Homenagem aos que se foram...

É essencial identificar os homenageados nos textos e nas imagens.

Criadora e Administradora do Grupo:

Sílvia M. L. Mota

Administradora Moderadora:

Marcia Portella

52 Members
Join Us!

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

  • Amiga .Maria Iraci Leal.

    Tudo que posso te dizer  com muito respeito a sua dor ,

    que fiquei sabendo através da nossa tão lutadora Silvia mesmo percebendo minha ausência .Deus somente ele para confortar seu coração.

    Te abraço forte com  carinho.

    Muita paz de Deus.

    A uma Amiga, Maria Iraci Leal, num momento doloroso da sua vida
    Poetas e Escritores do Amor e da Paz é uma rede social
  • EM MEMÓRIA A UM LINDO SER QUE SEMPRE AMAREI: MINHA AVÓ 


    O fim de mais um dia se expressava no céu. Lá fora as primeiras estrelas surgiam como pedrinhas preciosas cravadas no firmamento. No ar além dos perfumes das papoulas, jasmins, rosas e bugarins, do nosso quintal, se espalhava uma doce melodia:

    “Para mim a chuva no telhado
    É cantiga de ninar
    Mas para o pobre meu irmão
    Para ele a chuva é fria
    Vai entrando em seu barraco
    E faz lama pelo chão...(...)
    Era a doce voz de minha avó (Dona Santa) que cantava embalando minha rede, ninando os meus sonhos pueris ao fim do dia. Mas essa canção foi além, pois não embalou somente a minha rede, embalou meu caráter e minha vida. Quando minha avó entoava essa melodia eu imaginava as imagens: Pessoas mais simples do que éramos morando indignamente, lançadas a própria sorte e desvalidas da solidariedade e compaixão humana. Meu coraçãozinho ainda tão infantil se apertava dentro de mim. Meus olhos, profundos de inocência, pareciam transcender sonhando com um mundo melhor onde todos pudessem viver felizes ainda que de maneira simples, mas tendo o necessário para viver com dignidade. Essas imagens pareciam saltar do mundo imaginário e vezes pareciam palpáveis diante de mim. Em meu pensamento brotavam idéias, imaginações pueris. Minha alma crescia em amor e preocupação pelo próximo. Sem saber minha avó me ensinava as palavras de Jesus “Amar o próximo como a ti mesmo” em outras palavras. Ensinou-me a olhar o outro como alguém igual a mim, que precisa das mesmas coisas que eu preciso. Que nem sempre o que é bom para mim é bom para o outro e que por isso devemos ter cuidado em não ferir ou prejudicar as pessoas.
    Em 2008, decidi então cantar essa mesma canção para ela e embalá-la naquele momento último da trajetória da sua vida como uma forma de gratidão e de dizer-lhe o quanto eu a amava e que ela estaria para sempre guardada em minha alma, pois é nesta parte eterna do meu ser que guardo todos que amo.
    Era o final de sua missa de corpo presente na qual cheguei de viagem poucos minutos antes, após quase vinte e quatro horas sem dormir percorrendo aeroportos e terminais rodoviários. Mas valeu o meu esforço: ela merecia. No entanto pensando que lhe encontraria, não a encontrei. Sua pele alva estava escurecida. Toquei sua mão e não senti o seu calor. Beijei sua fronte fria e não a senti mais. Seus lindos olhos meigos jamais os veria sorrirem para mim nesta vida. Não, aquela parecia não ser mais a minha avó. Era uma espécie de veste abandonada. Um casulo já sem vida de uma borboleta que agora voava em outra dimensão. E olhando-a lembrei-me do presente que lhe havia prometido. A canção seria então o meu presente e pus-me a cantar para ela com toda a força, amor e esperança do meu coração, para embalá-la ali naquele receptáculo dormindo, não o sono de sonhos que ela me fazia dormir, mas o sono dos justos que adormecem desta vida para acordarem noutra:no paraíso que Deus destinou para todos. E então cantei:
    “Para mim a chuva no telhado/
    É cantiga de ninar...(...)
    E assim como os anjos disseram aos discípulos desesperados, bem como a Maria Madalena, após o sumiço do corpo de Jesus, disse também: Por que procuramos dentre os mortos aquele que está vivo?
    Assim a nossa querida (minha avó e também segunda mãe) vive: na eternidade.

  • PRATA BABPEAPAZ

    Um poema para Sara Rosa.

    Ainda   é difícil nos acostumarmos com a morte.

    Só quando me lembro que vida e morte são como estados de calor e de frio é que vejo onde está a lógica de ambas. NÃO ESTAMOS EM VÃO NESTE PLANETA.

    Para mim, Sara Rosa era uma poeta que tecia a vida com bordados belos. Pelo pouco que a conheci, percebi  que era um espírito bonito, de bondade e de luz.

    Eu não esperava que ela  já se preparasse para a  Grande Viagem.

    Sara Rosa deixou-nos belas flores e estrelas bordadas no espaço sideral, cor de seus olhos e de sua linda alma. Sou feliz por termos sido amigas!

  • A homenageada é minha mãezinha!

    Nos deu adeus em nov/2005

  • 3543715564?profile=original

This reply was deleted.

Forum

PRATA BABPEAPAZ

Marcio Marcelo Nascimento Sena (In memoriam)

Meu caminho sempre foi pedraPedra foi sempre meu caminhoTrás pra frenteFrente pra trásEu i Ela...Ela e Eu...Foi só uma noite...Uma noite só foi...Eu ainda lembroLembro assim aindaEntrava e saíaSaía e entravaPor fim parou...Parou por fim..Marcelo & MariaMaria & MarceloMarcio Marcelo do Nascimento Sena25 de novembro de 2016Hoje, 25 de maio de 2018 o Beco dos Poetas amanheceu calado e sofrido.Marcelo o farol que iluminava o beco, apagou sua luz. Tornou-se um gigante no meio literário.Um gigante…

Saiba mais…
4 respostas
BRONZE BABPEAPAZ

Nicanor Parra

Nicanor Segundo Parra Sandoval (San Fabián de Alico, Región del Biobío, 5 de septiembre de 1914-La Reina, Santiago, 23 de enero de 2018) fue un poeta, matemático y físico chileno cuya obra ha tenido una profunda influencia en la literatura hispanoamericana.Considerado el creador de la antipoesía, es para muchos críticos y autores connotados, tales como Harold Bloom, Niall Binns o Roberto Bolaño, el mejor o uno de los mejores poetas de Occidente. El mayor de la Familia Parra —cantera de…

Saiba mais…
2 respostas
BRONZE BABPEAPAZ

A Jorge Enrique Martí

A Don Jorge( a Jorge Enrique Martí) Entrerriano de almaaunque de cuna rosarinase afinco de niñoen estas costas provincianasle canto al riocon la misma pasión que a  Urquizasu letras llenas de amorembebido en los patios fraternales y del nacionaljoven de inquieto pensamientomaestro desde las letras y el aulacantor de los versosperiodista de destacada plumate dejo en pocos vocablosmis respeto a tu poesía.Elìas Almada El Centro Cultural Urquiza rinde homenaje al poeta entrerriano Jorge Enrique…

Saiba mais…
1 resposta

Photos