Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

  • PRATA BABPEAPAZ

    Mário Osny Rosa
    MOR

    O Professor do ensino primário
    Lá na dinastia japonesa.
    Não faz reverência ao Rei
    É a pessoa e bem remunerado.

    Ele estaria no mesmo nível
    Por representar sua majestade.
    Mostrando o valor do professor
    Se no Brasil tivesse a mesma ética.

    Que sabe nosso ensino
    Atingisse o nível ideal.
    Primasse pelo mínimo
    Como educação nacional.

    Qual seria o legislador
    A propor tal ação.
    Que tivesse o grande amor
    Em favor da Nação.

    São José/SC, 10 de outubro de 2010.
    www.poetasadvogados.com.br
    www.mario.poetasadvogados.com.br
    mosnyoiram@gmail.com
    **************************
    Respostas a este tópico

    Mônica do S Nunes Pamplona em 13 outubro 2010 at 2:26:
    Seu poema traz à tona um dos maiores problemas no Brasil, a EDUCAÇÃO.
    Todo professor é digno de respeito e boa remuneração. Haja visto que o futuro do país depende, e muito, de um aprendizado sem descriminação. O profissional tem que ter incentivo para um bom desempenho, infelizmente nossos "funcionários" governantes pensam diferente.
    Bjss

  • TOP BABPEAPAZ

    Ao mestre, com carinho!

    Em teu trabalho humanista,
    Semeias a terra que é a alma do aluno,

    Cuidas das sementes que eclodem ao sol
    De tua orientação.

    Com alegria, vês a planta brotar,
    És calor e vento, chuva e ar.

    Acompanhas tua obra-prima,
    Com dedicação.

    Favoreces e aperfeiçoas,
    Com lágrimas, muitas vezes,

    Outras, com suavidade ou energia,
    Mas sempre, com amor.

    Muitas vezes, és incompreendido,
    Outras vezes, não és reconhecido,

    Mas ajudas a formar todas as gerações!

    Arlete Brasil Deretti Fernandes

    ************************************
    Respostas a este tópico

    Marcial Salaverry em 11 outubro 2010 at 11:34:
    Dedicando aos queridos mestres uma doce recordação, certamente alegrará a todos,
    estejam ainda entre nós, ou não...
    Beijos poéticos, Marcial
    Dedicando aos queridos mestres uma doce recordação, certamente alegrará a todos,
    estejam ainda entre nós, ou não...
    Beijos poéticos, Marcial

    Manuela Maria Freitas Vieira em 17 outubro 2010 at 8:01:
    Arlete
    Bela dedicatória aqueles que se dedicam de alma e coração.
    Parabéns!

