GENTE COMO A GENTE...

GENTE COMO A GENTE**** CRÔNICA

3542252634?profile=original

"Algumas pessoas creram que poderiam cultivar a felicidade em laboratório. Isolaram-se do mundo, baniram as pessoas complicadas de sua história e as dificuldades de sua vida. Gritaram: " Estamos livres de problemas!" Mas a felicidade SUMIU e deixou-lhes um bilhete:
"EU APRECIO O "CHEIRO" DE GENTE E CRESÇO EM MEIO AOS TRANSTORNOS DA VIDA"
Augusto Cury

É esta forma de ver gente , que me fez admirar o escritor, por ser psicólogo, constantemente vivenciava vidas marcadas por problemas e traumas emocionais, mais de alguma maneira ele transformava esta energia negativa em positiva e descrevia seu pensar de forma linda e mágica, sempre retratava a vida com uma leveza e graciosidade...

Esta reflexão em específico, de alguma forma fez-me ter um consolo, visto que neste momento de luto, quando penso nos valores em vida que teve a amiga que perdi, na vivência compartilhava, sua amizade sincera e dedicada a minha sobrinha... Que seria  a meu ver, uma mana-mãe...

Minha amiga se foi, mais o sentimento bom ficou, de lembrar da pessoa... Sinônimo de generosidade, que me fez entender este pensamento de uma amizade sincera em meio a adversidade da vida.

Para aqueles que há conheciam, admiravam seu empenho em amar e se dedicar as pessoas "Problemáticas", mais de certa forma era isso que a fazia especial, todos queriam estar perto dela... era como um imã para muitos! Isto atraia as pessoas, e tinha muitas amizades verdadeiras...

Creio que teve muitos momentos felizes, pois o calor humano traz amor, e o companheirismo não deixa a inimiga solidão assombrar... Amizade, vivida e enraizadas em pessoas que superavam dia a dia o transtornos da vida...

Lembrei-me de um refrão da música do ilustre Renato Russo:
" E preciso amar as pessoas, como se não tivesse amanhã, porque se você parar, para pensar e na verdade não há..."

Procuremos viver lembrando o ministério de Cristo, viva a vida de verdade... Ame o próximo! Ele sempre ficou perto das pessoas problemáticas, feridas... humilhadas... Viúvas... Famintas, olhava todos com olhar de amor e os acolhia... Dava comida para que tinha fome, curava as enfermidades do corpo e da alma, defendia os menos favorecidos, entendia e acolhia as necessitados de amor, de comida e companhia, de abrigo...

Quando vemos este sentimento expresso em gente como a gente... Ai há de se entender o valor da GENEROSIDADE, seria a chave de toda esta questão, o amor ... Só com ele a gente pode aprender a aceitar o outro, e fazer aprender olhar com simpatia os erros dos irmãos. Só amor faz milagres!

De dentro do meu ser: Leti Ribeiro

 

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • 3543263452?profile=original

    Querido poeta Marciel, muito agradecida por seu comentário amigo! De fato esta crônica é de data passada... Em Agosto/2015 fará dois anos da partida desta minha amiga, a postagem foi mesmo como uma forma de homenagem e reconhecimento pela alma linda que a vida me permitiu conhecer! Obrigada pelo carinho! Abraços poéticos!

This reply was deleted.