Mensagens de Blog

Poeta e Escritor

ao relento

 

Caminha ao léu, pensamento lento, olhar fixo ao céu do eterno firmamento, o velho, sentindo a brisa suave e lisa a deslindar-lhe novo linimento na breve lufada dum divino vento. E nessa brincadeira, ideias mensuradas filosofam fatos verídicos ainda que sejam derradeiras. O velhote andarilha sobre a estrada de poeira com muita idade, sobre o sábio cangote com o qual já não mais parvoeira de cima de seu camarote. São anos de estradas, montes, mares, filhos e netos, e mais encruzilhadas e outros motes a lhe conferirem preciosos dotes. Ninguém sabe de sua sagacidade vivida em grandes cidades. Torna-se tão importante que; já ninguém lhe nota a invisibilidade. Fica leve mais que a brisa, não mais sofre das dores ignóbeis, pois, é apossado de espírito nobre. Não sente mais medo, tampouco da morte em seus intrincados segredos, se vai dormir tarde, ou levantar mais cedo. Torna-se atemporal ao ter ciência de sua impaciência de ser mais um ser mortal. Seus valores mudam como mudam os dos demais importantes senhores ao se tornarem jograis de seus próprios estertores. Nasce frágil o iluminado, com muito cuidado cresce pela vida em flor, forma-se doutor, erra, acerta, porém, aprende a dizer amém. E isso não é pra quem quer e sim pra quem tem a ação de fazer acontecer o bem. Angaria muitos bens, muito além de seus ideais, mas o tempo assola, a ferrugem rola, a traça o seu diploma enrola, resta-lhe uma velha e cansada carcaça por esmola a qual lhe enche de tamanha graça, pois, dos seus bens se desvencilha. Assim continua sua feliz jornada, além desta ilha, enquanto, o tempo avança além do aquém ao qual o nirvana lança sua alegre maravilha. 

 
Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

This reply was deleted.