DIAMANTE BABPEAPAZ

Ao luar

Ao luar

Em banho principesco a deleitar dolente,
Luar em alma e cor – sou beijo rouxinol...
És barco em despedida, és choro à luz poente,
Em banho principesco a deleitar dolente.
Conquisto aroma em flor, amor efervescente
E abraço em braço cruz o céu em tom bemol.
Em banho principesco a deleitar dolente
Luar em alma e cor - sou beijo rouxinol...

Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz
Rio de Janeiro, 28 de setembro de 2012 – 2h16
*** Em minhas pesquisas não encontrei um literato que
limitasse o número de sílabas métricas de cada verso, no Triolé.
Os que li, nem citam a métrica a ser usada.
Por tal motivo, este meu poema realiza-se em versos alexandrinos.

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

This reply was deleted.