Mensagens de Blog

Dos mitos: singelo poema lusófono

Dos mitos

 J. A. Medeiros da Luz

  

Já sei: eis que irei me exilar

Nas caatingas espinhentas do cangaço,

Na mui remota floresta de Sherwood,

Nesta noite de alto índice ceraúnico;          

Nos grotões dos chapadões, onde jagunços

Esperam — entre tragos de pitu e prosa leve —

A poeira baixar...

 

Esconder-me-ei na quiçaça, no maqui,

A esquadrinhar os horizontes das veredas,

Atalaia em noite de cinco estrelas — quando muito! —

À espera de futuros dias;

 

Pois que os donos do mundo,

Usurpadores de nossos devaneios

(Farsescos Napoleões de manicômio)

Reclamam para si

Mil salamaleques, mil mesuras

À sua brutal estultice,

Já tão aquinhoada com aquelas costumeiras

Lambidelas de ego, sempre vindas

Dos espertalhões de sempre.

 

Sim, nesta nigérrima invernada,

Me acoitarei

Nos mocambos de arredios quilombolas,

Nas moitas mais ermas das coxilhas,

Nos varadouros enoitecidos dos igapós,

Nos barrancos perdidos das gerais,

Nas penumbrosas bocainas dos tupis,

Desopilando a alma com estoicismo,

Entre escaramuças de cutelo,

Mas ruminando o bom dizer

Daquele doce Nazareno — até

O certo retornar da alvorada,

Alvorada que (não nos assevera Homero?)

Possuía lindos, lindos dedos cor-de-rosa.

 

Ouro Preto, janeiro de 2019.

Do livro: Vielas Enoitecidas, a sair pela Jornada Lúcida Editora.

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

  • OURO BABPEAPAZ

    Poeta José Aurélio,

    Especial poema. Os versos são para decantá-los aos poucos. É uma lição. Um apendizado. LINDO!

    • Cara Margarida: agradecido pelas palavras de ânimo. Bagre velho tem dessas coisas: cada rabanada dele no lodo do açude levanta umas velharias que já estavam sedimentadas há eras...E entre elas, por vezes, turbilhonam uma dúzia de velhos dizeres de outros tempos, que — na contraluz — rebrilham brevemente como contas ao sol, e logo submergem, de volta à vasa do passado. 

      Abraço do  j. a.

    • OURO BABPEAPAZ

      Boa Tarde J. A.

      Seu comentário é um poema novo.

    • Sinto-me envaidecido com sua amabilidade. É que a nossa última florzinha do Lácio sempre ajuda, apesar de sermos suspeitíssimos when it comes to Portuguese language...

    • OURO BABPEAPAZ

      De fato. Grin.gif

  • BRONZE BABPEAPAZ

    Muito bonito 

    • Caro Almada: obrigado pelos votos. Espero que a carroçada de brasileirismos geográficos e históricos que usei, não tenha dificultado muito o entendimento de parte dos irmãos hispanoparlantes.

      Abraço do j. a.

  • 781521143?profile=RESIZE_710x

    • Cara Ciducha:

      Obrigado pelo apoio. Os sonhos merecem de nós a porfia. Nesta demanda telúrica pelos nossos muiraquitãs, lutemos por superar todos os percalços — por indesejáveis que se nos mostrem — para que, no fechar das contas (como Saulo, lá da velhusca cidade de Tarso), restar-nos a certeza de que fizemos o nosso melhor, por diminutos que tenhamos sido. 

      Abraço do j. a.

  • DIAMANTE BABPEAPAZ

    774168891?profile=RESIZE_710x

This reply was deleted.