  • PRATA BABPEAPAZ

    Alguém inesquecível
    Marcial Salaverry

    Durante toda nossa existência sempre existiram pessoas que de uma maneira ou de outra marcaram nossa vida.
    Algumas por terem sido aquele alguém que julgávamos ser quem amaríamos até o fim, mas que foram breves episódios, mas mesmo assim deixaram certas marcas. Outras, por nos terem prestado alguma ajuda decisiva em certos momentos de nossa vida, ficaram para sempre registradas em nossa memória naquela cantinho das boas recordações.
    Certamente houve algumas que nos fizeram algum mal, prejudicando nossa vida de uma forma qualquer. Quanto a essas, melhor esquecê-las, porque não vale a pena rememorar certas personagens desagradáveis. Más lembranças... melhor olvidá-las...
    Obviamente cruzei com todo tipo de pessoas em minha vida. De muitas, sequer recordo. Para que? Talvez para lembrar de algo a nunca ser repetido...
    Contudo, de muitas outras, guardo lembranças muito agradáveis. São o que se pode chamar de “Tipos Inesquecíveis”. Dentre essas, quero destacar uma figura, que posso dizer sem ferir quaisquer susceptibilidades, ter sido a grande responsável por eu ser hoje quem sou.
    Seu nome é Rosina Pastore.
    Foi minha professora no então “Quarto Ano Primário”, e depois no “Curso de Admissão ao Ginásio”. Anos de 1950 e 1951. Uma fase muito turbulenta de minha vida.
    Por razões que não vale a pena lembrar, minha família estava desagregada. Cada qual estava por um lado. Morava com minha mãe e uma irmã 2 anos mais velha, num quarto de pensão na Rua Martim Francisco, em São Paulo, e estudava no Grupo Escolar Arthur Guimarães, na Rua Jaguaribe. Eu fazia parte de uma turminha “da pesada”, com tudo encaminhado para cair na marginalidade. Como sempre fui grande e bom de briga, era o líder de uma turminha de micros marginais. Entre outras façanhas, costumávamos praticar pequenos roubos nas lojas do Largo do Arouche.
    Numa dessas incursões, Dna. Rosina nos viu e, usando de sua autoridade, convenceu-nos a devolver as coisas para o lojista, e resolveu iniciar um longo trabalho comigo, por ter acreditado que meu futuro poderia ser bem melhor do que aquele que se estava delineando.
    Jamais poderei esquecer as conversas que ela fazia questão de manter comigo após as aulas...
    Foi essa a condição para não me expulsar da escola pelo que eu vinha fazendo. Nessas conversas, ela me mostrava a diferença entre ser uma pessoa de bem, e ser um malandro otário.
    Fez-me entender que as possibilidades que se abririam com minha mudança de atitude, poderiam me proporcionar um futuro melhor.
    Teve, enfim, toda a paciência e discernimento para me explicar uma série de coisas, dando-me lições de vida que jamais esqueci, cumprindo com sabedoria enorme o que ela resolveu se propor, ou seja, transformar-me em alguém na vida.
    Aproveitei todos os seus ensinamentos. Devo a ela ser o que sou, pois naquela época, não poderia contar com minha família. Praticamente vivia por minha conta. Já estava pensando em parar com os estudos para ficar apenas “com a turminha”. Num ligeiro preâmbulo, apenas acrescento que nenhum daqueles escapou. Todos viraram bandidos. Possivelmente esse seria meu caminho, não fosse a paciência e pertinácia de Dna. Rosina Pastore.
    Jamais esquecerei sua figura, seu rosto doce e severo ao mesmo tempo, e nem tampouco de seus ensinamentos, e aproveito esta oportunidade para aqui render meu preito de homenagem a ela, e através dela a todos os professores e professoras que sempre procuram suprir junto aos alunos em que percebem algum potencial, as carências familiares, que por uma razão ou outra quase todas as crianças sentem... E que a sensibilidade e o carinho com que forem orientadas poderá traçar novos rumos em suas vidas.
    E se, por acaso, algum descendente da mestra Rosina Pastore, ler este artigo, apenas digo que sinta muito orgulho desse figura para mim INESQUECÍVEL. Obrigado, querida Dna. Rosina.
    ******************
    Respostas a este tópico

    Sandra Galante em 13 outubro 2010 at 14:05:
    Que lindo...adorei!
    Bjosss

    Marcial Salaverry em 13 outubro 2010 at 20:39:
    Levo a imagem da inesquecível Profe Rosina sempre em meu coração...
    Beijos poeticos,
    Marcial

    Sandra Galante em 13 outubro 2010 at 20:43:
    Que bom, pois ela fez por merecer o seu coração.bjos

    Silvia Ferreira Lima em 14 outubro 2010 at 16:55:
    Marcial; sua história é emocionante. É, sempre temos alguém que funciona como anjo em nossa vida!
    Para mim, inesquecível, sempre foi o meu pai. Bem, em geral, as meninas admiram e amam seus pais, como verdadeiros deuses. Meu pai ainda está vivo, mas a imagem mais forte que tenho dele em minha vida, é de quando eu tinha cerca de quatro anos. Estávamos passeando na calçada e um cachorro avançou para cima de mim. Meu pai não se fez de rogado, colocou sua mão direita na minha frente e acabou levando uma mordida. Bem, a mordida sarou, mas a imagem forte e corajosa que me protegeu num momento em que eu era tão pequena e frágil marcou todos os anos que se seguiram.
    É difícil superar esta imagem corajosa e destemida do meu pai. Sempre foi e sempre será insuperável.

    Marcial Salaverry em 14 outubro 2010 at 20:39:
    A coisa mais linda que existe, é termos essas boas recordações de episódios que marcaram minha vida...
    Esse episódio com a Profª Rosina tem quase 60 anos, e ainda me recordocom nitidez do jeito dela falando comigo. É uma marca que não se apagará jamais....
    Beijos poeticos, Marcial

  • PRATA BABPEAPAZ

    Não escolhi ser professora... foi o destino...

    Afinei os meus ouvidos
    ao som das harpas divinas,
    onde, talvez, se escondessem,
    os passos do meu fadário!

    Busquei em tantos caminhos,
    suguei a seiva do chão,
    soprei chuva ao paraíso
    e desfiz-me à ilusão!

