De volta ao humanismo hipnoidal

Voltando ao Humanismo, não posso deixar passar batida a “lavagem cerebral” revertendo à mente natural da humanidade pelo “Inconsciente Coletivo”... Não se pode negar as grandes maldades humanas. E para que isto aconteça há de se liderar com a palavra “humanística de engodo global”.

 

Hipnose de Vidas Passadas

Você sabe o que é hipnose?

Ah... Você pensa que sabe...

 

Eis os mistérios, saiba o quanto você é enganado. Não vamos aqui poupar ninguém, até porque todos nós passamos pelo crivo da hipnose universal.

Continue essa leitura e verá quanto engodo existe no seu caminho, então, procurará ter mais consciência desta vida insana que tem de levar.

Ao ler esse livro, verá mudar sua maneira de ser e de se ver, e será mais cônscio de si mesmo.

Seja o seu psicoterapeuta interior

Boa leitura...

O autor

 

Sua Personalidade

 

Queira ou não, não vai fazer diferença, você é produto do meio.

Ao nascer com seus dons, creia. Eles foram criados em vidas pregressas, são resquícios do passado.

 

E lá no seu passado, você sofreu todos os tipos de influências, tal qual aqui no presente. Todos nós somos compelidos pelo sistema global, por mais alheio que sejamos, ainda assim caminhamos pela regência cósmica, ou seja: Não somos livres plenamente.

Em todos os sentimentos humanos instala-se a hipnose. Podemos classificar alguns sentimentos e tecermos comentários. Este sentimento chamado paixão, amor à primeira vista, quantas vezes já ouvimos muitas frases referindo-se a ele: Sentimento-paixão, algo mágico e inexplicável com dúbio sentido. "Paixão" um verbete que nos dá sentimento carnal e espiritual. Apaixonar-se pelo sexo oposto, ou por qualquer outro sexo. Temos a película famosa: “A Paixão de Cristo", subliminar e hipnotizante prestando-se ao mercantilismo, para locupletar a vaidade da cinematografia americana. Voltando à paixão à primeira vista, ficamos atônitos com o poder encantador deste estado hipnótico, envolvendo geralmente dois hipnotizadores e dois hipnotizados simultaneamente. E para entendermos o que isto significa temos de prestar profunda atenção e nos aprofundarmos em meditação introspectiva, culminando em projeções astrais. Então poderemos resumir que tudo começou lá no passado. Duas almas com seus resgates cármicos vão se juntar aqui na terra para concluírem suas missões. Essa empatia hipnótica faz parte de uma atração irresistível para a procriação, e outros resgates vão se concluindo. (Incluindo-se aqui, toda a psicose humana!).

 

Já no caso da Paixão de Cristo, entra o sentimento religioso mesclado do mais puro mercantilismo, haja vista as igrejas, sem exceção, são todas ricas, ou biliardárias. Eis a hipnose, conhecida por lavagem cerebral, se assim o preferirmos. E como bom filme, que o é, arrecada muito dinheiro através de bilheterias.

 

Observação enfática, nada temos contra os fiéis religiosos e de bom propósito. Quanto às igrejas, são necessárias, pois, fazem parte do jogo cósmico. Pior seria sem elas... Afinal elas falam do Amor.

 

Hipnose do Medo

 

Ao se divagar pelos desfiladeiros da esperança, com a intenção de se alcançar dias melhores, formam-se jogadores de altos quilates, aqueles inveterados, que apostam tudo no engodo de ganhar a sua pseudoliberdade através do dinheiro.

 

Vamos destacar com ênfase esta hipnose destruidora, que afeta a humanidade, a hipnose do medo é de lascar, porém, habita no ser humano, apenas uns poucos que se preparam para enxergar e analisar o medo, encarando-o de frente; através do desapego integral pode se libertar parcialmente deste nefasto sentimento. Somente aquele que atingiu a maturidade espiritual e se desvencilhou do bem e do mal se livra do medo. É o espiritualista, que morre e ressuscita eternamente como se dormisse e acordasse em traslados espirituais, tendo consciência da sua missão nesta existência. Esta hipnose está no homem caracterizando a fraqueza de sua natureza, quem não tem medo de perder? Veja os seus valiosos bens que criam seus medos: Amor – dinheiro – filho – esposa – pai – mãe – posição social – residência – estima – libido – salvação da alma – finalizando, medo de ir para o inferno etc.

 

Muito estudamos sobre o assunto aqui pautado, em paralelo às outras ciências, como a programação neurolinguística, onde só pudemos ver a hipnose instalada no seu contexto. O “rapport”, técnica da mais pura hipnose, que instiga à imitação, ou arremedo do interlocutor, aliciando-o ao desejo do hipnólogo. Usando-se uma lei natural que diz: “o igual atrai o igual”.

 

A hipnose em massa, tanto para se praticar o mal, quanto o bem. Adolf Hitler fez uso da hipnose em massa em larga escala, à prática descabida do mal. Assim como essa desastrosa criatura, muitas outras também agiram e, o mundo assistiu quase inerte, somente depois de muita dor e prejuízos, apresentou-se a hipnose do bem para execrá-los da convivência mundial. Essa hipnose do absurdo serviu para ceifar vidas e mais vidas “inocentes”, através do descalabro macabro do sofrimento ímpar do ser humano. Observação: Quando colocamos entre aspas, é porque pensamos em resgates cármicos, apenas isto e nada mais, sem jamais fazermos qualquer pré julgamento, posto não termos consciência do que a humanidade fora em suas vidas pregressas.

