A SENHORA... A MULHER... A MÃE

3542320345?profile=original

 

A SENHORA... A MULHER... A MÃE

Ano 2150 depois de Cristo. Um século depois do arquipélago de Cabo Verde se transformar na gigante ilha, a Nova Atlântida. Meio dia e um sol abrasador, todos os habitantes recorrem as máscaras ligadas ao “ar perfeito”. Não obstante os esforços tardios da humanidade, o inevitável aconteceu, séculos e séculos de poluição não tiveram solução, o ar natural tornou-se rarefeito e qualquer mudança de estado climático obriga ao uso de equipamento auxiliar.

De repente tudo se torna escuro, uma gigantesca nave aproxima-se e eclipsa o sol e mergulha a ilha num manto negro. Da nave saem minúsculos seres. Minúsculos no tamanho, mas gigantes na destruição. Há um alarme e desespero. Todos procuram fugir, vão para seus meios de transporte. Tentam mas nada conseguem... com o andar dos séculos, tudo é elétrico sim, mas a fonte é o sol e este encontra-se tapado. A esperança é a reserva, mas foi como se a enorme nave a sugasse ao se aproximar... Geram o medo e o caos...

Incrível, uma visão Divina, uma luz do céu e com um alento e uma réstia de esperança. Uma mulher enormemente gigante e com asas duas vezes maiores e nas mãos um arco de ouro, pelo brilho, puríssimo.  Longos cabelos loiros, rosto oval e olhos castanhos, vestida de alvos tecidos envoltos ao corpo e a contrastar com as asas acastanhadas.

As flechas parecem e são miraculosas e extremamente certeiras e incrivelmente poderosas, pois que dizimam milhares de seres do mal, vindos na nave do terror. Elas também  são “bumerangues” , são seis flechas, bastavam apenas duas. Pois regressam para a heroína depois de dizimarem milhares de seres do mal...  

A luta é titânica e nós apenas observamos paralisados. O antes medo é agora admiração e contemplação. Vence a poderosa. Os minúsculos milhões do mal ainda tentam lutar usando a nave como escudo, inglório...  Basta uma flecha para criar um manto invisível entre a Heroína e a “nave do mal” e é ela quem pisa e pousa seu pé sobre a nave. Desistem e ameaçam voltar e desaparecem... E o sol retorna  com seu calor abrasador. Eu pergunto:

-Senhora quem sois vós?

-Sou apenas o que dizes, a Senhora... A Mulher... A Mãe! – Respondeu enigmática.

E ela voa e desaparece entre as nuvens de onde ainda se vê por algum tempo raios de luz.

 

Praia, 07 de abril de 2016,

João Pereira Correia Furtado

http://joaopcfurtado.blogspot.com

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    3543748157?profile=original

    • BRONZE BABPEAPAZ

      E aqui voltamos de novo querido Escritor João Furtado!

      Para continuar a aplaudir tua maestria de Contista!!

      PARABÉNS !! PARABENS!!

      Ansiosa mesmo por te ler em mais um Conto,

      desses, em que desces à tua Memória Coletiva de Ilhéu,

      trazendo-nos contos que nos fazem chegar os aromas,

      dum Povo lindo e Rico de Cultura, Memórias e História!

      Meu abraço cheio de Amizade

      Chantal

      3544343596?profile=original

    • Amiga e poetisa Maria José,

      Muito obrigado pelo comentário. Faz-me sentir, com calor no rosto, com coragem de escrever o próximo.

      Um abraço de Paz e Bem,

      João 

    • PEAPAZ muito obrigado pela distinção. 

      Parabéns para todos os premiados. 

  • BRONZE BABPEAPAZ

    Querido Poeta Joaõ Furtado! Querido Contista!

    Bem situado no Tempo trabalhaste teu conto com a maestria costumeira! e ficou o Enigma ...tingido de algo mais, rs mas MESMO UM Enigma!rsrsrs!!

    GOSTEI!!

    3543743059?profile=original3543743379?profile=original

    • Amiga e poetisa Chantal

      Que bom poder contar com as palmas perfumadas tuas.

      Obrigado e Paz e Bem,

      João

    • BRONZE BABPEAPAZ

      tenho estado um pouco com afazeres, mas leio-te sempre querido Contista Poeta!

      Perfumadas?! ri-me! tenho um ramo de rosas ao meu lado que perfumam intensamente...foram de certeza elas .......!!!

      Jinhos

      3544387905?profile=original

    • Bom dia, amiga escritora e poetisa!

      Em Julho espero ir até Santarém para apresentação de um livro.
      O nome é "OLHARES DE SAUDADE Vol II" de Arlete Piedade e meu.

      Um abraço de PAZ E BEM,

      João Furtado

    • BRONZE BABPEAPAZ

      PARABENS POETAS!!! 41.gif41.gif41.gif41.gif

      QUE BOM!! DÁ ABRAÇO MEU A ARLETE PIEDADE!

      SUCESSOS!!

      eu tambem gostava de publicar um...ahahaha mas minha saúde já complica tudo demais! quem sabe um dia não nos encontremos ;)3.gif5.gif6.gif

      3544403088?profile=original

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    Apenas, algumas ressalvas, querido amigo.

    "Resta voltar para Deus e rezar para a misericórdia e perdão dos pecados..."

    "Reparamos na nossa limitação e damos Graças ao Misericordioso."

    As frases acima encontram-se desconectadas da ficção tão bem arquitetada. Ficam "soltas", sem rumo, sem razão de ser. É como se tivéssemos o "vício" de idolatrar um ser maior, a qualquer custo. Aqui se trata de texto literário e não de texto religioso. Por tal motivo, solicitamos que não mais se realizassem conotações religiosas nos textos aqui publicados.

    Enviei-te mensagem interna com outras observações.

    No mais, um excelente conto!

    Perdoa-me a interferência.

    Beijossssssssssss

This reply was deleted.