ABDUZIDO

3542239850?profile=original

Logo que aconteceu contei para algumas pessoas. Recebendo em troca olhares mal dissimulados de incredulidade, cheguei à conclusão de que não devia mais tocar no assunto. Ficaria com as lembranças só para mim mesmo. E morreria com elas.
Mas agora, diante do desafio do PEAPAZ, vou pela última vez, eu juro, falar sobre o que me aconteceu.


Foi na década de 70, em Santana, pequena cidade do oeste da Bahia. Viajei para uma pescaria com meu cunhado Dásio e alguns amigos dele. Dormiríamos duas noites à beira de Lagoa piscosa.


Ele havia levado uma feijoada com sal de derreter a língua. Por isso a água dos cantis em pouco tempo acabou. Eu fui dormir com a língua já estalando de seca. No dia seguinte o sol inclemente do sertão fez da minha boca um pedaço de deserto ardente. Dásio e os demais companheiros tomavam cerveja e a água barrenta da lagoa. Eu, fazendo a matéria parasitologia na época, me recusava. Não iria introduzir larvas e trofozoítos em meu organismo. Suportaria. As duas latinhas que tomei foram como um pingo de água no deserto do Saara.


À noite a conversa descambou para o tema discos voadores. Havia boatos do aparecimento de luzes inexplicáveis nos arredores da cidade. Eu, o mais estudado da turma, desfiei meus conhecimentos sobre o tema. Fiz um discurso tão vibrante que todos foram dormir bastante impressionados.


No meio da noite acordei com uma luz que piscava perto da barraca e se tornava cada vez mais intensa. Olhei para meu cunhado que dormia um sono profundo. Cutuquei-o e não consegui acordá-lo. Parecia anestesiado. Levantei-me e saí para ver o que acontecia.


Deparei-me então com a cena mais inacreditável de minha vida: um ser estranho, de olhos enormes, era iluminado pela luz intermitente e intensa de uma nave arredondada logo atrás. A cada vez que seus olhos se acendiam era como um chamamento mudo a exigir que eu caminhasse para a nave. Não podia resistir, era como se estivesse hipnotizado.


Já no interior do disco, ainda sem dizer nada, o estranho ser apontou o dedo indicador para minha testa. Tênue luz azulada penetrou-me o cérebro dando-me indescritível sensação de bem estar. Como se meu corpo estivesse sem peso fui “empurrado” levitando até um leito onde me deitaram. Estranha aparelhagem que parecia mais virtual que material, talvez projeções holográficas, percorreram meu corpo de cima abaixo e se fixaram sobre a área genital. Minha consciência foi pouco a pouco se apagando. Embora não pudesse registrar sons dos estranhos seres, ficou impressa em minha mente a frase: modificação do DNA.


Na manhã seguinte, quando surgi do mato com o aspecto de quem “viajou”, deixei Dásio e os companheiros assustados. Quando comecei a contar o que acontecera eles se entreolharam e Dásio decretou: “vamos voltar agora, ele precisa de um médico, está desidratado”.


Hoje, passados mais de 30 anos, lembro coincidência que me parece significativa. Nove meses depois do episódio nascia minha primeira filha. Uma criança linda, de olhos muito grandes, arredondados. Depois vieram mais dois. Em tudo se desenvolveram como crianças normais, mas que sempre chamaram a atenção por um extraordinário senso ético em todas suas condutas. Todos já me deram netos, são crianças que fazem meu coração se derreter diante de tanta inteligência e tanta doçura. Fico a pensar se não serão as crianças da Era de Aquário que vieram para transformar este mundo para melhor.


Bem, esta, como disse, é a última vez que falo do acontecido. Posso até imaginar os sorrisos do outro lado da tela, mas não me importo. O que me importa é a verdade do que tenho presenciado: seres humanos especiais nasceram perto de mim e acredito firmemente que muitos outros estão nascendo por aí (de abduzidos como eu ou não) e que teremos em breve um mundo muito melhor.

GONÇALVES, N. C. PEAPAZ, 16/02/2015

Imagem: Google.

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    3543228526?profile=original

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    Nilson da Cunha Gonçalves

    Creio piamente, milhões foram contactados através de suas condições sensitivas, ocorreu comigo também e considero uma bênção.. Realmente destes contatos há e haverá cada vez mais uma proliferação de energia que conduz ao caminho do amor maior, á conscientização dos valores e reestruturação da Terra através daqueles que trabalham e os que trabalharão para fazer um mundo melhor, mas ainda levará um tempo...Adorei te ler, parabéns pelo belíssimo relato, bjs MIL.

  • BRONZE BABPEAPAZ

    O que me importa é a verdade do que tenho presenciado: seres humanos especiais nasceram perto de mim e acredito firmemente que muitos outros estão nascendo por aí (de abduzidos como eu ou não) e que teremos em breve um mundo muito melhor.

    EU ACREDITO! THE TRUTH IS OUT THERE!

    EU ACREDITO EM SI! E SENTI-ME ABDUZIDA...POR SI!! AINDA BEM!

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    Fui abduzida pelas tuas linhas.

    Entre o fantástico e o real, encantei-me com a leitura.

    Parabéns!

    Beijosssssssssss

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    Impressionada com seu relato!

    Não sou muito crente que existam seres em outros planetas. Mas também, não duvido.

    Aqui num município do Pará, a alguns anos atrás, houve um caso que chamou atenção, principalmente das forças armadas. Nada ficou esclarecido, porém, muitos relatos comprovam a veracidade dos fatos.

    Mas se for para o bem da humanidade, não se deve temer.

    Excelente partilha.

    Bjsss

    http://conspiracaooculta.blogspot.com.br/p/videos-secretos-2.html

  • PRATA BABPEAPAZ

    Conto fantástico,assustador, com um final real e belo...

    • Pela minha parte, acredito meu caro amigo! Você tem algo de diferente, senti isso logo que olhei a sua foto...uma luz interior, um sorriso doce...

This reply was deleted.