DIAMANTE BABPEAPAZ

A


A
A Lua de Pandora em si faz-me nativa.
Avoco-lhe na forma u’a natureza humana,
Alma incomum silente em corpo esplendoroso.
Ao coito dissonante, arranco-te o segredo,
Amargas tudo em mim, achego-me ao teu fim.
Asperges teu veneno ao espaço sacrossanto,
Amputo teu pecado e dou-te meu perdão!

Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz
Rio de Janeiro, 9 de agosto de 2010 – 5h19

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

This reply was deleted.