! Jesus não dorme em paz!

    Eu não durmo em paz!

    E você, dorme em paz?

    não está lá do lado de fora,
    está aqui
    dentro
    dentro
    dentro

    Impregnou minh’alma!

    MOREIRA, Vania de Castro. É Tempo de Natal. http://peapaz.ning.com/profiles/blogs/e-tempo-de-natal, 15.12.2010.
    http://peapaz.ning.com/profiles/blogs/e-tempo-de-natal

    É TEMPO DE NATAL
    para nosso deleite nas casas, prédios, árvores, avenidas, parques, lagoa: enfeites! a noite está feliz crianças ao redor do presépio desenham nuven…
  • Artista Digital Professora Artista Plástica Poetisa Advogada e Escritora Criadora-BABPEAPAZ

    Um Natal cor de terra

    Pisar o chão e caminhar,
    seguir o rumo das estrelas,
    plantar sementes de paz,
    semear flores de felicidade,
    regar o que alimenta o corpo,
    respeitar o planeta que nos acolhe.
    preservar o que Deus nos deu.
    criar raízes de amor.
    como as que o Cristo deixou.
    Um Natal de boas colheitas! 

    (Ana Maria Pupato)
    http://peapaz.ning.com/profiles/blogs/um-natal-cor-de-terra

    Um Natal cor de terra
    Um Natal cor de terra Pisar o chão e caminhar, seguir o rumo das estrelas, plantar sementes de paz, semear flores de felicidade, regar o que aliment…
  • Artista Digital Professora Artista Plástica Poetisa Advogada e Escritora Criadora-BABPEAPAZ

     

     

    Natal de Lua na aldeia

     

    Era uma vez uma menininha chamada Lua. Ela tinha quase cinco anos, era saudável e tinha a pele rosada como a manga rosa madura... Gostava de passear em shoppings, comer no Mac Donald’s – ah! O Mac Feliz! - ter sapatinhos parecidos com os de bailarina, bordados com coisas que brilham. Muito educada, alegre, carinhosa, tinha, porém, um grande defeito: gostava de brinquedos muito caros!
    No seu aniversário de quatro anos ela queria muito uma boneca cara demais. Então sua vovó lhe perguntou:
    - Como ninguém pode dar-lhe sozinho esse presente, o que você escolhe? Ganhar vários presentes? Ou todos se juntarem e dar só essa boneca cara para você?
    - Prefiro ganhar só a boneca cara. Ela respondeu.
    O mesmo aconteceu no Natal: ela queria um vestido novo e outro brinquedo caro. Como sua mamãe não lhe pode dar o brinquedo caro demais, comprou outro, que ela podia pagar...
    Lua não se conformou! Chorou, chorou... E, chorando, adormeceu sentida e soluçante. Ela sonhou que foi parar bem longe, numa aldeia de índios que falavam uma língua diferente, bonita. Ela estranhou porque todos andavam sem as roupas que conhecia no seu mundo.
    Era uma aldeia redonda, com uma casa no centro onde só os homens podiam entrar. Caçavam, plantavam, gostavam muito de comer peixe sem qualquer tempero conhecido, apenas um sal feito com as cinzas de uma planta aquática. As crianças corriam no pátio central e as mulheres estavam tecendo rede, fazendo farinha, descaroçando algodão.
    Lua estava um tanto assustada quando, bem perto dela – e muito curiosa – chegou Makaway, com seus cabelinhos brilhantes, pretos e longos. No sonho de Lua, somente Makaway podia entendê-la, dialogar com ela através de uma linguagem mágica. Então a menina perguntou à Lua:
    - Menina, como é o seu nome?
    - Lua. Ela respondeu. E o seu?
    - Makaway...Por que você está chorando tanto?
    - Porque eu não ganhei vestido novo para o Natal!
    - Vestido? Natal? O que é vestido? Natal?
    - Vestido é isso que está cobrindo meu corpo...
    - Ahhh!! Eu nunca tinha visto uma menina assim com o corpo todo escondido...Você tem algum problema no corpo? Por que está com essa coisa esquisita?
    E Lua lhe respondeu que lá, onde mora, todas as meninas andam sempre assim. Que uns vestem tecidos caros, outros chitões, dependendo se for rico ou pobre...
    - Rico? Pobre? Eu não sei o que é isso. Aqui nós andamos com nossas pinturas, nossos enfeites, que todos têm. Disse Makaway.
    De fato, o seu corpo estava todo pintado com uma tinta escura, formando figuras diferentes e na testa um traço largo de uma tinta cheirosa e avermelhada. E Lua, olhando em volta, viu que os homens traziam faixas de algodão nos joelhos, braços, cintura. E nos cabelos bem aparados, uma tinta avermelhada. E as mulheres estavam pintadas e adornadas também com faixas de algodão. Olhou para si e, pela primeira vez, sentiu-se muito diferente!
    - Vamos brincar? Perguntou-lhe Makaway.
    - Vamos! Cadê as bonecas? Os quebra-cabeças? As bicicletas?
    - Eu não sei do que está falando, Lua. Nós aqui brincamos de correr, com brinquedos de palha, temos nossos joguinhos, correr atrás de borboletas...mas gostamos mesmo é de banhar no rio!
    - E o que vocês comem?
    - Mel, peixe, beiju, paca, frutos do mato e os que plantamos...um monte de coisas! Respondeu Makaway.
    Havia chovido e no céu tinha um lindo arco-íris. Então Makaway disse a Lua:
    - Sabe? Lá na ponta desse arco-íris tem um pote onde está guardado um lindo colar de caramujo!
    - Caramujo? Não sei o que é...Eu nunca vi um. Disse Lua.
    O sol já estava alto quando Lua acordou com a campainha do telefone, que tocara forte. E ficou feliz quando viu em volta seus brinquedinhos, até os mais simples e velhinhos. Vestiu seu vestido para o almoço de Natal sem reclamar da vida porque já era usado...E repensou seu jeito de ser, pois aprendera que a vida pode ser alegre de outro jeito!


