Obra:  Peacock Shawl (Chal de pavo real, Xale de pavão)

Autor: George Owen Wynne Apperley

Estilo: Retratos e cenários

 

George Owen Wynne Apperley

De família nobre galês, perdeu seu pai aos seis anos.

Desde a infância foi atraído pela pintura e apesar da oposição da família,

pode se inscrever na Academia Herkomer e iniciar os seus estudos artísticos.

Seus pais não consideravam profissão adequada para Apperley, ser um pintor.

Seu padrasto mostrou-se partidário que entrasse para o exército, sua mãe queria que seu filho tivesse vocação religiosa. No entanto, a sua decisão de se dedicar à pintura era firme e as pressões da família não puderam impedir.

Em 1904, viajou para a Itália, onde visitou várias cidades como Veneza e Roma.

Foi atraído pela luz do Mediterrâneo e fez várias aquarelas em que representava principalmente cenas de gênero e grandes edifícios históricos como a Basílica de São Marcos .

Em 1907  casou-se secretamente com Hilda Papa. A família da noiva desaprovou o casamento e mudou-se para Lugano (Suíça) para voltar mais tarde para Londres, onde permaneceu alguns anos e teve dois filhos, Edward e Phyllis. Em 1914,

sem a companhia de sua esposa, viajou pela primeira vez para a Espanha e,

em 1916 decidiu emigrar fixando-se em Madrid por um ano.

Em 1917 estabeleceu-se em Granada, onde conheceu Enriqueta Contreras,

que se tornou sua companheira e que retratou várias vezes ao longo de sua vida.

Do resultado dessa união teve outros dois filhos: George e Henry.

Em 1918, uma exposição de suas obras foi realizada em Madrid, que foi inaugurada pelo rei Alfonso XIII e sua esposa Victoria Eugenia de Battenberg.

A partir daí aumentou significativamente o seu prestígio e consideração no mundo da arte espanhola.

Em Granada foi associado com artistas locais, como Francisco Soria Aedo,

José María Rodríguez Acosta e Lopez Mezquita, integrados na vida da cidade e indagando sobre a manutenção de tradições e património. A partir deste momento numerosas cenas suas capturam as paisagens e vistas de Granada a partir de diferentes perspectivas.

Nos anos 1920 e 1930 seu estilo evoluiu, desenvolveu consideravelmente.

Após a proclamação da Segunda República Espanhola, em 1933, mudou-se com sua família para Tanger ( Marrocos ), onde permaneceu até sua morte, em 1960.

Frequentemente fazia viagens para Granada, onde sempre manteve sua casa.

Na cidade marroquina estava interessado em novas questões e era fascinado pelo orientalismo e charme da cidade e seus arredores.

http://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&sl=es&u=http://es.wikipedia.org/wiki/George_Owen_Wynne_Apperley&prev=search

https://rceliamendonca.wordpress.com/2012/04/04/pintura-espanho

TEMA:

Peacock Shawl (Chal de pavo real, Chale de pavão)

Modalidade: livre

Orientações

1- Para participar deste tópico faz-se necessário, na ordem abaixo:

a) publicar a imagem proposta no cabeçalho do texto;

b) indicar o título do poema ou prosa;

c) inserir o poema ou prosa;

d) inserir o nome do autor;

e) inserir o país do autor.

2- Serão destacados, pelos Julgadores, cinco prêmios em cada categoria,

a saber: Poemas, Contos e Crônicas, assim distribuídos:

Primeiro Lugar

Segundo Lugar

Terceiro Lugar

Menção Honrosa

Menção Honrosa

3- Serão rejeitados:

a) os textos dos autores que não exibirem a página do perfil completa;

b) os textos que ignorarem o assunto proposto;

c) mais de um texto por autor, na mesma categoria.

4- Data limite para a postagem:

24 de Fevereiro de 2015 à meia noite.

Participantes da Antologia

Imagem e Literatura nº 35:

- Peacock Shawl -

(Chal de pavo real, Xale de pavão)

REGINA DA CONCEIÇAO MADEIRA GODA. ESPERA

Maria Iraci Leal. O XALE...

Marcial Salaverry.

Copy and WIN : http://bit.ly/copynwin

Marcial Salaverry. COM BELAS LEMBRANÇAS - POEMA

COM BELAS LEMBRANÇAS - POEMA

Copy and WIN : http://bit.ly/copynwin

Rosalina Gonçalves Ramos Herai.

XALE DE PAVÃO - A LENDA DO CÉU VERMELHO (CONTO)

Marcial Salaverry SEMPRE ESPERANDO POR SEU AMOR - CONTO

Cida Maia Oliveira. A MULHER DE XALE - CONTO POÉTICO 

Lais Maria Muller Moreira. Suntuoso

María Cristina Garay Andrade. EL CHAL DE LOS RECUERDOS

Gustavo Antonio Drummond. TELA VIVA

Isabel Cristina Silva Vargas. O ENIGMA DO XALE (CONTO POÉTICO)

Arlete Maria Piedade Louro. MARIA DEL ROSÁRIO (PROSA NARRATIVA)

Carmen Sánchez Cintas SENDA. SOBRE EL PÚRPURA TERCIOPELO

Maria-José Chantal F. Dias. Sou Mulher! Sou Musa! (Prosa)

Paulo César. Inatingível!

 

VENCEDORES

Categoria Poemas

Primeiro lugar

Carmen Sánchez Cintas SENDA. SOBRE EL PÚRPURA TERCIOPELO

Segundo lugar

Paulo César. Inatingível!

Terceiro lugar

María Cristina Garay Andrade. EL CHAL DE LOS RECUERDOS

Menção honrosa

REGINA DA CONCEIÇÃO MADEIRA GODA. ESPERA

Gustavo Antonio Drummond. TELA VIVA

Categoria Conto

 Primeiro lugar

Rosalina Gonçalves Ramos Herai.

XALE DE PAVÃO -A LENDA DO CÉU VERMELHO

Segundo lugar

Cida Maia Oliveira. A MULHER DE XALE

Terceiro lugar

Lais Maria Muller Moreira. Suntuoso

Menção honrosa

Isabel Cristina Silva Vargas. O ENIGMA DO XALE

Marcial Salaverry. SEMPRE ESPERANDO POR SEU AMOR

Categoria Prosa

Primeiro lugar

Maria-José Chantal F. Dias. Sou Mulher! Sou Musa!

Segundo lugar

Arlete Maria Piedade Louro. MARIA DEL ROSÁRIO

Criadora do Grupo: Sílvia Mota

Administradora do Grupo: Maria Iraci Leal

Comissão julgadora

Silvia Mota

Janete Francisco Sales Yoshinaga

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

This reply was deleted.