Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

  • PRATA BABPEAPAZ

    Ao alvorecer deste Dia dos Namorados ofereço-lhes um poema de amor eterno, único e inconfundível. Um amor nascido ao gorjeio dos pássaros, ao marulhar das ondas do oceano, ao lusco-fusco que adormece as estrelas e que ultrapassa as barreiras do tempo, a alimentar-se da Vida e a transcender a Morte. Um amor que convive harmoniosamente com a sedutora paixão. Na realidade, um amor que não (re)encontrei para além do eu-lírico que me habita, mas que se encontra em algum lugar do Cosmos a assinalar as vias do meu destino. E, por ser idealizado ao sabor de ímpetos poéticos, nomeio-o "Poeta-deus... meu namorado eterno". Sem quaisquer conotações religiosas, neste poema refiro-me a um poeta-deus e não a um deus-poeta.

    Busco nos fragmentos de papiros celestes
    o ghazal perdido – poema lírico de ti
    ao desmaio das cores refletidas no tempo.

    Encontro-o salpicado a ouro e cada versículo
    emoldura-se ao arrebatamento das paixões
    que ultrapassam o anseio dos milênios.

    Nem mesmo o céu removerá de ti o meu amor.

    Tatuado em desalinho és a marca do destino em mim.

    Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz

This reply was deleted.