Poetisa e Escritora

Os mistérios da noite

Os mistérios da noite

Noite escura e silenciosa,
Ouço o bailado suave de uma folha que cai.
Os mistérios da escuridão passeiam de galho em galho,
De astro em astro, nas órbitas siderais.

Mais adiante um pássaro noturno pia,
Uma ave corta veloz os ares.
O boitatá lança labaredas ao longe,
a mula sem cabeça e o saci-pererê saem correndo.

A coruja, na caça aos ratos, que deixam
Na urina fluorescente seus rastros.
Ao capturar sua presa, para o alto retorna
E novamente põe-se a espreitar.

Recolho-me ao meu recinto.
E o tic-tac do relógio no silêncio do quarto,
Parece-se com um carrilhão.
Uma lagartixa corre a parede em diagonal.

Da janela agora aberta, vejo no espaço sideral
Milhares de pontos brilhantes. A nuvem escura recuou.
E o borborinho dos pequenos seres, ouço agora.
Uma rã coacha e formigas surgem do nada.

Quem sou, quem fui, onde estou?
Pus-me a subir e lá de cima enxerguei.
Nuvens algodoadas e mares imensos.
- Quem sou eu, neste universo sem fim?

Arlete Deretti Fernandes

♥David Garrett. Nocturne - Chopin♥

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

  • Poetisa e Escritora

  • Poeta e Escritor

    Questional, o poema busca explicações interiores e exteriores ante um universo enigmático. Transcendental ! Bravooooooooo ! 

  • Poetisa e Escritora

    Amada Silvia.

    Muito agradecida por completar o meu poema com teu comentário tão belo e profundo.

    Beijosssssss

    Arlete.

  • Muito boa BABPEAPAZ

    Poema de inquirição filosófica. Compreender a relevância da própria vida quando inserida no contexto universal é a pedra de toque dos filósofos, através dos tempos. E, pelo que me parece, dos poetas conscientes, também. Aliás, deve-se reconhecer, a Poesia faz par à Filosofia. Como sempre, da tua verve poética, um poema reflexivo. Belo. Beijossssssssssssss

This reply was deleted.