Participem!

Reserva-se este espaço à publicação dos trabalhos dos autores que se expressam através da Literatura de Cordel.

Literatura de Cordel

“A feira é invadida por uma verdadeira multidão. Vendedores disputam os clientes aos gritos. E com chapéu de couro de bode, ao sol do meio-dia, um homem mestiço, com uma voz rouca, canta em versos em meio a um pequeno grupo de nordestinos curiosos.”

É o poeta, transformando seus versos em registro da vida nordestina, impressos em papel pardo, com belas ilustrações xilográficas. Trata-se da denominada Literatura de Cordel, que leva esse nome devido a sua exposição em barbantes ou cordas, com folhetos presos por pregadores de roupas. A literatura de cordel surgiu na Europa, no século XVIII. No Brasil, esse tipo de literatura tornou-se uma tradição literária tipicamente nordestina. Os romanceiros de cordel são grandes narradores da vida local: Reproduzindo fatos sociais, políticos, econômicos e, também, históricos, com seus relatos em versos característicos. Os folhetos de cordel são verdadeiros “blogs”, pois assim como estes, se encontram difundidos numa espécie de internet popular, sendo encontrados nos mercados públicos, feiras, praças, sebos, museus, dentre outros espaços não menos importantes do nosso cotidiano. O escritor Ariano Suassuna, quando lançou o Movimento Armorial, no dia 18 de outubro de 1970, viu na Literatura de cordel uma fonte de inspiração importante dentro do contexto do ideário Armorial.

"A Arte Armorial Brasileira é aquela que tem como traço comum principal a ligação com o espírito mágico dos 'folhetos' do Romanceiro Popular do Nordeste (Literatura de Cordel), com a Música de viola, rabeca ou pífano que acompanha seus 'cantares', e com a Xilogravura que ilustra suas capas, assim como com o espírito e a forma das Artes e espetáculos populares com esse mesmo Romanceiro relacionados"(Ariano Suassuna, Jornal da Semana, Recife, 20 maio 1975).

Hoje, a historiadora Maria Ângela de Faria Grillo, professora da Universidade Federal Rural de Pernambuco, descreve a importância da literatura de cordel na própria dinâmica histórica: “O cordel é como uma janela aberta para se investigar outras visões e outras versões das narrativas históricas” (Maria Ângela de Faria Grillo, Revista História da Biblioteca Nacional. Outubro de 2006).

É evidente que a literatura de cordel, assim como todas as manifestações populares diversas daquelas eleitas pela mídia, têm sofrido muito com a falta de incentivos oficiais e divulgação. Sem um projeto sério que apoie a diversidade cultural, os romanceiros são cada vez menos vistos, ficando assim, no passado, a busca eterna por meios a não serem esquecidos e nem calados. Investigando a história das famílias nordestinas vamos encontrar vestígios dessa prática popular, tão impregnada aos seus costumes.

Texto capturado em:
http://vbemtempo.blogspot.com/2007/05/literatura-de-cordel-blog-de-matuto.html

3 Members
Join Us!

Página de comentários

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Fórum do grupo

Carretilha

Décima

Galope à beira-mar

Martelo

Oitava

Quadra

Quadrão

Redondilha

Septilha

Sextilha