A felicidade

Aquele que busca a felicidade ao seu redor, poderá travar muitas batalhas inglórias e só a encontrará quando aprender a servir, a se doar. Mas a maioria das pessoas deixa correr o seu tempo de maior vitalidade nessa busca inglória. Aos poucos, esquecemo-nos de cada momento bem vivido, que pode não ter significado plena felicidade, mas que era uma boa recordação. E quando pouco restar do passado e as pernas vacilantes não nos puderem levar ao futuro e o rosto tiver sido conquistado pelo exército das rugas e, antes da chegada do fim, a memória nos trair, não saberemos quem somos e, muito menos, quem fomos. E a felicidade continuará à nossa espera, bem dentro de nós...
 
Minicrônica publicada no Portal PEAPAZ, em 3 de maio de 2010 às 23h12.
Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

This reply was deleted.