Olhos de Fogo primeira parte

3542134236?profile=original
 
Olhos de Fogo
Jorge Linhaça
 
Na escuridão da noite sem lua ele só podia ver dois pontos de luz entre as sombras,
luzes avermelhadas, quase que brasas de uma fogueira que pareciam atraí-lo como um imã em direção a elas.
Um misto de medo e curiosidade apossou-se de sua alma sendo que esta última foi mais forte que o seu receio. Caminhou pela rua estreita e escura vendo cada vez mais de perto aquelas luzes brasis. Aproximou-se do vão entre a cerca de onde brotava aquela luminosidade e deparou-se com uma face descarnada e demoníaca que fitava-o com os olhos ardentes qual o fogo do inferno. Fez menção de correr mas já era tarde demais, das órbitas descarnadas brotou o fogo voraz que consumiu seu corpo tranformando-o em uma imensa tocha humana.
Seus gritos preencheram a noite e acordaram os vizinhos que abriram as janelas e tentaram socorrê-lo mas já era tarde demais...polícia e bombeiros chegaram quase que simultaneamente e só encontraram o corpo totalmente carbonizado.
A suspeita inicial recaiu sobre algum atentado ou vingança contra o pobre homem mas nada se conseguiu averiguar de concreto. A autópsia parecia indicar que o homem havia se queimado de dentro para fora.
 
Em outro ponto da cidade, dias depois, uma jovem caminhava por um parque quando em meio aos arbustos viu a maléfica luminescência avermelhada, pensando tratar-se de um início de incêndio ou de brasas de cigarro ali jogadas, resolveu exercer a sua cidadania eliminando o foco do provável fogo. Mal aproximara-se e surgiu do meio dos arbustos a sinistra figura que a fitou com um sorriso descarnado para logo em seguida imolá-la em suas chamas. O mistério voltava a rondar a cidade, agora eram dois os cadáveres carbonizados e o pior, não havia nenhuma relação entre eles.
 
No dia seguinte um grupo de trabalhadores, após o fim de sua jornada de trabalho, caminhava em direção a uma estação de metrô quando um deles se deu conta de dois pontos de luz vermelha intensa que vinham de um vão entre os pilares da estação...
O grupo resolveu averiguar o que se passava e novamente a história se repetiu, a horrenda criatura saltou sobre eles e em poucos instantes quase todos estavam reduzidos a massas inertes e carbonizadas, com exceção de um que logrou escapar e filmou a criatura enquanto fugia com a câmera de seu celular. Infelizmente não chegou muito longe...metros adiante teve o mesmo fim de seus companheiros mas ficara o registro do monstro nos arquivos de memória de seu telefone.
 
Os seguranças do metrô nada puderam fazer e nem mesmo presenciaram a criatura, para sorte deles aliás, chamaram a polícia e esta após periciar o local encontrou o celular do último a sucumbir a alguns metros do corpo...a filmagem começava com eles indo de encontro aos olhos de fogo e terminava com a derradeira rajada desferida contra o rapaz.
 
Viram e reviram as imagens por diversas vezes, incrédulos sobre aquilo que viam...parecia coisa de filme de terror de segunda categoria...cogitaram até que fosse uma espécie de montagem como o conhecido " a bruxa de Blair" mas isso não explicava os corpos estendidos no chão, a menos é claro que alguém houvesse cometido assassinato e usado os corpos para simular essa grande farsa. Infelizmente a identificação dos cadáveres revelou que se tratava mesmo daquele grupo de operários.
 
Tentaram evitar que o caso ganhasse as páginas dos jornais mas foi impossível, fotos da criatura retiradas da filmagem estamparam manchetes e o demoníaco ser foi batizado de "olhos de fogo".
 
O imaginário popular não tinha limites, cada um imaginava uma origem mais fantástica para o ser, de acordo com o seu lugar de origem. Muitos chacoteavam dizendo que aquilo não passava de golpe publicitário para vender jornais e revistas já que a história havia de render por um bom tempo , desde que, de vez em quando, um cadáver pelo menos chamuscado fosse encontrado.
 
continua...ou devo parar? aqui você decide.!

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –