Muito bom BABPEAPAZ

Fim da Vida

Fim da Vida

Que veredas são essas,
onde as árvores se cortam num abalo brusco,
onde a chuva se nega a matar minha sede
e o sol desistiu de enxugar meu pranto?

Que veredas são essas,
onde o ar esfria e esquenta e gela e morre,
onde meu rosto se desfaz em estrume
e a crueldade se apossa de mim contra mim?

Que veredas são essas,
onde a Terra se vai e se esvai em tristeza,
onde a flora despida se aninha de medo
nos braços da fauna estribada no horror?

Que veredas são essas?
Há caminhos de fim nessas eras e matas!
Que desastres são esses?
Há maldade sem grito e agonia no ar!

Se me nego eu e te negas tu a obrar,
o extermínio vem e nos cala, em silêncio...

Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz

Cabo Frio, 7 de junho de 2009 – 23h29

Fundo Musical: Frederic Chopin. Tristesse
Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

  • Aplausos para arte e poesia,querida Silvia!133502281?profile=RESIZE_710x

     

This reply was deleted.