ANALOGIA

                                                                         

4125234100?profile=RESIZE_710xTiraste o folgo dentro de mim.

Fora da luz do Sol

Não sou mais o mesmo

As cicatrizes permanecem

Se me desses um sinal não verias nada de mal

Mas continua algo enterrado no teu silêncio.

 

Há histórias que ficaram por contar

Sinto falta por não tas poder entregar.

Não tenho sido merecedor

Inconscientemente provoquei alguma dor

Tive em mãos um coração de ouro

Deixei-o derreter pelo passar do tempo

E agora pode ser tarde pelo meu envelhecer.

 

Estive em vários pontos no exterior

Cruzei o oceano por um coração de ouro

Olhei para todos os cantos

Procurei o que perdi, e não encontrei.

 

Tenho uma única linha em minha mente

Não consigo decifrar se é agradável ou impertinente

Mas sinto-a muito estável.

 

Culpei-me pela insegurança

Dia a pós dia perdia a esperança

Quando olhava para teu rosto ele tremeluzia

Sentia uma imagem pouco nítida.

 

Sentia correntes de emoções

Que se apossavam de mim

Naquele olhar bem de frente

Havia força nas afirmações

De uma mulher poderosa e independente.

 

Fazia acreditar pelo entrançar dos dedos

Sentia-me confortável pela sua aceitação inata

Mergulhava numa atração crescente

O dia aproximava-se da noite, sentia alegria

Mas havia o outro dia.  

Pelo caminho de volta pensava…

Continuar ou cessar. Algo me dizia que estava a perder o juízo  

Questionei-me como continuar amar

Quem não pode estar!

 

Joaquim Moreira

15-03-2020

 

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

This reply was deleted.