 

Hipnose do Fanatismo

 

A hipnose é um projeto mental, que logo se põe em prática para alegria ou tristeza do ser humano. Podemos classificá-la de: Hipnose do fanatismo, a qual serve para os esportes, meios políticos, artísticos, científicos, religiosos etc. O que leva um ser humano inteligente, aculturado sofrer um ataque do coração, fulminante, somente por que o seu time de futebol está perdendo, isto só pode ser um efeito hipnótico que o faz crer estar sendo lesado de alguma forma esdrúxula. É uma loucura, uma insanidade, essa fixação mental, como tantas outras produzidas pelo fanatismo desbragado. Contudo, podemos vislumbrar algo virtual, espiritual, ou semelhante abatendo sobre a ignorância humana. Isto se chama hipnose. Essa hipnose é tão poderosa que mexe radicalmente com grande parte da sociedade, envolvendo uma movimentação fantástica embasada em alguns jogadores a correr atrás de uma bola, a qual deve ser colocada dentro de um gol, esse pequeno absurdo afeta por uma atração hipnótica o mundo todo. Isso não impede que gostemos de futebol, mas temos de enxergar essa estapafúrdia força atrativa à tão mísera ociosidade global. Também podemos classificá-la de bairrista, a qual nos afeta sutilmente nos induzindo à mentira de que somos superiores aos nossos irmãos, que não fazem parte do nosso clã. Esse besteirol começa pela nossa família, onde um irmão se acha mais, ou menos do que o outro, assim acontecendo com o seu bairro, cidade, estado, país e o mundo todo se vê na mesma situação. Digamos que em uma olimpíada internacional o nosso país se classifique na 30ª posição, porém, os canais televisivos continuam fazendo grande apologia patriótica sobre nossos atletas, o que é justo realmente, mas parece não ter muita consciência dessa hilária classificação.

 

Hipnose Saudável

 

A hipnose saudável, aquela de se praticar o bem, quase inexiste. As religiões se vangloriam neste sentido, bem, elas são o mal necessário, já disse alguém de relevada importância social: “A religião é o ópio do povo”. Desde as pirâmides egípcias e seus faraós em conluio com seus sacerdotes prevalecem o poder e a riqueza nas mãos de um rei e seus asseclas em detrimento de um povo, sempre com o apoio sacerdotal, qual lhe dá plena cobertura social. Junte-se à saudável hipnose da conscientização e do equilíbrio, esta realmente é a melhor de todas. Neste contexto podemos dizer com convicção, sem nos importamos literalmente com os castigos, ou com o que pensem sobre nossa assertiva: “Deus é colocado a toda prova para chantagear os mais ignorantes deste pobre planeta Terra, SEUS CASTIGOS E SUAS BÊNÇÃOS” estão nesse jogo monetário e de poder, pode acreditar.

 

Basta o olhar lógico sobre o título mundial de: “Guerra Santa”... Ah... Faça-nos o favor... A mente dessas criaturas é verdadeira esbórnia...

 

Do e-livro “Hipnose de Vidas Passadas” de jbcampos

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    Deparo-me com dois trabalhos numa só página, porque considero o comentário de Marco Bastos uma excelente crônica. Leio, releio e nada mais tenho a dizer. Faço minhas as suas palavras. Parabéns aos autores. Beijossssssssssss

  • A grande dificuldade é falar sobre "alienação" sem recorrer aos modelos de outrem, pois isso, em si, já é alienação intelectual - paradoxal comportamento nos dogmas e dogmatizadores libertários. O homem vive sim em uma eterna hipnose sonambúlica, dissolvido no "social" - o homem indivíduo aliena-se, a si próprio, para vir a ser o homem-social, espremido entre muitos paradigmas conflitantes - os religiosos, os políticos, os econômicos, os científicos, os éticos e os estéticos. E vivemos em um mundo encharcado de palavras - uns querendo ensinar aos outros o que é amor, o que é racionalidade, o que é politicamente correto, o que é socialmente aceitável etc. E somos "todo-ouvidos" com medo do ostracismo e da não pertença. O homem detesta pensar e assumir a sua existência. Quer viver sem correr risco algum, nem o da própria individualidade. E a vida assim é de uma mediocridade sem tamanho. O amor vira palavra, discurso, religião e poesia. A racionalidade é inconsistente. O politicamente-correto é imbecil, o socialmente-correto é amorfo. E a vida do homem é uma sucessão de ilusões mentais que não conseguem aplacar as ansiedades instintivas da Natureza. O "bom selvagem" do Rousseau não era selvagem. Selvagem não tem consciência do que é "selvageria". O bom selvagem é uma armadilha.  A religião intui sobre isso e cria o paraíso que se perde com o desenvolvimento (lá, com o advento) da "consciência" e o aliena para a divindade, ao separar o homem da Natureza. Consciente, a falta-de-chão é tanta que o pássaro-sem-asas manipulável vive em busca de outros paraísos. O homem se projeta em mitos, em deuses, santos, políticos, ídolos, nos arquétipos, amores e amantes. pelo desconforto de viver a própria existência. 

    abraços.

    Marco.

     

This reply was deleted.