“ANENCEFALIA” SEM CÉREBRO”, UM CASO REAL EXPLICADO PELO ESPIRITISMO.”

Mais grave que a microcefalia seria a anencefalia. Lembremos que anencéfalo, embora seja considerado um ser sem cérebro, na realidade é portador de um segmento cerebral – faltam-lhe regiões do cérebro, o que impossibilitará uma sobrevivência prolongada pós-parto.

A fim de colocarmos a visão espírita acerca desse importante problema, exemplificaremos com um caso real e usaremos nomes e local fictícios.

João e Maria eram casados há dois anos. A felicidade havia batido à sua porta. Maria estava grávida. Exultantes, procuraram o médico Obstetra para as orientações iniciais. Planos mil ambos estabeleceram.

Ao longo dos meses, no entanto, foram surpreendidos, por meio do estudo ultrassonográfico, pela triste notícia de que seu bebê era anencéfalo.

Ao serem informados, caíram em prantos ao ouvirem a proposta do Obstetra propondo-lhes o abortamento. Posicionaram-se contrários explicando sua visão espírita.

- Trata-se de um ser humano que renasce precisando de muito amor e amparo. Nós estaremos junto com nosso filho (a) até quando nos for permitido.

- Mas, esta criatura não vai viver além de alguns dias ou semanas na incubadora, disse o Obstetra.

- Estamos cientes, mas até lá seremos seus pais, amaremos este bebê.

Guardavam, também, secretamente, a esperança de que houvesse algum equívoco de diagnóstico que lhes proporcionasse um filho saudável.

Durante nove meses dialogaram com seu bebê, intraútero. Disseram quanto o amavam. Realizaram, semanalmente, a reunião do Evangelho no Lar, solicitando aos Mentores a proteção e o amparo ao ser que reencarnava.

Chegara o grande momento. Em trabalho de parto, Maria adentra a maternidade com um misto de esperança e angústia. A criança nasce. O pai, ao ver o filho, sofre profundo impacto emocional, tendo uma crise de lipotimia.

O bebê anencéfalo sobrevive na incubadora, com oxigênio, 84 horas. Há um triste retorno ao lar. O casal, com o coração espiritual sangrando, arruma as malas olhando um berço vazio.

Passam-se, aproximadamente, dois anos do pranteado evento. João e Maria, trabalhadores do Instituto de Cultura Espírita de sua cidade, frequentavam na mencionada Instituição, reunião mediúnica, quando uma médium em desdobramento consciente informa ao coordenador do grupo:

- Há um espírito de uma criança que deseja se comunicar. Percebo nitidamente sua presença agradável e luminosa.

- Que os médiuns facilitem o transe psicofônico para atendermos este espírito, responde o dirigente.

Após alguns segundos, uma experiente médium dá a comunicação:

-Boa noite, meu nome é Shirley. Venho abraçar papai e mamãe.

- Quem são seu papai e sua mamãe?

-São aqueles dois - disse apontando João e Maria.

-Seja bem vinda Shirley, muita paz! Que tens a dizer?

- Quero agradecer a papai e a mamãe todo o amor que me dedicaram durante a gravidez. Sim... Eu era aquele anencéfalo.

-Mas você está linda e lúcida, agora.Graças às energias de amor recebidas,  graças ao Evangelho no Lar, que banharam meu corpo espiritual durante todo aquele tempo.

-Como se operou esta mudança?

-Tive permissão para esta mensagem pelo alcance que a mesma       poderá ter junto a outras pessoas. Eu possuía meu corpo espiritual   muito doente, deformado pelo meu passado cheio de equívocos.

Após breve pausa continuou.

-Fui, durante nove meses, envolvida em luz, a luz do amor de meus pais. Uma verdadeira cromoterapia mental que, gradativamente, passou a modificar meu corpo astral (perispírito). Os diálogos que meus pais tiveram comigo foram uma intensa educação pré-natal e muito contribuíram para meu tratamento. Eu expiei, no verdadeiro sentido da palavra. Expiar é como expirar, colocar para fora o que não é bom. Eu drenei as minhas deformidades perispirituais para meu corpo físico e delas fui me libertando.

- Estamos felizes por você estar se comunicando com seus pais...

- Como meus pais foram generosos! Meu amor por eles será eterno.

- Por que estás na forma de uma criança, já que te expressas tão inteligentemente?

- Porque estou em preparo para o retorno. Dizem meus instrutores que tenho permissão para informar e, sobretudo, meus pais têm o merecimento de saber. Devo renascer como filha deles, normal, talvez no próximo ano.

- Após dois anos, renasceu Shirley, que hoje é uma linda menina de olhos verdes e cabelos castanhos, Espírito suave e encantador.

Conclusões:

1-    O Espírito inicia seu processo de reencarnação no momento da fecundação, portanto o embrião é um Ser Espiritual com um planejamento reencarnatório a cumprir, envolvendo, também, os familiares.

2-    O microcéfalo assim está por lesões nas matrizes do corpo espiritual, são inúmeras as causas, não devemos rotular  apressadamente, nem julgar, pois cada caso tem uma  origem diferente.

3-    A opção pelo aborto prejudicaria a todos os envolvidos, pai, mãe, médico, paramédicos e familiares que participem conscientemente da indicação do ato.

4-    O grande prejudicado seria o Espírito abortado que perde uma grande oportunidade de drenar energias, reequilibrar  em seus campos morfogéticos em desarmonia.  Uma vez abortado poderá sofrer muito e reagir de diversas maneiras conforme seu nível evolutivo.

5-    Pelo conhecimento baseado nas informações espirituais, alicerçadas no critério da universalidade de informações ( inúmeras fontes mediúnicas), utilidade e racionalidade não é recomendável o aborto do microcéfalo.

6-    Microcéfalo ou anencéfalo, em gestação, são irmãos nossos que necessitam de banhos energéticos de  amor.

 

Seminários espíitas  rhdb11@gmail.com

Bibliografia;

Livro do s Espíritos FEB

A Gênese FEB

Missionários da Luz – André Luiz / Chico Xavier FEB

Evolução em dois Mundos -  André Luiz/ Chico Xavier FEB

O consolador Emmanuel /Chico Xavier FEB

Gestação sublime Intercâmbio. Ricardo di Bernardi  Intelítera

 

Fonte: Medicina e Espiritualidade

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas