Sem amarras...

3542146941?profile=original


O medo de amar é o medo de ser...
Exercer a plenitude das potencialidades.
Livre na essência para o que der e vier
Sem as amarras das (in) possibilidades

Livre para sempre estar onde o justo é

Não temer o que possa vir a acontecer
Porque medo de amar é o medo de ter
Não saborear da seiva do bem viver
Cada momento que se possa escolher

Entre os vazios a preencher de ir ou partir

Com precisão e exatidão na melhor direção
Intuir e depois ter a coragem de decidir
Obediente a harmonia entre mente e coração
O medo de amar é adiar sempre a se arriscar

Está bem aí... O impedimento da tal felicidade

Perder o fio lógico da crença e da esperança
De fazer, lutar e perseverar com tenacidade.
O que lhe foi designado nos tempos de criança
Não fugir das suas próprias responsabilidades

O que é o nosso mais sublime dever.

Duo: Fall & Hilde

 

http://www.recantodasletras.com.br/poesiastranscendentais/3895975

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    O medo de amar é adiar a possiblidade de ser feliz.

    Belo duo.

    Parabéns aos poetas.

    Beijosssssssssssssss

  • This reply was deleted.
    • 3544185891?profile=original

      Obrigado pela sempre amável e encorajador

      presença aos nossos humildes rabiscos poéticos,

      meu bom e dileto amigo Marcial. Irei agora 

      mergulhar no nosso novo dueto sobre o coração.

      Abraços baianos ao menino-poeta de Santos.

    • Caro Marcial,

      Desde às 10h da manhã estou sem luz elétrica aqui em Guarajuba-BA e por esta razão consegui postar nosso duo sobre o coração o que farei agora pedindo a ti que se quiser fazer alguma alteração,por favor a faça aqui para que eu proceda a mudança no texto. Aí vai...

      OLHOS DO CORAÇÃO

      Os Olhos do Coração
      Tem a visão sutil transcendental
      Sabem captar nossa melhor emoção
      Por isso tudo fica assim tão original

      Aquela que os olhos não podem ver
      Que se esconde no fundo d ‘alma
      E que o corpo não pode ter
      Mas, que logo vem e nos acalma.

      Nossos sentidos não podem perceber
      Que na pele a gente vê algo diferente
      Ou que as mãos não podem percorrer
      Mas, ele que é sábio toca e pressente

      O coração sente o ser ausente
      Como um instrumento sensível
      Dando-nos esse presente
      Tudo então se faz bem visível

      Para nossa triste alma
      O que era impossível...
      Assim toca e finalmente a acalma
      O amor se faz então plausível

      Os “Olhos do Coração” sabem ver
      Quando a felicidade pode chegar...
      Quem a nosso lado queremos ter
      Mas, para isso há que se aconchegar.

      Seja uma ausência de momento
      Temos que nos aproximar e dengar
      Que por vezes é só um tormento
      Que o amor dissipe e flutue pelo ar

      Seja uma ausência definitiva...
      Pela cruel e tristonha partida
      A sentir-se sempre viva...
      Na esperança de nova chegada

      Se soubermos ver com os “Olhos do Coração”
      Tudo fica claro, intenso, real e mais bonito.
      Sempre sentiremos essa gostosa sensação
      De que valeu a pena ter este dueto escrito!

      Duo: Marcial Salaverry & Hildebrando Menezes

      http://www.recantodasletras.com.br/poesiasdeamor/3897453

This reply was deleted.