DIAMANTE BABPEAPAZ

Cordel da Amarração [Galope à beira mar nº 2]

Cordel da amarração

Eu vô resorvê meus amô duma veiz...
Fiel às treis alma - de amor que morrero,
morrero afogada, enforcada morrero.
Ajunto mais treis, que no agora são seis
e vão apertar coração duma veiz.
- São treis apertada que deixam sem ar,
são treis beliscões e mais três badalar.
Faz tudo iscondido, não quero o sarado,
não durma o danado, que fique acordado
CORRENDO A GALOPE NA BEIRA DO MAR.

Desmanche otro amô, que não tenha sossêgo...
Eu quero esse amô bem inteiro prá mim,
num quero bebida, só quero jasmim.
Que arda di fome, que não tenha emprego
Que em tudo se apronte pro meu aconchego.
- Agora abro a porta e não posso errar,
o pé bato firme, treis vezes prá amar.
Que a vida lhe seja infeliz dimontão,
enquanto não vorte prá mim qual então
CORRENDO A GALOPE NA BEIRA DO MAR.

Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz
Rio de Janeiro, 18 de junho de 2012 – 2h58
Galope à beira mar

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas