O nascer da poesia

3542257123?profile=original


A poesia nasce nos becos sem saída
Nas madrugadas sofridas, alma traída
Na desilusão, ela aflora com maestria
No amor correspondido plena harmonia

No olhar sutil, de relance meio sorridente*
Que foi lançado parecendo de soslaio
Numa gargalhada gostosa e estridente
Retirado lá do mais profundo balaio

Cada poema tem seu momento exato
Reflete nos versos o êxtase imediato
Paixão convertida em sussurros sensuais
Na personificação dos prazeres carnais

Nasce no repente do poeta inspirado*
Que foi tocado por algo assim inusitado
E não há como fugir desse momento
Algo mais profundo toca o sentimento

Corpos entrelaçados na fúria sem limite
Na avidez perdida, na ânsia que excita
Lábios inchados feridos aguçam o apetite
Há todo um ritual mágico que se exercita*

E acontece como a prece mais bonita
Na avidez sentida de todo o universo
Insaciáveis desejos cantados em versos
A poesia renasce também na alma aflita

É preciso estar bem atento para bem captar*
O que o espírito vier de mansinho lhe assoprar
Para os encantos multiplicarem nosso amor
E se perca na ousadia do poeta sonhador

Flor de Lótus e Hildebrando Menezes.

http://www.recantodasletras.com.br/duetos/5238580

 

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

This reply was deleted.