    Edir Pina de Barros
    http://peapaz.ning.com/profiles/blogs/natal-de-lua-na-aldeia

    NATAL DE LUA NA ALDEIA
    Natal de Lua na aldeia Era uma vez uma menininha chamada Lua. Ela tinha quase cinco anos, era saudável e tinha a pele rosada como a manga rosa madura…
  • Artista Digital Professora Artista Plástica Poetisa Advogada e Escritora Criadora-BABPEAPAZ

    Natal

    É incitação de paz.
    Nascer de uma esperança.
    Um sorriso de criança

    Corações a se comemorar
    Num estender das mãos.
    Um abraço e possível união.

    Uma luz que vem do horizonte
    Faz-se aqui presente.
    O amigo! Que assim fique para sempre

    Elio Cândido de Oliveira 12/12/2010
    http://peapaz.ning.com/profiles/blogs/natal-1 ;

  • Artista Digital Professora Artista Plástica Poetisa Advogada e Escritora Criadora-BABPEAPAZ

    Minha árvore de Natal

    Na minha árvore de Natal,
    pendurei enfeites brilhantes...
    Sua guia é o original
    cometa de amores gigantes...

    Em seus galhos, luzes de estrelas:
    felicidade, fé e bondade...
    Pela janela, posso vê-las...
    É o meu sonho p´ra humanidade.

    Mardilê Friedrich Fabre
    Respeite os direitos autorais.
    Foto: Mardilê Friedrich Fabre
    http://peapaz.ning.com/profiles/blogs/minha-arvore-de-natal

    Minha Árvore de Natal
    Na minha árvore de Natal, pendurei enfeites brilhantes... Sua guia é o original cometa de amores gigantes... Em seus galhos, luzes de estrelas: fel…
This reply was deleted.