SOBRE O IMPENETRÁVEL NADA...

 

 

Porque agora esta necessidade de escrever sobre o nada?

 

Sim!...  O nada, mesmo...! Por que não?!...

 

Mas,

para isso,

preciso buscar o vazio do nada!

Seria mesmo isso?...

 

Mas, o vazio do nada é também alguma coisa,

pertence,

está,

sentimos a sua tênue presença!...

 

Então..., busco e visualizo um nada embutido;

logo e logicamente,

tateio o vazio em busca das suas paredes...

 

Sim..., tudo o que está embutido,

está guardado,

trancado,

enclausurado!...

 

Sendo assim,

nada posso escrever sobre o impenetrável nada!...

 

Poderia então desenhar um quadrado,

e dentro deste quadrado um retângulo,

e uma linha reta,

e uma esfera, e um octógono!...

 

O que passaria a representar o então quadrado delineado?...

Passará este quadrado a ser as paredes do nada embutido?

Revolvo a minha mente cansada e desprotegida....

 

Não me permito ao descanso!...

Preciso pensar em alguma coisa que se resuma ao nada...

 

Mas,

como buscar o nada se ele logicamente pertence ao tudo existente?

Está,

faz parte do contexto universal das formas voláteis!!!...

 

Seria o nada aquele vazio entre um pensamento e outro?!...

 Aquele espaço de milésimos de segundos seria o nosso microcosmo?!

 

Disto-me momentaneamente deste conflito racional...

 

Aspiro..., respiro..., transpiro...,

para oxigenar esta minha eloquente mente...

 

Distribuo pelo chão do meu quarto os meus ideais,

os meus débeis pensamentos escritos,

rabiscados em papel jornal tais quais hieróglifos,

propositalmente, faço e desfaço o pensar...

 

Levanto o meu corpo,

olho do alto as minhas frágeis e desnutridas idéias,

de mãos dadas com os meus fragmentados

e loucos pensamentos...

 

Aliás, pensando melhor,

nem tão frágeis e nem tão loucos se permanecerão!

Atemorizados?!

Sim!... Pode ser...

 

Fecho meus olhos para a realidade...

 

Mentalizo um lugar,

uma paisagem, um quadro, um sorriso,

cabelos coloridos que o vento brando brinca,

um olhar da cor do momento, que sorri...

 

Sim!...

Intui-me a minha mente que pode ser por aqui,

o início,

para escrever sobre o impenetrável nada!...

 

Seria mesmo, este, o princípio do nada que a minha mente criou?!...

 

Retorno o meu olhar para as minhas folhas,

largadas e abandonadas,

espalhadas propositalmente no vasto tapete,

deitado pelas estradas desta minha vida...

 

Esta minha irreverente e inconsequente mente,

diz-me ainda da necessidade de imaginar um nada diferente,

tal qual a este nada de agora que se faz extenso,

intenso?!...

 

Utopia?!...

 

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

  • BRONZE BABPEAPAZ

    Combinou com meu estado de espiríto hoje...

    Um nada tão tudo de nada que nem sei.

    Na verdade suas palavras são repletas de respeito a vida

    só pelo fato de você avaliar, sondar e rondar a si mesmo

    sem julgamentos apenas pela satisfação

    de conhecer um pouco mais o você que faz compahia a voce

    mesmo.

    o poder da palavra sempre me assombra sobretudo

    quando nasce de mentes brilhantes.

    • Fico feliz, quando encontro as tuas inteligentes verdades verdadeiras nas minhas loucas páginas... Mais feliz ainda, quando deparo-me com o teu comentário numa página escrita antes, muito antes de te encontrar por aqui...Esta, por exemplo, postada no início deste ano... Também leio e busco você, em cada página tua, através das tuas letras e versos... E cada vez mais, sinto que a tua estrada poética, contém um imã, que atrai o meu querer saber e aprender com o conteúdo das tuas páginas... Te espero sempre!... E te agradeço pela constância...

  • Lindo poetar, um nada cheio de tudo, parabéns pela inspiração.

    Abraços..........

     

  • TOP BABPEAPAZ

    Utopia nada, caro Nômade.  Muito bem estruturado.  Abraço.

  • PRATA BABPEAPAZ

    Maravilha de versos que são tudo...  

  • OURO BABPEAPAZ

    MMM2610.bmp

  • OURO BABPEAPAZ

    Que poesia Caro Poeta! Uau...

    O NADA é como o TEMPO. Não existe.

    Não há NADA. NÃO TEM COMO.

    Eu achei interessantíssimo esse verso:

    "olho do alto as minhas frágeis e desnutridas idéias,"

    Se elas fossem vigorosas e nutridas, o que será que eu leria?

     

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    Dentro do meu Nada, existe Tudo.
    Me apaixonei pela forma como vc se expressou, parabéns!

This reply was deleted.