DIAMANTE BABPEAPAZ

3542126796?profile=original3542126796?profile=original3542126796?profile=original3542126796?profile=original3542126796?profile=original3542126796?profile=original3542126796?profile=original

 3542126628?profile=original3542126732?profile=original

Tertúlia Poética a partir de imagens natalinas!

Utilize, também, outras imagens.

Publique POEMAGENS.

Criatividade LIVRE

Participação LIVRE

VAMOS À FESTA DE NATAL DA PEAPAZ!

- Publicações até o dia 25 de dezembro de 2011 -

3542126824?profile=original3542126796?profile=original3542126796?profile=original3542126796?profile=original3542126796?profile=original3542126796?profile=original3542126796?profile=original3542126796?profile=original

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    3542753325?profile=original

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    3542753713?profile=original

  • DIAMANTE BABPEAPAZ
    123Friendster.Com
  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    3542753754?profile=original3542753734?profile=original

  • DIAMANTE BABPEAPAZ
    123Friendster.Com
  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    3542753500?profile=original3542753550?profile=original

    •  

      SERÁ NATAL AINDA?

       

      A tua luz já não brilha quente

      Nos meus olhos frios;

      Já não fico frenético de alegria

      Quando se aproxima o teu dia;

      O odor que se desprende dos fritos

      Já não tem o cheiro de outrora,

      Mesmo quando a canela polvilha

      Coscorões, filhoses e sonhos…

      Já não aquece da mesma maneira

      O fogo que refulge

      Sob o fundo das panelas ao lume

      Porque já não há trempe, nem lareira…

      Nem o braseiro que acolhia ao seu redor

      Os corpos irmanados na conjugação

      Do verbo infinito do amor!

       

      Estremeço ao adorar o Presépio mudo

      Erguido no chão frio num canto da sala…

      Falta-lhe a luz frágil duma candeia pobre

      Feita na casca rica dum caracol!

      E a iluminação que irrompe do pinheiro

      Artificial

      Reflete a luz na decoração colorida

      Para tornar-se enfadonha

      Pela cadência repetitiva dum mecanismo eletrónico!

       

      As paredes gritam enfeites,

      Anunciam circunspetos momentos de paz,

      De concórdia, de partilha…

      Em cada janela anuncia-se o tempo novo,

      Como slogan publicitário artificial, quase velho!

      Em cada montra derrama-se a abundância

      Que atropela a indigência!

      Projeta-se a fartura dos sentimentos nobres

      Na azáfama de palavras de soberba que falam de pobres!

       

      Construímos montanhas de luz

      Para que as possamos ver ao longe

      Sem necessidade de estarmos próximos;

      Mandamos mensagens com palavras muito belas,

      Utilizando palavras muito valiosas,

      À maneira de incenso, mirra e ouro

      A vaticinar desejos e ambições fartas.

      E deixamos nos baús velhos e bolorentos

      Os abraços que aquecem,

      Os beijos que emocionam,

      E as sensibilizantes trocas de olhares e sorrisos

      Fazendo de conta que passaram de moda.

       

      Já não falamos de viva voz

      A gratidão que nos alaga a alma…

      Enviamos sms gratuitas, com imagens e gifts…

      E porque as palavras escritas

      Sobrevivem para além do tempo curto

      Da escrita e da leitura,

      Mas pedem dedicação por uns breves minutos

      Do nosso tempo precioso,

      Digitamos e-mails pré-fabricados,

      Que enviamos para uma lista imensa de gente

      A maior das vezes desconhecida…

       

      Carregamos sacos de presentes com laçarotes lustrosos

      E desperdiçamos a nossa imaginação para descobrir

      Secretamente a melhor prova de que não esquecemos

      Ninguém…

       

      Esquecemos quase sempre a maior aventura

      E a melhor ventura que nos cerca:

      As pessoas, elas mesmas e só elas!

       

      E quando nos esquecemos delas

      Esquecemo-nos de nós

      E o presépio singelo, artesanal, infantil

      Fica ali, em exposição silenciosa,

      Mostrando sem alardes ou vaidades

      A beleza maior dum tempo único:

      A simplicidade e a vida!

       

      Ah, como é bela e grandiosa

      A fragilidade doce

      Daquele menino semi-nu,

      Rodeado de pastores e animais mansos,

      Honrado pela visita majestosa

      De sábios súbditos da perseverança,

      E amado e acolhido por um Pai presente

      E por uma Mãe constante!

       

      Que estrela aquela!

      Que Luz tão mais bela!

      Que Natal ainda nos espera?!

       

      Fecho os olhos húmidos que já não sustêm

      A comoção que turva a luz

      Que os ilumina…

      Uma lágrima teimosa desce

      Lavando a face que o tempo tisnou!

       

      Apetece-me o Natal!

      Como me apetece um abraço amigo,

      Um beijo feliz,

      Uma palavra perfumada,

      Ou um simples silêncio de gratidão!

       

      Mas onde o posso voltar

      A encontrar?

       

      Em 06.Jan.2010, pelas 23h00

      PC

  • DIAMANTE BABPEAPAZ
    123Friendster.Com
  • DIAMANTE BABPEAPAZ

     

    3542753581?profile=original

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

     123Friendster.Com

This reply was deleted.

Página de Comentários

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

  • DIAMANTE BABPEAPAZ
    Belos momentos, em que a inspiração dos peapazianos transbordava em nossas páginas. Recuperaremos aquele enlevo no Portal BABPEAPAZ.
This reply was deleted.
Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –