TOP BABPEAPAZ

"Os velhos marinheiros"

 

                                             “Os velhos marinheiros”

 

            - Pois é o que eu digo!  O comandante Vasco existiu mesmo.

            - Ele e Papai Noel.  Quem me trouxe foi a cegonha.

            - Larga de deboche, homem.  Tem um livro que conta todinho.

            - É um romance, rapaz.  Não é História.

            Este diálogo estava sendo travado num bar suburbano, famoso por suas batidas e empadas diversas.  Os tipos eram comuns, de meia idade, já afetados pela manguaça.  Um exemplar estropiado estava na mão de um deles, que poderia muito bem servir de personagem para Jorge Amado.

            - Quer dizer que um homem fardado é mentiroso?

            - Mete na cabeça, cara.  Isto é apenas um livro dum escritor famoso.

            - Então que é verdade mesmo.  Um escritor famoso não escreve mentira.

            - Ele criou a história toda.

            - Criou?  Você está dizendo que ele inventou aquilo tudo?

            - Entendeu, burrão.  Inventou sim.

            - Ninguém é capaz de inventar a vida de um homem.  Tem o nome, o lugar onde viveu, os amigos, as farras.  Invenção nada, não acredito.

            - Olha, vamos parar.  Eu sou ignorante, mas já li alguns livros, quando ainda estava na escola.

            - Livros de mentira ou de verdade?

            - De mentira, de verdade, eu lá sei o que você quer dizer.

            - Como o do comandante Vasco.  Marinha Mercante, o amigo Georges é que era da Marinha de Guerra.  Capitão dos Portos.

            - Invenção também.

            Pediram mais empadas de palmito.  Os copos de batida ainda estavam bem cheios.  Já estavam no quinto martelo grande.  Clima frio ajuda.  Não perceberam quando entrou no boteco um cidadão de cabelos grisalhos, troncudo, com um paletó esquisito e um chapéu com uma âncora.

            - Os amigos permitem que eu tome um grogue junto?

            - Grogue.  Era isso que ele preparava na casa decorada com objetos de marinheiro.  Que coincidência!

            - Posso saber do que está falando, grumete?

            - Grumete?

            - Sim.  Grumete.  Ainda não me parece um marujo.

            - E você quem é?

            - ‘Comandante Vasco Moscoso de Aragão.  Um velho marinheiro, às suas ordens.’

 

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

  • Maravilhoosooooooooooo!!

    Me encantei com seus versos

    Bjs

  • PRATA BABPEAPAZ

    Olá,Jorge!

    Belíssimo o diálogo:

    É de quem tem vivências e experiências de vida, leu muito, escreveu muito e conhece o vocabulário dos marinheiros.

    Além de tudo, um fim inusitado!

    Beijo, Arlete.

  • Maravilhosas falas e argumentos caro Jorge Cortáz.Parabéns,Gostei mesmo!

  • OURO BABPEAPAZ

    Excelente prosa. Surpreendente final.

  • BRONZE BABPEAPAZ

    50743350?profile=original

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    A verdade do escritor é transcendental; difere da realidade posta pelo mortal comum, porque, no momento criativo, ao exaltar o indivíduo nas relações com a natureza e a sociedade, exibe uma sábia consciência intuitiva. A percepção que o escritor tem do mundo real é encantadora, justamente, por esse dom de desbravar e revelar o desconhecido através da palavra. O meu amigo Jorge Cortás é poderoso ao expor as suas verdades. E, nesse refrão, seduz o leitor. Beijossssssss

  • TOP BABPEAPAZ

    No original, todos os diálogos estão com hífen.  Saíram com traço de união, é um erro.  Considerem, por favor, que sejam hífens.

     

This reply was deleted.