    Ao procurar no destino,
    os dons que em mim se escondiam,
    perdi-me nas flores vermelhas,
    dos verdes mares ao céu!

    Nada, em nada, servia,
    fadada estava ao vazio...
    e ao buscar meu paraíso
    sorvi fel num doce inferno!

    Tantas maçãs me ofertaram,
    tantos figos e amoras,
    mas, na boca inda tão jovem,
    o amargor fez-se pecado!

    Persisti, sempre incansável,
    à procura do infinito,
    que seguiria finita,
    sem a dor – desilusão!

    Fui pintura e som intenso
    e ao canto dos passarinhos
    fui chamada de poeta,
    na mais vil das expressões!

    Audaz, enfim, afrontei
    as bruxas do meu castelo
    e atirei-me toda inteira,
    às leis da vida em repouso!

    Aproveitei cada som
    e amei a cada palavra
    o respeito afortunado,
    que aos Mestres soube ofertar!

    Admirei cada sonho,
    entreguei-me em corpo e alma,
    levando os sonhos de lágrimas
    prás fontes do meu futuro!

    De tanto ouvir em silêncio,
    por tanto medo de errar,
    cansei os ossos e os poros,
    mas vibrei na oração!

    Fui menina. Fui mulher.
    Fui caloura. Fui aluna.
    Fui soluço. Fui estudo.
    Fui vitória, em ascensão!

    Tempos depois, fui levada,
    pelas mãos do meu destino,
    a penetrar numa sala,
    cheia de gente sorrindo.

    Fui entrando, devagar,
    tão feliz e, sem tremores,
    não sei bem como explicar,
    ali, comecei a ensinar...

    Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz

  • PRATA BABPEAPAZ

    Ser professor é mais que profissão,
    é na verdade uma vocação,
    quando é usado o coração...
    Marcial Salaverry

  • PRATA BABPEAPAZ

    Esquecer jamais podemos,
    aqueles que nos ensinaram
    tudo o que sabemos...
    Marcial Salaverry

  • PRATA BABPEAPAZ

    Dia dos Professores
    Marcial Salaverry

    Professor, é aquela criatura, que sempre nos desperta para a vida...
    Seja como for, sua lembrança para sempre perdura, sendo sempre uma recordação querida...
    Receba esta homenagem tão merecida...
    Professor, quem não tem no escaninho da memória, uma doce lembrança de um gesto de carinho, aquele apoio num momento de incerteza, aquele aplauso por um trabalho bem feito,
    aquela bronca dada na hora certa...
    Muitas vezes um autentico segundo pai, ou segunda mãe...
    Quanto devemos aos professores que passaram por nossa vida...
    Professores, doces lembranças de um tempo feliz...
    Doces recordações de nossos mestres queridos...
    Lembranças de um passado, que ficam para toda a vida...
    Lembrando de meus professores, dos mestres que tanto me incentivaram, que tanto me orientaram, deixo registrado meu carinho a todos os professores que não conhecem
    limites para levar a cabo sua nobre missão.
    Dia do Professor... Tudo que se fizer para homenageá-los, pouco será..
    Mais que uma profissão, é uma missão, realizada com devoção...
    São eles que nos preparam para a vida, muitas vezes nos indicando o rumo certo, quando queremos entrar por algum desvio.... Eu que o diga...

    Respostas a este tópico

    Arlete Brasil Deretti Fernandes em 11 outubro 2010 at 1:09:

    Querido Marcial. Belo texto, bela homenagem aos professores. É maravilhoso receber de um aluno tão bonitas e verdadeiras palavras, que sintetizam o que os nossos mestres fazem por nós, com tanta dedicação e amor. Tudo isto partiu de teu coração grato. Mesmo com a falta de valorização que os governos em geral oferecem aos professores, esta profissão é das mais humanitárias. Pela amizade, pelo carinho, pela orientação que damos aos nossos alunos e que também recebemos em troca. Beijos, querido poeta! Parabéns!

    Marcial Salaverry em 11 outubro 2010 at 9:27:

    Minha querida, não me canso de repetir que o que sou hoje, devo a alguns dos professores que tive em minha vida, entre as quais destaco o Prof. Pina, o Prof. Panadés, e a inesquecível Profª Rosina Pastore, que meu deu o apoio certo, quando eu mais precisava... Aos professores, minha eterna gratidão. Beijos poéticos, Marcial

This reply was deleted.