Forum Cultural

   Um ponto de interrogação que faz parte de minha coleção particular me intriga muito: deixamos de cair no ardil de que é da índole do "homo sapiens" (homem sábio) ser predador? Acaso sábio combina com predador ou fomos, desde há muito, conduzidos por mentes infectadas pelo vírus da razão mecânica do poder, que atua na introdução de mentiras e mais mentiras no inconsciente coletivo para o controle de massa? Vírus esse que se transmuta numa fração de segundo em atrações e recompensas ilusórias de tão inteligente que é, para nos manter atrelados em seus desejos, na inversão de termos e valores reais em função de seus próprios interesses nos mais variados setores do contexto ao que chamamos "civilização" humana.

   Se continuarmos a mentir para nós mesmos de que tudo está em ordem tipo: "a vida é assim mesmo", ou ainda, "faz parte do progresso", é a "evolução dos tempos", quando muitos humildes e ignorantes estão esperando por um salvador qualquer que venha nos tirar dessa trincheira que estamos construindo para sobreviver, permaneceremos na violência da fome, na miséria emocional, que ultimamente vem aderindo roupagens cada vez mais sofisticadas que se distanciam das soluções reais, fazendo com que percamos assim, nossa verdadeira identidade humana para vestirmos a carapuça de zumbis. Identidade humana originada pela Consciência da Energia do Puro Amor para exercer o amor de forma criativa e igualitária.  Nossa espécie está se tornando tecnologicamente "avançada", mas sem a identidade do SER. Que evolução é essa? Só se pretendemos evoluir para o derradeiro final de tudo, causando nós mesmo, esse "final de tudo". Dessa maneira há algo errado com a nomenclatura que nos define como "sapiens".

   Assustam-nos com a idéia do apocalipse, sem, no entanto nos avisar que o "apocalipse" é toda essa armadilha que foi criada e que consideramos a única realidade e que podemos mudar tudo agora, se assim o desejarmos.  Como não vemos isso? Adoecemos a esse ponto? Porque considero que estamos gravemente doentes.

   Minha fé diz que ainda temos um jeito de resolver tais mentiras, conquanto nos apressemos a mudar tudo desde dentro, com auto perdão sim, sem auto piedade. Precisamos parar de sentirmos “pena” de nós mesmos.

   Se continuarmos a camuflar as gritantes contradições que todos sabemos existir, para insistirmos em tentar esquecer através do fútil que nos assola por todos os lados, nossos jovens continuarão a morrer das balas que não são em absoluto! – Perdidas - Continuarão a morrer pela desnutrição do verdadeiro amor que lhes está sendo negado. E os "subterfúgios" (armadilhas disfarçadas), continuarão a transformar nossas vidas em suas prisões controladas, mesmo que sem paredes, refiro-me aqui ao pior tipo das prisões: a que está dentro de nós mesmos. Quem não sabe disso? E ainda poremos um fim no mais lindo e rico dos planetas.

   A mãe natureza não é cruel, é um ser vivo que simplesmente reclama seus direitos de libertade diante do que nós, seus filhos humanos, fizemos e continuamos a fazer com ela.

  Creio que devemos parar de falar em amor para podermos parar de fraudá-lo e sim, sermos o amor simplesmente, exercê-lo. Como? Questionando os atuais resultados dos falsos velhos valores, tentando descobrir nossos próprios estratagemas, tentando ver-nos, ao invés de colocarmos nosso dedo indicador apontados para outros, pessoas ou situações ou qualquer outra coisa fora de nós. Repito: tudo está dentro, nada está fora. Todo conhecimento a respeito de tudo e todas as coisas não está em lugar algum que não seja em nós mesmos. É preciso questionar o que nos é imposto sobre qualquer assunto antes de o tomarmos como sendo nosso, seja uma atitude, uma compra, inclusive da nossa dignidade, pararmos de julgar o outro, etc.; isso vale para todos os setores de nossas vidas, sob todos os pontos de vista e aspecto de qualquer sexo, idade, etnia ou crença.

   Vamos parar de passar as mãos em nossas próprias cabeças. A paz tão sonhada e o planeta que desejamos englobam milhares de detalhes que na maioria das vezes nos passam despercebidos. Precisamos reconhecer humildemente que nesse nosso atual contexto estamos falidos enquanto sociedade que até agora pensamos ser civilizada, e não é de hoje. Precisamos parar de vender o amor e a beleza, a felicidade e o sexo como coisas, precisamos nos conscientizar que a terra com toda a sua fauna e flora, o ar, a água e nós, somos todos sagrados. O segredo das reais soluções está incluso entre linhas de mais fácil acesso para aquele que deseja descruzar seus braços.

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • É aquele negócio: ao apontarmos o dedo indicador para alguém ou alguma coisa devemos antes, perceber que neste gesto, três apontam para nós.

    O problema é que queremos isso ou aquilo sem nos perguntar primeiro se estamos aptos para concretizarmos o que queremos. Nada está fora da gente, tudo está dentro e nos esquecemos disso sempre.

    Grande beijos dourado e que bom que vc é mais uma que sente assim!

    MEL RACIONAL disse:

    Acredito e concordo em tudo isto que vc esboçou!

    E agradeço por esta consciência sobre tudo ... Como é lindo pensar grande! Pensar consciente!

    Um abraço

    Mel 

This reply was deleted.