Imagem: Google

Tema: Fé

Forma literária: Conto e/ou Poema Minimalistas

LITERATURA MINIMALISTA: os autores minimalistas utilizam o mínimo possível de palavras.

Um poema minimalista é o mais enxuto possível, apelando para figuras de linguagem e com um título de natureza metafórica, que induza o leitor a tentar relacioná-lo com o conteúdo, de preferência um substantivo sozinho, sem acompanhamentos. Normalmente, não ultrapassa sete versos.

O conto minimalista caracteriza-se pela economia de frases, compondo-se a história em menos de uma página e, quando possível, em apenas um parágrafo.

A linguagem minimalista compõe-se de verbos e substantivos como núcleos do conteúdo temático, sem a presença de adjetivos ou advérbios. Trata-se, evidentemente, de um poema/texto “seco”, sem ornamentos. Os autores minimalistas preferem sugerir contextos a ditar significados. Efetuam dicas e insinuações, ao invés de representações diretas.

ORIENTAÇÕES:

 

1- Será admitido o MINIMALISMO como forma literária.


2- Para participar do concurso, faz-se necessário, na ordem abaixo:

a) publicar a imagem que anuncia o concurso, no cabeçalho do texto;

b) indicar o título do poema ou conto;

c) inserir o poema ou conto;

d) inserir o nome do autor;

e) inserir o país do autor.

*

3- Serão eliminados do certame:

a) os textos dos autores que não exibirem a página do perfil completa;

b) os textos que ignorarem o tema e a imagem propostos;

c) os textos que não se enquadrarem no item 1.

*

4- Serão destacados cinco prêmios (diplomas), assim atribuídos:

a) primeiro lugar;

b) segundo lugar;

c) terceiro lugar;

d) menção honrosa;

e) menção honrosa.

Parágrafo único - Serão computadas as notas de SEIS a DEZ, conferidas por dois autores PEAPAZ.

*

5- Prazo no qual transcorrerá o certame:

a) início: 7 de fevereiro de 2015 - sábado;

b) término: 27 de fevereiro de 2015 - sexta-feira à meia-noite;

c) entrega dos prêmios: 28 de fevereiro/1° de março de 2015 - sábado/domingo.


Para publicar o texto clicar aqui

PARTICIPANTES

Arlete Maria Piedade Louro. FÉ ARDENTE - EPÍGRAFE

Isabel Cristina Silva Vargas. FÉ - POEMA

Isabel Cristina Silva Vargas. RETORNO AO LAR - CONTO

João Pereira Correia Furtado. NASCEU O PADRE MANUEL - CONTO

João Pereira Correia Furtado. SEM FÉ… AJOELHA COM FÉ - POEMA

Lais Maria Müller Moreira. FÉ - CONTO

Marcial Salaverry. FÉ A BÚSSOLA DA ALMA - POEMA

Marcial Salaverry. ENTENDENDO A FÉ - CONTO

María Cristina Garay Andrade. MIS MANOS - POEMA-DÍSTICO

Paulo César. FÉ - POEMA

Rosalina Gonçalves Ramos Herai. FÉ- UNIÃO PERFEITA - POEMA

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

This reply was deleted.