AMOR

Um sentimento meigo e puro

De uma doce e bela infância

Que estava tão longe de meu coração

Agora invade a minha vida

Junto a uma emoção vivida.

 

Havia nesta lembrança o lindo

Toque sutil da inocência

A um desejo incontrolável

De estar perto da pessoa amada

E poder declarar tão somente

A paixão de meu coração

Por estar apaixonado.

 

Mas esta vida que nos cerca,

Esta vida de cada dia é tão irônica,

E ao mesmo tempo cruel foi

Guiando-me por caminhos

Diferentes e na dor de tua partida

Vi-me perdido sem o teu amor

Que ficou escondido no

Meu peito eternamente.

 

Depois de tanto tempo

De tanto te procurar

E de ter diversos amores

Em minha vida aconteceu

O inesperado você simplesmente

Apareceu em minha vida

E conseguiu resgatar a alegria

Que tinha sumido de minha vida.

 

Confessei a ti a saudade que me fazia

Sofrer por estar sem te ver

E a alegria que sentia agora neste

Momento em poder dizer

E confessar a tia o meu

Amor de infância por ti.

 

Sorrindo vi que de teus olhos

Aquele brilho que tinha sumido

Aos poucos foi aparecendo

E que o amor que você tinha por

Mim na infância aos poucos

Foi surgindo de novo em você.

 

Agora o destino me da uma

Nova chance junto a um

Outro momento quando agora

Estamos nos dois frente a frente,

Olhos nos olhos nos declarando

Que nossa hora chegou e que

Este amor de infância nunca

Mais irá sair de nossa vida.

 

Comendador Marcus Rios

Poeta Iunense - Acadêmico -

Membro Efetivo da Academia Iunense de Letras (AIL)

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Belas Artes Belas.

Join Belas Artes Belas

Comentários

This reply was deleted.