Muito bom BABPEAPAZ

Saudade anônima

Saudade anônima

Persiste no meu peito em flor saudade,
o ardor de um amargor... ah! dor intensa!
Se um dia ao teu olhar fui só deidade,
saudade és em mim, por recompensa!
Transmuta em mente eunuca, que nem pensa,
esta aflição fervor, ansiedade!
Persiste no meu peito em flor saudade,
o ardor de um amargor... ah! dor intensa!
E vão-se estrelas, luas – crueldade,
ausência que distende em luto e ofensa,
um nome que não sei – (hilaridade!)
O anônimo que choro em dor incensa,
persiste no meu peito em flor saudade...
Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz
Rio de Janeiro, 5 de julho de 2010 – 14h33

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

  • Um inspirado e belíssimo rondel!

    Parabéns!

    Abração com carinho

This reply was deleted.