3542130143?profile=original

APENAS MULHER?

 

Entendeste o que para mim significaste?

Significou o sopro do vento e a brisa quente

Sou-lhe grata por tanta e tamanha devoção

Conseguiu fazer tudo aqui ser só vibração

 

Sim! Mostro a ti a face rubra da paixão

Onde depuseste os teus beijos em profusão

Saiba... Que de ti... Jamais me separei

Mesmo nos braços doutro foi em ti que pensei

 

No palco iluminado em que vivemos

Em plena vida é que aprendemos

A conhecer as almas (em destinos) desiguais

 

Sempre estive aqui a te esperar

Mas... Demoraste e pus outro em teu lugar

E esse imenso vazio... Só Deus há de perdoar!

 

João Ferro & Jusicélia

Mentores espirituais: Ceres & Hilde

 

 

 ÓDIO

 

Mataste as ilusões e toda crença

De minh’alma de ingênuo e apaixonado.

Acreditei em ti, e a recompensa,

Foi o desprezo que tu tens me dado

 

Mas saiba que tu fizeste a diferença

Não me odeie pois só te fará mal

Aproveite das boas e eternas lembranças

Pois aí é que reside a luz do sinal

E hoje nesta triste solidão

Em que me vejo só, sem teu amor

Eu sinto que te odeia o coração

 

Aproveita que estar só pode ser benção

Quando povoado de plenas emoções

O ódio apenas gera ódio... Tenha compaixão!

Perdoar é e sempre será o melhor remédio

 

Porque você foi e será o meu melhor sonho!

 

João Ferro & Jusicélia

Mentores espirituais: Ceres & Hilde

 

 

 AGONIA

 

Desde o dia em que foste embora

Deixando só a tristeza que assola

Ninguém substitui o que foste outrora

Só o teu amor me revigora e consola

 

 As vezes me pergunto meio que demente

O que fiz para sofrer tanto assim?

Será algum tipo de carma indolente

Que veio zombar feito um arlequim?

 

Mas... Haverei de me reerguer

Chega! Não agüento mais tanto sofrer

 

Volta! Fica ao meu lado até depois de morrer

De que vale viver? Oh! Negra sorte

Daí-me, por compaixão, Senhor, a morte

Para que meus tormentos tenham fim.

 

João Ferro & Jusicélia

Mentores espirituais: Ceres & Hilde

 

 

 ALTIVEZ

Não julgues que este amor que me alucina

É servil, ou quem sabe? Falsidade

Se o teu olhar agora me fascina

Pode amanhã me causar piedade

 

Longe de mim julgá-lo bravo e querido

És nobre em sentimento e portas a verdade

Espelho os meus olhos nos teus iluminados

Quero que transmitas essa Luz na eternidade

 

Se coube no meu peito tanto amor

O meu desprezo, ódio, o meu rancor,

Dentro em meu peito certamente cabe

 

Fique em paz e não sofras mais essa dor

Nem ressentimentos que arranham os sentimentos

Esteja certo que aqui onde estou eu te dou valor.

 

João Ferro & Jusicélia

Mentores espirituais: Ceres & Hilde

 

 

 
 PAI JOÃO

 

Preto velho, quebrado, suarento

E que cheira a budum, não tem história.

É mulambo de gente que a memória

Doutros homens varreu do pensamento

 

Foi a cultura européia escravocrata

Que o levou à submissão humilhante

Matando na origem o poder da raça valente

Dominação dos brancos impuros e déspotas

 

Sua sorte mesquinha e irrisória

Tem lhe causado tanto sofrimento

Pensativo, a olhar o firmamento

Vai revendo o passado “vida inglória”

 

Veio de ancestrais enclausurados e amordaçados

Criado a pão e água à toque áspero de chibata

A relembrar o quão a vida é desgraçada

Quando cerceado seus direitos arrebatados

 

Eu sou, tal qual esse Pai João,

Um coitado triste, e o motivo?

Minha vida... Pior que a escravidão

 

Levanta a fronte bravo guerreiro

Sois o mais legitimo povo brasileiro

Que tudo suporta e é altaneiro.

 

João Ferro & Jusicélia

Mentores espirituais: Ceres & Hilde

 

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • TOP BABPEAPAZ

    Hilde, quem pode trazer mais luz à autoria é a Carmo Vasconcelos, sonetista portuguesa, diretora cultural da Revista eisFluências, Lisboa.  É minha amiga e do Marco.  Vou encontrar o e-mail dela.

    Abraço.

  • TOP BABPEAPAZ

    Lado histórico da poesia.  Pela data, 1947, tem mais de cinquenta anos.

    Não conheço o João. mas ZéFerro é um dos maiores sonetistas brasileiros.

    • Caro Jorge,

      Então irei pesquisar se não se trata da mesma pessoa. Recebi esses versos em papel de seda da época

      de um fac-símile escrito para a mãe de minha amiga Ceres e não resisti duetar

      como se fosse resposta dela a ele porque tiveram um "affair" de amor nos mesmos

      moldes que tive com Ceres na adolescência.

      3544182371?profile=original

    • 3544374599?profile=original

    • 3544391995?profile=original

    • 3544401102?profile=original

    • 3544404019?profile=original

This reply was deleted.